Seleccione Edição
Login

General interventor do Rio veta jornalistas em evento aberto à imprensa

Braga Netto tem evitado exposições públicas e não admite questionamentos a seu trabalho à frente da segurança pública fluminense

O interventor federal do Rio, general Walter Souza Braga Netto.
O interventor federal do Rio, general Walter Souza Braga Netto. AP

O general Walter Braga Netto, comandante militar do leste e interventor federal no Rio de Janeiro, vem impedindo que a imprensa registre boa parte de suas falas públicas e faça perguntas sobre o seu trabalho como governador da área de segurança pública do Estado do Rio de Janeiro. O mais recente episódio ocorreu nesta sexta-feira, em evento promovido pela Câmara Espanhola de Comércio no Museu do Amanhã, no centro do Rio de Janeiro, ainda que seu porta-voz negue que ele tenha vetado a cobertura jornalística de seu discurso. Além do militar, nomeado interventor pelo presidente Michel Temer (MDB) em fevereiro, participaram do evento O futuro do Rio de Janeiro Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, e Rubem César Fernandes, secretário-geral da ONG Viva Rio e pré-candidato ao governo do Estado pelo PPS.

A imprensa fora convocada pela Câmara Espanhola para o evento, que era fechado e com convites que variavam de 300 a 450 reais. Mas, no momento do debate, marcado para começar às 11h30, os repórteres foram impedidos de permanecer no local. Um repórter de O Estado de S. Paulo foi expulso do auditório pela organização e instado a não usar o conteúdo que havia conseguido registrar no início do evento. Explicação, de acordo com fontes ouvidas pela reportagem: o general Braga Netto vetara a presença de repórteres durante sua fala. Além da restrição aos jornalistas, os convidados foram orientados pela organização do evento a não filmar e nem gravar o debate para "deixar os convidados à vontade".

Oficialmente a explicação foi outra. O coronel Roberto Itamar, porta-voz de Braga Netto, explicou ao EL PAÍS que o interventor federal tinha autorizado a presença e inclusive perguntas de repórteres, mas que não queria que seu discurso fosse filmado ou fotografado. Já representantes da Câmara Espanhola argumentaram que não havia consenso entre os convidados sobre a presença de jornalistas durante o debate, o que teria gerado a decisão não permitir a entrada dos profissionais. A imprensa ficou fora do auditório e só foi autorizada a fazer entrevistas individuais após o evento com os que quisessem falar. Não foi o caso de Braga Netto.

Outros episódios

Durante os quatro meses de intervenção federal outros episódios também revelaram certa resistência de Braga Netto na hora de prestar esclarecimentos à imprensa. Nesta quinta-feira, após entregar um plano estratégico da intervenção para Temer, em Brasília, chegou a falar rapidamente com repórteres na saída do Planalto junto com o ministro da Segurança, Raul Jungmann. Mas, segundo relatos de jornalistas presentes, saiu apressadamente dizendo que tinha de pegar um voo. Na quarta-feira, dia 13 de junho, Braga Netto também fez uma explanação sobre a intervenção federal e o plano estratégico em um debate realizado na Associação Comercial do Rio de Janeiro. Câmeras de vídeo e foto de vários veículos de comunicação estavam posicionados para registrar o momento, mas Braga Netto ordenou que todas as máquinas fossem desligadas, algo que foi prontamente aceito pelos profissionais ali presentes, segundo relatos. Naquela ocasião, o general permitiu a presença de jornalistas, que inclusive puderam gravar o áudio de sua fala. Segundo explicou o coronel Itamar ao EL PAÍS, Braga Netto não gosta de ser filmado e nem fotografado porque "perde a concentração na hora de falar".

Os sinais de que Braga Netto realizaria seu mandato afastado dos holofotes começaram já em sua primeira entrevista coletiva como interventor federal, no dia 27 de fevereiro deste ano. As perguntas dos repórteres tiveram que ser escritas em papéis distribuídos pela assessoria de imprensa (nos quais se pedia para colocar nome, veículo, e-mail, telefone e cargo) e entregues dez minutos antes da entrevista começar, para que fossem previamente analisadas. A coletiva foi encerrada em apenas meia hora e poucas perguntas foram respondidas.

Dias depois, quando a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes foram executados, Braga Netto se limitou a soltar uma pequena nota lamentando o ocorrido, apesar de ser ele o responsável pela segurança pública do Estado. Coube ao ministro da Segurança Raul Jungmann vir à público para dar explicações e prometer o empenho das autoridades em investigar o caso. “Não havia motivo para fazer uma exposição pública sobre uma questão que estava sendo noticiada. Já havia ministros e outras pessoas falando. Ele trabalha muito e não é de muitas palavras”, explicou o coronel Roberto Itamar em abril durante uma conversa com o EL PAÍS, que havia solicitado uma entrevista a Braga Netto.

Para que sua imagem seja preservada e evitar vir a público para explicações, o coronel Itamar se tornou a face mais visível da intervenção federal. O general do Exército e comandante militar do Leste continuará como o máximo responsável pela segurança pública do Rio até o dia 31 de dezembro deste ano.

MAIS INFORMAÇÕES