Seleccione Edição
Login

Escândalo de assédio fecha tradicional clube de empresários e políticos ingleses

Revelações sobre o jantar de gala organizado pelo Clube dos Presidentes, que só aceita homens, abalaram o 'establishment' da capital britânica

Hotel no qual foi realizada a festa apenas para homens que causou a demissão de um alto funcionário do governo britânico.
Hotel no qual foi realizada a festa apenas para homens que causou a demissão de um alto funcionário do governo britânico. AP

Só homens eram convidados para os Jantares dos Presidentes, um evento organizado em Londres e cujo objetivo era arrecadar fundos para organizações beneficentes. No último, arrecadaram dois milhões de libras para um hospital infantil. Mas o Clube dos Presidentes, a organização responsável pelo evento, anunciou na quarta-feira, dia 24 de janeiro, que fechará suas portas depois que uma reportagem do jornal Financial Times descobriu que, pelo menos no último jantar, realizado na quinta-feira passada, dia 18 de janeiro, as garçonetes eram tocadas, assediadas e recebiam propostas sexuais.

Os patrocinadores, entre os quais estão milionários, famosos e políticos, explicaram em um comunicado que, antes do fechamento do Clube, todos os fundos arrecadados no jantar de gala, realizado no hotel Dorchester, serão “distribuídos de maneira eficiente entre organizações que trabalham com crianças”. Nem uma libra irá, no entanto, para o hospital Great Ormond Street, que afirmou que devolverá as doações do grupo.

O Clube dos Presidentes foi inspirado nos chamados gentlemen´s club (clubes de cavalheiros), tradicionais organizações criadas por membros da aristocracia britânica no século 18, e que, tradicionalmente, eram exclusivas para homens. Hoje em dia, no entanto, muitos clubes já atualizaram seu século de atuação e passaram a aceitar mulheres. 

Reprodução da página do FT com foto do jantar.
Reprodução da página do FT com foto do jantar.

Em Londres, onde os jantares com presidentes eram um símbolo de status, várias companhias já deram as costas à organização. As empresas que cediam objetos para o leilão, que era a forma de arrecadação de dinheiro, disseram que não vão continuar com as doações. Os prêmios incluíam — além de um vale para uma cirurgia estética com o anúncio de “implante de silicone para a patroa” — um chá com Mark Carney, presidente do Banco da Inglaterra e uma refeição com Boris Johnson, ministro das Relações Exteriores. Johnson assegura que não tinha aceitado apoiar o evento e que não sabia que estava incluído no leilão. O Banco da Inglaterra afirma que o chá com Carney, semelhante a um prêmio que já foi oferecido em outro leilão beneficente, foi imediatamente cancelado.

Os 360 convidados, do mundo empresarial, das finanças e da política, rapidamente procuraram tomar distância. David Meller, copresidente do Clube, era um doador do Partido Conservador que acabou com um cargo intermediário no ministério da Educação. Depois do escândalo, se viu obrigado a pedir demissão. Seu colega no ministério Nadhim Zahawi, secretário de Estado da Infância e da Família, foi repreendido em Downing Street por participar e não informar a primeira ministra, Theresa May, do que ocorreu no evento.

No jantar foi servido salmão defumado com caviar, carne maturada e Don Pérignon. Depois começou o leilão. Mas, segundo a investigação do Financial Times, alguns convidados submeteram as 130 mulheres contratadas como garçonetes a um assédio sexual constante.

Antes do jantar, a organização informou as garçonetes, como comprovou a jornalista infiltrada Madison Marriage, que deviam usar roupas íntimas pretas, combinando com as minissaias que seriam entregues a elas, e que seus telefones celulares deviam ser deixados fora. Tiveram de assinar acordos de confidencialidade, eram acompanhadas de volta à sala se passavam tempo demais no banheiro e o tempo todo lhes era oferecido vinho. As garçonetes deveriam ser “altas, magras e bonitas”.

Marriage garante que foi tocada várias vezes e que outras mulheres foram convidadas a quartos de hotel. Uma delas afirma que um dos convidados lhe mostrou o pênis.

O Clube dos Presidentes era, até seu fechamento, uma organização beneficente com 33 anos de existência. Apesar de o mundo ter mudado muito nesse tempo, os jantares de gala que organizava para arrecadar fundos destinados a boas obras mudaram surpreendentemente pouco. Entre os convidados para seus jantares abundam executivos do ramo imobiliário, e as empresas podem patrocinar mesas inteiras do banquete. O jantar de 2013 arrecadou meio milhão de libras, um quarto do que foi arrecadado este ano.

As revelações coincidem com um crescente debate global sobre o tratamento da mulher em vários setores da sociedade, desde o cinema até a política. O Financial Times não é um jornal que costume trabalhar com jornalistas disfarçados, técnica mais utilizada pelos tabloides sensacionalistas. Muitos se surpreenderam que tenha feito isso justamente para atacar executivos de Londres e o establishment, seus leitores tradicionais. Mas o jornal há um tempo tem apostado em assuntos de desigualdade de gênero, em um país em que este debate que se abriu produziu já avanços importantes: a partir desta primavera, por exemplo, as empresas serão obrigadas a publicar informações sobre as diferenças salariais existentes e a detalhar os planos que pretendem realizar para reduzi-la.

A primeira ministra, que no momento está no Fórum de Davos, “está em choque com o que foi publicado”, segundo um porta-voz de Downing Street. “Isso mostra que há um caminho longo a ser percorrido até garantir que todas as mulheres são tratadas adequadamente como iguais”, acrescentou.

MAIS INFORMAÇÕES