Seleccione Edição
Login

Brasil vive febre de investimentos em bitcoins, de empregadas domésticas a bancários

Criptomoeda mais popular do mundo já tem mais que o dobro de investidores da Bolsa de São Paulo no Brasil

Bitcoin
Representação da criptomoeda bitcoin. AFP

Já faz alguns meses que a empregada doméstica Benedita Prado, de 48 anos, começou a se familiarizar com a palavra bitcoin. No círculo familiar e de amigos não eram poucas as pessoas que contavam estar investindo na moeda criptografada. "Para ser sincera, eu entendo mais ou menos o que é o bitcoin, só sei que ele rende muito mais do que a poupança. Mas sei que é arriscado, é como se fosse jogar na loto. Sei que podemos perder tudo", explica Benedita, que junto com o marido resolveu investir 4.000 reais em bitcoins. "Resolvi tirar um dinheiro da minha poupança que não estava rendendo nada. Até agora está dando tudo certo" , conta.

Ela faz parte da ascensão meteórica do bitcoin, que desde no ano passado fez o número de investidores brasileiros em criptomoedas dar um salto e ultrapassar o total de pessoas físicas cadastradas na Bolsa de Valores de São Paulo (B3). Não é para menos, em 2017 o ativo digital valorizou 1.400%, despertando o interesse dos mais diversos investidores. A criptomoeda começou o ano valendo menos de mil dólares (3.300 reais) e atingiu sua maior cotação pouco antes do natal, chegando a 19.300 dólares (63.690 reais). As três maiores casas de câmbios de bitcoin - chamadas exchanges -, onde ocorrem cerca de 95 % das transações da criptomoeda no país, tinham cadastradas 1,4 milhões de pessoas em dezembro. Mais que o dobro de pessoas registradas na bolsa de São Paulo, que no fim do ano, possuía 619 mil pessoas físicas.

Nas últimas semanas, no entanto, a criptomoeda mais popular do mundo começou a apresentar consecutivas quedas, expondo mais uma vez sua volatilidade. Ainda que o valor do bitcoin tenha caído quase para a metade - atualmente cotado a cerca de 10.000 dólares - o interesse pela moeda continua, segundo as casas de câmbio, que seguem cadastrando novos usuários.

"A queda faz parte. Se algo só valorizasse que seria estranho. Não me preocupa", explica o bancário Tiago, que investe em bitcoins desde o fim de 2015. Na avaliação dele, a criptomoeda está numa fase de supervalorização muito suscetível à especulação. "Houve uma corrida por bitcoins, mas na primeira queda forte que a moeda deu, as pessoas começaram a vender desesperadamente. É muito mais uma reação do mercado do que uma desvalorização do ativo", explica.

Em 2016, quando viu que o montante que tinha aplicado em bitcoins tinha valorizado 600%, Tiago resolveu tirar parte do dinheiro ganho. Mas agora pretende deixar o ativo parado e ver o que pode conseguir no longo prazo. Além de uma oportunidade de ganho financeiro, o bancário acredita que a tecnologia do bitcoin é revolucionária e só tende a crescer. "A chegada das criptomoedas fizeram os bancos começarem a pensar diferente. O sistema de block chain (vejo no quadro abaixo) vai ajudar o sistema financeiro como um todo", diz.

Assim como acontece em momentos de baixa de aplicações tradicionais, especialistas no setor não recomendam aos investidores de bitcoins se desfazerem agora da atual carteira, já que há risco de amargar prejuízos. O momento é de ter sangue frio e observar o movimento da moeda.

Na avaliação de Marcos Henrique, sócio da Foxbit, casa de câmbio da criptomoeda, com 400.000 clientes, a reação dos investidores depende muito da experiência que eles já possuem com o mercado. Clientes mais antigos já estão mais acostumados com as oscilações. Para Henrique, a volatilidade da moeda, entretanto, não significa que não se deve investir em bitcoin, mas é importante uma educação financeira para que a pessoa aplique na criptomoeda um dinheiro compatível ao seu perfil. "A curto prazo o bitcoin pode continuar caindo, mas se você fizer um planejamento financeiro disposto a correr risco, você pode fazer um pequeno investimento. O mínimo na Foxbit é 250 reais. Em 5 anos, talvez você transforme 250 reais em 2.500. Mas é claro que não recomendamos vender um carro ou uma casa para investir em bitcoins", explica.

O processo de comprar bitcoins

No Brasil, as pessoas interessadas em comprar bitcoins devem recorrer a uma corretora de criptomoedas, onde são conectas as pessoas interessadas em comprar e vender, como uma bolsa de valor. Para cada transação, há uma taxa a ser paga a essas exchanges. Ainda são poucos os estabelecimentos no país que aceitam as criptomoedas. Como o uso do bitcoin para transações comerciais cotidianas está longe de ser comum, Ricardo Humberto Rocha, professor de Finanças do Insper, defende que ele é atualmente muito mais um ativo digital que uma moeda. "Ainda estamos tentando entender o que é esse ativo digital. Mas na medida que a Bolsa de Valores de Chicago lançou no ano passado contratos futuros para o bitcoin [os grandes investidores já podem apostar na alta e na baixa da criptomoeda], ela referenda que ele é um ativo digital", explica.

O bitcoin, entretanto, não está associado a um produto físico nem ao rendimento de uma empresa. Tampouco é uma moeda que tenha o respaldo de um banco central ou de uma economia. É um ativo que existe numa rede formada por servidores eletrônicos. "Acho que parte do sucesso das criptomoedas é exatamente essa ruptura com os ativos tradicionais. Hoje tudo do ponto de vista monetário está ligado a um banco, regulado dentro do sistema. Outro atrativo é a facilidade de se investir, há menos burocracias que a bolsa de valores, por exemplo", diz Rocha.

Foi exatamente esse conceito descentralizado que interessou o administrador de empresa Thiago a investir em criptomoedas e começar a buscar mais informações sobre esse novo mercado. "É um sistema bem seguro e tem uma possibilidade bem grande dessas moedas começarem a impactar o mercado financeiro. Resolvi apostar, mesmo sabendo do risco, com uma grana que não vai me comprometer caso eu perca. É uma aposta racional", conta Freire que primeiro comprou bitcoins, no fim do ano passado,para entrar no mercado e, em seguida, adquiriu o ripple, a segunda criptomoeda mais valiosa atualmente. Seu plano agora é só retirar o que aplicou quando conseguir o dobro do que investiu.

Os riscos da criptomoeda

Apesar da popularização do bitcoin, o investimento não é recomendado pelo Banco Central do Brasil, que avalia o risco da criptomoeda seguir o caminho de uma bolha financeira. No início do ano, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que regula o mercado de capitais brasileiro, decidiu proibir a compra direta de criptomoedas por parte dos fundos de investimento regulados e registrados no Brasil. A manifestação foi publicada depois de diversas consultas feitas à comissão. Órgão regulador brasileiro disse que ainda há dúvidas sobre segurança da mais famosa criptomoeda. A CVM faz a ressalva de que está acompanhando as discussões em torno de investimentos em bitcoins, mas diz que esse debate ainda é "bastante incipiente" e mencionou um projeto em discussão na Câmara dos Deputados para regular a criptomoedas. Ainda que o autor do projeto seja a favor da negociação no Brasil, o relator da matéria é contra.

Tanto o BC quanto a CVM seguem já o caminho de várias instituições ao redor do mundo que, nos últimos meses, alertam sobre os riscos da criptomoeda. Nesta semana, o banco sueco Nordea proibiu seus funcionários de usarem bitcoins e o Bank of America aconselhou aos clientes que desejarem comprar esse ativo de alto risco a recorrerem a outra entidade.

Entenda o que é o bitcoin

O que é um bitcoin?

O bitcoin é uma moeda digital criada em 2008 e a primeira a usar a criptografia. Sua emissão é realizada de forma descentralizada, não é emitida por um banco central de um país nem está atrelada à política econômica de um Governo. Com ela, é possível adquirir bens, serviços e fazer pagamentos em empresas web ou físicas que a aceitem. Na prática, o bitcoin tem sido mais utilizado para realizar transações financeiras diretas no mundo inteiro. O limite máximo de bitcoins em circulação é de 21 milhões, número definido pelo algoritmo do Bitcoin.

Como o bitcoin funciona?

O bitcoin é a primeira aplicação da tecnologia blockchain (cadeia de blocos). O sistema desenvolvido por Satoshi Nakamoto possibilitou a distribuição de informações digitais através de um livro de registro descentralizado que armazena todas as operações realizadas e que não pode ser modificado por nenhum participante, o que garante que ninguém poderá manipulá-lo. O blockchain pode ser comparado a um arquivo de Excel, com entradas e saídas de valores, compatilhado na nuvem. E esse arquivo é sincronizado com 11.000 servidores que guardam uma copia.

Como consigo a criptomoeda?

Para conseguir um bitcoin você deve comprá-lo numa espécie de bolsa de valores de Bitcoins. Isso pode ser feito por meio de uma conta numa corretora, chamada exchange, que atue nesse mercado. Outra forma é a mineração de bitcoins, de onde todas as unidades se originam, mas hoje só é rentável para grandes empresas, que investem milhões no processo de mineração.

O que é o processo de mineração?

É a forma como as transações de bitcoins são validadas e confirmadas. A mineração envolve equações matemáticas extremamente difíceis. O participante na rede de mineração que conseguir resolver o enigma recebe como recompensa um montante em bitcoins (atualmente 12,5 por bloco), além de também receber todas as taxas de transação que forem registradas nesse bloco em questão.

Como é calculado o preço do bitcoin?

O valor da criptomoeda segue as regras de mercado, ou seja, quanto maior a demanda, maior a cotação. Historicamente, a moeda digital apresenta alta volatilidade.

No Brasil, o bitcoin é regulado?

Não. Nem o Banco Central, nem a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) regulamentam aplicações em bitcoin.

MAIS INFORMAÇÕES