Seleccione Edição
Login

‘Lady Bird’, o filme que recebeu a pontuação perfeita dos críticos

O site Rotten Tomatoes, que compila críticas cinematográficas, dá 100% ao longa-metragem

Lady Bird: É Hora de Voar é o primeiro filme como diretora da atriz e roteirista Greta Gerwig (34 anos). O longa-metragem acaba de se tornar o mais bem avaliado na história do influente site Rotten Tomatoes, que compila críticas cinematográficas, anunciou a própria publicação. O filme, que estreia em abril no Brasil e recebeu quatro indicações ao Globo de Ouro 2018, obteve a pontuação perfeita: 100% de críticas positivas.

Não é o primeiro a alcançar 100%. Toy Story 2 conseguiu isso em 1999. A diferença é que menos críticos opinaram sobre aquele filme (163) e, portanto, era mais fácil para ele chegar à nota perfeita do que a estreia na direção de Greta Gerwig (protagonista de Frances Ha), que se expôs a 178 opiniões.

A atriz Saoirse Ronan, de 23 anos, estrela a história de uma estudante de curso técnico que sonha em triunfar no mundo da arte e se tornar independente de uma mãe excessivamente controladora.

A plataforma de críticas cinematográficas, criada em 1998, conta com 13,6 milhões de usuários únicos mensais, de acordo com a ComScore, e sua influência em Hollywood é cada vez maior. Segundo as notas dos críticos profissionais compiladas pelo Rotten Tomatoes, Lady Bird obteve um resultado excelente.

A cifra se refere à porcentagem de críticas positivas que um filme recebe na mídia especializada. Se ele for aprovado (60% ou mais), aparece um tomate vermelho em todo o seu esplendor; se for reprovado (59% ou menos), pode-se ver um tomate verde, podre e esmagado.

Se o filme recebe uma avaliação excelente (75% ou mais de elogios de um bom número de críticos), aparece um selo de Certified Fresh atestando que o “tomate” está comprovadamente fresco. Para quem se interessa mais pela opinião do público, o site reserva o símbolo de um balde de pipocas, que anuncia a aprovação dos espectadores.

Como dizíamos, o site divide as críticas entre as feitas por profissionais e por fãs. Cada filme obtém, portanto, duas pontuações. Mas a que conta para a indústria é primeira delas. Dos espectadores que votaram no Rotten Tomatoes sobre Lady Bird, 87% gostaram do filme.

A influência do Rotten Tomatoes

A Warner comprou o Rotten Tomatoes em 2011, quando o site já era um fenômeno em Hollywood. A companhia assegurou que a plataforma de críticas cinematográficas manteria a independência em seus conteúdos. Mas, desde então, paira a sombra da dúvida sobre um possível conflito de interesses que afeta as decisões editoriais do site.

Em meados de novembro, os usuários do Rotten Tomatoes protestaram porque o site atrasou a publicação de uma de suas críticas. A Liga da Justiça é uma das grandes estreias do ano da Warner e recebeu uma avaliação bastante negativa, de 43%. Seus fãs tiveram de esperar − só puderam conhecer o veredicto depois da estreia do filme, diferentemente das demais novidades em cartaz. Não se falou de sua pontuação até que ela apareceu em um dos vídeos que o Rotten Tomatoes cria a cada semana para o Facebook, chamados See It/Skip It (veja/ignore o filme).

Os primeiros dias de bilheteria são cruciais para o rendimento comercial de um blockbuster como Liga da Justiça, que reúne Mulher-Maravilha, Batman, Superman e outros super-heróis do universo DC. Nesse primeiro fim de semana costuma se concentrar boa parte da arrecadação final de uma superprodução. As críticas negativas publicadas antes que comece o boca-a-boca dos espectadores podem reduzir em vários milhões de dólares os lucros da produtora do filme.

“É a destruição de nosso negócio. Antes, a crítica cinematográfica era uma arte. Agora, ela se reduz a um número. Todo mundo pergunta: ‘Que nota tem no Rotten Tomatoes?’”, lamentava em março uma de suas vítimas, o diretor e produtor Brett Ratner. Alguns de seus filmes foram alvo dos maiores tomates podres: Para Maiores (2013) obteve apenas 4% de críticas positivas e A Hora do Rush 3 (2007), 16%.

No ano passado, as avaliações do Rotten Tomatoes começaram a ser publicadas no serviço de venda digital de entradas Fandango, recordou em setembro o jornal The New York Times. A pontuação aparece bem ao lado do botão de comprar entrada. Se é negativa, tem um efeito bastante nocivo do ponto de vista empresarial, embora talvez muito útil para o espectador.

MAIS INFORMAÇÕES