Referendo sobre a Independência da Catalunha

O que acontece com o Barça se a Catalunha ficar independente da Espanha?

Em princípio, o Barcelona ficaria de fora da Liga espanhola e das competições internacionais

Camp Nou vazio durante o jogo entre Barcelona e Las Palmas, no domingo
Camp Nou vazio durante o jogo entre Barcelona e Las Palmas, no domingoALBERT GEA / REUTERS

A possível proclamação unilateral de independência da Catalunha afetaria a inclusão de clubes esportivos catalães nas competições espanholas das quais hoje participam. No caso do futebol profissional (clubes de primeira e segunda divisão), Barcelona, Espanyol, Girona, Nàstic e Reus se veriam imediatamente afetados pela declaração de uma suposta República Catalã. O mesmo ocorreria com os demais times que competem na Segunda Divisão B e Terceira (o terceiro e quarto escalões do futebol espanhol, respectivamente).

“Frente à complexidade do que possa acontecer no futuro com a independência da Catalunha, onde o Barça poderá ou não jogar é algo que abordaremos com a diretoria quando for a hora, e o faremos com seny [sensatez], como dizemos aqui”, afirmou nesta terça-feira o presidente do Barcelona FC, Josep Maria Bartomeu, mostrando que, por enquanto, o clube não tem um plano preparado.

Mais informações

Se a Catalunha se constituir como um Estado independente, e atendendo à lei esportiva que vigora em toda a Espanha, todos os clubes catalães ficariam de fora das competições espanholas, pois violariam requisitos estabelecidos nas regras. Conforme o artigo 6º. da seção 4ª. da Lei 1835/1991, “para a participação de seus membros em atividades ou competições esportivas oficiais de âmbito estatal ou internacional, as Federações esportivas de âmbito autonômico dever-se-ão integrar às correspondentes Federações esportivas espanholas”. Ao constituir o novo Estado catalão, a Federação Catalã de Futebol deixaria de representar uma comunidade autônoma espanhola, sendo, portanto, automaticamente excluída da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF).

O artigo 99 do regulamento também estabelece que “todos os clubes que desejarem participar de competições oficiais em nosso país deverão estar filiados à Real Federação Espanhola de Futebol e integrados a estas, e também na federação de âmbito autonômico da qual sejam membros”.

Javier Tebas, presidente da Liga espanhola, disse que também na sua avaliação o Barcelona seria impedido de disputar competições “A Lei do Esporte inclui uma disposição adicional segundo a qual somente há um Estado não espanhol que pode jogar a Liga ou as competições oficiais espanholas, e este é Andorra. Para fazer essa modificação [para incluir a Catalunha], seria preciso haver uma alteração no Parlamento, e é preciso ver se o setor afetado estaria ou não de acordo”, afirmou o dirigente em setembro passado. Tebas respondia assim às declarações de Gerard Esteva, presidente da União de Federações Esportivas da Catalunha e do Comitê Olímpico Catalão (COC), segundo quem “numa Catalunha independente o Barça teria a sorte de poder escolher em qual Liga jogar”. O COC, por sua vez, enviou uma carta ao Comitê Olímpico Internacional antes da realização do referendo solicitando seu reconhecimento “como membro de pleno direito” caso o sim vencesse nas urnas – em uma votação que a Justiça espanhola disse ter sido ilegal.

Diante dos diversos regulamentos aplicáveis, as únicas formas de o Barcelona disputar o Campeonato Espanhol em caso de separatismo seriam com uma modificação na Lei do Esporte – a qual deveria ser proposta e aprovada no Parlamento espanhol, reconhecendo a excepcionalidade da Catalunha e equiparando-a ao Principado de Andorra – ou filiando-se a outra federação regional subordinada à RFEF.

Além de serem excluídos das competições espanholas, os clubes catalães também ficariam inicialmente de fora de qualquer torneio internacional, como a Champions League e a Liga a Europa. Os clubes locais só poderiam disputar vagas em torneios continentais depois que a Catalunha solicitasse à UEFA a criação de uma liga própria.

Exemplos na França e Inglaterra

Dois clubes não ingleses (Cardiff City e Swansea, ambos do País de Gales) disputam o Campeonato Inglês. Esses dois times foram autorizados pela Football Association (federação inglesa) para participar de sua competição porque Gales pertence ao Reino Unido, assim como a Inglaterra, e houve um acordo com a federação inglesa para que os dois times da região vizinha fossem incorporados. Cardiff e Swansea iniciaram sua participação das categorias inferiores do futebol inglês até ascenderem por méritos próprios à divisão principal. Caso oposto ao do Cardiff e do Swansea acontece com o Celtic e o Glasgow Rangers. Nos últimos anos, os dois mais poderosos clubes da Escócia manifestam interesse em disputar a liga inglesa, mas ainda não houve um acordo nesse sentido.

Algumas vezes foi mencionada a possibilidade de o Barcelona solicitar sua adesão à Ligue 1 (Campeonato Francês), amparando-se no exemplo da AS Monaco, um clube sediado no Principado de Mônaco, minúsculo país soberano encravado no litoral sul da França. A diferença é que o Mônaco, fundado em 1924, participou da primeira edição da Ligue 1, na temporada 1932-1933, depois de alcançar um acordo esportivo, tornando-se uma das equipes históricas do futebol francês.

Para que qualquer das duas possibilidades anteriores chegasse a valer, a UEFA e a FIFA deveriam se posicionar favoravelmente depois que Catalunha fosse reconhecida como comunidade política independente.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete