Seleccione Edição
Login

Justiça argentina proíbe escolas públicas de ensinar religião

A Suprema Corte decide em favor dos pais que denunciaram a província de Salta, no norte, por discriminar alunos que não querem estudar religião

educação religiosa argentina
Protesto contrário à proibição da educação religiosa em Salta, em agosto passado. Télam

A educação pública na Argentina deveria ser laica. A decisão remonta a 1884, e acaba de ser ratificada pela Suprema Corte de Justiça. Há 133 anos, o país sul-americano aprovou a lei 1420, o pilar sobre o qual se construiu seu sistema escolar público, gratuito e obrigatório, e que definiu que o ensino religioso deveria ser opcional, contar com autorização dos pais e ser ministrado fora do horário escolar. Nos últimos anos, a província de Salta, no norte do país, uma das mais católicas da Argentina, se distanciou dessa norma fundamental e aprovou lei que determinou que se rezasse no início das aulas e que a religião fizesse parte do plano de estudos em suas escolas públicas. A Suprema Corte de Justiça declarou nesta quarta-feira, dia 13 de dezembro, que a lei de Salta é inconstitucional por considerar que discrimina e viola a privacidade, como denunciou um grupo de pais.

Em seu julgamento, divulgado pelo Centro de Informação Judicial, a Corte “considerou provado que é habitual o ensino e a prática de catequese de um só culto (o católico apostólico romano)”. Para os juízes, “a norma questionada, ao incluir a educação religiosa escolar, dentro do plano de estudos e com o aval da respectiva autoridade religiosa, favorece condutas discriminatórias contra meninos e meninas que não integram o grupo religioso predominante ou qualquer outro, gerando, dessa forma, maior desigualdade”.

No Brasil, o Supremo Tribunal federal (STF) decidiu em setembro deste ano que o ensino religioso é compatível com a laicidade da educação, em uma decisão contrária a do país vizinho.

O tribunal máximo argentino exortou as autoridades provinciais a garantir o fim dos ritos religiosos durante o dia letivo e adaptar o currículo escolar. Também invalidou a obrigação dos pais de manifestar se desejam que seus filhos recebam educação religiosa.

“É uma sentença excelente, estamos muito felizes porque fomos nós que promovemos a ação e pelo que representa para os argentinos”, declarou ao EL PAÍS Torquato Sozio, titular da Associação de Direitos Civis (ADC), que se apresentou com os pais como querelante contra a província de Salta. Sozio admite que a sentença está limitada à província de Salta e não atinge outras regiões com leis educacionais semelhantes, como Catamarca e Tucumán, também no norte. Mesmo assim, cria um precedente e pode motivar outros pais a denunciar se os governos provinciais não prestarem atenção e determinarem mudanças contrárias à sentença judicial.

A decisão, aprovada por maioria, foi precedida de grande expectativa. Antes de tomar a decisão, os juízes da Corte Suprema convocaram audiências públicas nas quais se apresentaram as partes e meia centena de consultores, que expuseram suas opiniões sobre a denúncia. Na capital do estado, quase a 1.400 quilômetros a noroeste de Buenos Aires, nos últimos meses ocorreram marchas em favor e contra a educação religiosa.

O tribunal máximo de Salta tinha dado razão às autoridades provinciais, mas a ADC recorreu. O procurador geral na Suprema Corte, Vítor Abramovich, apoiou os querelantes ao destacar que muitas escolas de Salta, além de não oferecerem alternativas à religião, faziam constar nos boletins escolares dos alunos que rejeitavam as aulas os dizeres “não crente”.

“A aplicação das normas questionadas auxiliou, nos fatos, a segregação e a consolidação de preconceitos e estereótipos contrários às minorias religiosas, com a gravidade de que a escola pública primária é uma oportunidade essencial para formar meninos e meninas na diversidade e no pluralismo religioso”, determinou o promotor. A pouco tempo do próximo ano letivo, que começa em março, as aulas de religião das escolas públicas deverão voltar ao lugar extracurricular ao qual foram relegadas no século XIX.

MAIS INFORMAÇÕES