_
_
_
_
_

A via-crúcis de uma jornalista para conseguir justiça no México

Redatora de Guanajuato consegue a condenação do prefeito que ordenou que lhe dessem uma surra

A jornalista Karla Silva depois da agressão de 2014
A jornalista Karla Silva depois da agressão de 2014CUARTOSCURO

As agressões contra jornalistas estão cheias de histórias de fracasso. É o que acontece com os assassinatos de Javier Valdez e Cecilio Pineda, que contava com proteção oficial, ou da própria Procuradoria especial para delitos contra a imprensa, incapaz de resolver um só caso em um dos piores países para jornalistas trabalharem, por exemplo. Faz um mês, porém, que há um caso de sucesso.

Mais informações
Novo assassinato de jornalista no México põe em dúvida mecanismos de proteção
México registra oitavo assassinato de jornalista neste ano
Mais da metade dos ataques a jornalistas no México foi ordenada por funcionários do Estado
A mensagem de terror do assassinato do jornalista no México

Trata-se de Karla Silva Guerrero, uma redatora de 27 anos de um pequeno jornal de Guanajuato que brigou com as autoridades, com seu jornal e com o próprio bolso até conseguir a prisão dos seis monstros que quase a matam a pontapés na redação. A jovem jornalista é um dos raros casos de agressões a jornalistas em que se chegou a uma condenação no México. Dos 110 jornalistas assassinados na última década, praticamente nenhum caso chegou a uma condenação.

No início de setembro de 2014, Karla, de aparência frágil, acabava de terminar sobre o teclado as batatas fritas de seu almoço. Escrevia um -email quando escutou seu nome aos gritos na redação de El Heraldo de León.

— Karlaaaa

— Sou eu, o que você quer?

Nesse momento, um sujeito que apelidaram de O Buda se aproximou dela e lhe deu o primeiro soco no rosto. Os 43 quilos de Karla caíram ao chão e então começou uma chuva de chutes na cabeça, no ventre e na cabeça de novo. Ela se arrastou como pôde para baixo de sua mesa de trabalho até que parassem com os golpes.

Outros dois homens vigiavam a entrada e ameaçavam outra redatora com uma faca.

Aqueles sujeitos deixaram seu rosto destroçado, dois coágulos no cérebro e duas frases que resumem uma etapa: “Para que baixes a bola com tuas notícias” ou “continue publicando suas baboseiras”, disseram antes de sair da redação pela porta principal.

Karla Silva Guerreiro
Karla Silva GuerreiroCUARTOSCURO

O mandante era o então prefeito do município de Silao, Enrique Solís Arzola (PRI), um povoado rural de Guanajuato, de 175.000 habitantes. O prefeito deu a ordem a seu chefe de segurança que, por sua vez, contratou três de seus policiais para que dessem a surra. Por tudo isso receberam 5.000 pesos (cerca de 825 reais), segundo se soube no julgamento.

Algumas semanas antes Karla havia publicado duas notícias que o haviam deixado louco. A primeira tinha a ver com uma empresa de segurança, envolvida em um escândalo com um cachorro. Um assunto menor até a descoberta de que a empresa nem sequer estava registrada. Foi a gota que fez derramar o copo de uma lista de denúncias que até então versavam sobre escoadouros que não funcionavam ou a utilização de dois lugares de estacionamento proibido para que o prefeito deixasse seu carro. Coisas de cidade pequena.

Os autores foram detidos e durante os últimos três anos Karla passou por um calvário que incluiu 80 audiências e acareações até conseguir a condenação no mês passado dos seis implicados. “Claro que tinha medo, mas se você busca justiça trem de dar a cara a bater”, resume com altivez. Paralelamente surgiram os problemas em seu jornal, e para poder ir ao tribunal tinha que trocar os dias de trabalho por outros das férias. “Até que o Ministério Público obrigou o jornal a facilitar-me as declarações”, recorda.

Segundo a Repórteres Sem Fronteiras (RSF), o México é um dos países mais perigosos do mundo para o exercício do jornalismo e mais de 100 profissionais foram assassinados na última década no México. Com 11 jornalistas assassinados, este ano terminará como o mais letal para a imprensa nas últimas décadas. O último, na semana passada, foi Edgar Esqueda, fotojornalista de San Luis Potosí, cujo corpo apareceu em um terreno baldio depois que um grupo de homens armados o tirou de sua casa.

A maioria das agressões e assassinatos de jornalistas ocorre nas cidades pequena, mas quase todos preferem ficar calados

“A maioria das agressões e assassinatos de jornalistas ocorre nas cidades pequenas, mas quase todos preferem ficar calados”, explica Karla, que se lembra das dificuldades que enfrentou desde o princípio “porque não tinha dinheiro para contratar um advogado e nem sequer havia um em toda a Guanajuato que soubesse tratar de um caso de jornalistas”.

Por fim, Karla foi ajudada por associações de direitos humanos, como a Las Libres, que trabalha com mulheres que sofrem violência, mais ativas e organizadas que as de jornalistas. “Elas me deram o ânimo e a força necessária para saber que era possível”, recorda por telefone. O Centro de Investigações CIDE e a Articulo 19 se concentraram nas queixas ao Estado.

A solução para o caso de agressão é reconhecida como um caso de “sucesso” entre os colegas, mas deixa em evidência as misérias estruturais,

Karla assumiu a profissão em uma cidade onde a fonte de sobrevivência do jornalismo é a publicidade oficial. Três anos depois da surra, o prefeito está em liberdade e ela continua comendo batatas fritas sobre o teclado e recebendo menos do equivalente a 950 reais por mês.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_