Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Só o zapatismo resiste a Obrador

A esquerda mexicana chegará ao poder divorciada do movimento indígena mais conhecido do mundo

El subcomandante Marcos Ampliar foto
O subcomandante Marcos, em 2001. REUTERS

Desde que sua vitória foi confirmada, há quase uma semana, Andrés Manuel López Obrador recebeu o aplauso dos líderes mundiais, incluindo Donald Trump, além dos candidatos derrotados, sindicalistas, intelectuais e até empresários.

Também se juntaram ao reconhecimento coletivo Carlos Slim e as entidades patronais mexicanas, que enfrentaram Obrador durante a campanha, assim como seus arqui-inimigos, os ex-presidentes Carlos Salinas, Vicente Fox e Felipe Calderón.

Só uma voz se levantou para repudiar a vitória: a do zapatismo. A velha confrontação entre o líder da esquerda e o movimento indígena de Chiapas não cicatrizou nem com 30 milhões de votos.

O Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN) respondeu com desprezo ao triunfo de López Obrador nas eleições, há uma semana, advertindo que o político de 64 anos será outra decepção. “Podem mudar de capataz, de mordomos e jagunços, mas o fazendeiro continua sendo o mesmo”, disse o EZLN em nota na sexta-feira. O EZLN compara a eleição vencida por López Obrador com um jogo de futebol. “O dono da bola não perde, seja qual for o time vencedor. A grande final tão esperada e temida terminou, e o clube vencedor recebe, com falsa modéstia, o clamor dos espectadores. Quantas vezes você já escutou isso? Muitas. Vale à pena contá-las? As derrotas reiteradas”, afirma o comunicado assinado pelos subcomandantes Galeano (antes Marcos) e Moisés.

Desde a contundente vitória de Obrador, o país mergulhou numa onda de entusiasmo que reverte a depressão reinante após a vitória de Trump, algo que até os zapatistas reconhecem. “Ao menos a esperança atual alivia essa história de fracassos à qual logo se juntará a desilusão prevista.” Mas a reação do movimento indígena, que conquistou o mundo com seus gorros e escopetas de madeira durante o levante de 1994, tem sido a única nota dissonante num coro que aplaude a chegada da esquerda ao poder.

López Obrador em 1994 junto ao subcomandante Marcos e Cuauhtémoc Cárdenas
López Obrador em 1994 junto ao subcomandante Marcos e Cuauhtémoc Cárdenas

A resposta tem sido coerente com o conflito mantido há anos entre Obrador e o subcomandante Marcos. Um distanciamento que começou na campanha de 2006, continuou na de 2012 e chega aos dias atuais. Nesses anos, os zapatistas acusaram Obrador de ser “inimigo dos indígenas”, “representante da falsa esquerda” e de estar rodeado de colaboradores que foram responsáveis por matanças como a de Acteal.

“A relação entre o zapatismo e as diferentes esquerdas (mexicanas e estrangeiras, partidárias e não partidárias) é complexa e difícil de resumir. Certo é que, pelo menos desde 2005, o EZLN afirma que Obrador não significa uma mudança real: que não é uma esquerda, e sim uma direita moderada”, explica o escritor Luciano Concheiro, conhecedor do mundo zapatista.

Três meses antes das eleições, Obrador tentou sua última aproximação durante um ato político em San Cristóbal de las Casas. “Estendo minha mão ao EZLN em franco sinal de respeito e reconciliação”, bradou naquele dia, sabendo que os destinatários da mensagem o escutavam entre o público. Mas também os criticou por tentarem dividir o voto da esquerda apresentando uma candidatura indígena. “O EZLN em 2006 era o ovo da serpente (...), eles eram muito radicais, pediam que as pessoas não votassem, e agora propõem uma candidata independente”, protestou.

Poucos dias antes da votação, em seu poderoso ato de encerramento da campanha no estádio Azteca, ante mais de 100.000 pessoas, Obrador citou duas vezes os povos indígenas. E voltou a mencioná-los na noite da vitória. “É compreensível certa desconfiança em relação aos partidos e ao Governo. Os povos indígenas viveram os episódios mais duros do modelo neoliberal. Foram privados de seus recursos naturais e suas formas de representação”, afirma Adelfo Regino, o homem proposto por Obrador como comissário para os povos indígenas.

Podem mudar de capataz, de mordomos e jagunços, mas o fazendeiro continua sendo o mesmo

Segundo Regino, “os zapatistas querem medidas claras, não palavras”. Ele se propõe a realizar três metas se for confirmado no cargo: “cumprir os acordos de San Andrés, que colocaram fim ao levante zapatista; incluir as recomendações das Nações Unidas sobre a autonomia indígena; e implementar as mudanças legais que permitam sua soberania sobre os recursos naturais”, revelou em entrevista ao EL PAÍS.

Mas Concheiro lembra que “para o EZLN López Obrador não é um aliado, pois representa uma continuidade do sistema capitalista, não uma ruptura. [Os zapatistas] acreditam que, mesmo que haja uma mudança nas elites políticas, só existirá uma mudança profunda se houver uma transformação das formas de vida e do modo de produção. E que, também é preciso dizer, essa mudança não necessariamente acontecerá de cima para baixo”, esclarece o escritor.

Nos últimos meses, a relação entre Obrador e Marcos, que desconcerta boa parte da esquerda, foi marcada por uma série de gestos não correspondidos. “Quem está vivendo uma lua de mel com Obrador é o sistema de partidos, mas o país não está preparado para a inclusão dos povos indígenas – e, portanto, tem sido cauteloso com sua vitória”, pondera Mardonio Carballo, poeta, escritor e jornalista que fala e escreve no idioma náhuatl. “Todo o México está estruturado para que aqueles que pertencem às comunidades autóctones não tenham participação na vida nacional e no processo decisório”, completa.

Para Carballo, contudo, os indígenas do México – cerca de 20% da população – são um corpo diverso e com diferentes formas de encarar a chegada de Obrador. “No México há 68 línguas indígenas e, portanto, 68 formas de dizer ‘amor’ e 68 formas de formas de ser rebelde. As reivindicações e as realizações são diferentes entre eles”, afirma.

MAIS INFORMAÇÕES