PSG

Nasser Al-Khelaifi, o magnata catari que fisgou Neymar

Ex-tenista, o homem de confiança do emir do Catar desembarcou em Paris há meia década para assumir o comando do Paris Saint-Germain e revolucionou o mercado do futebol

Al-Khelaifi desembolsou fortuna para contratar Neymar.
Al-Khelaifi desembolsou fortuna para contratar Neymar.Costhanzo

Embora garanta que seu negócio é o esporte, e não a política, Nasser Al-Khelaifi (Catar, 1973) parece à vontade entre os poderosos. Roubou o protagonismo de Emmanuel Macron quando, no começo de agosto, a poucas horas de confirmar a transferência de Neymar do Barcelona para o Paris Saint-Germain (PSG), que ele dirige, encontrou o presidente num evento e as câmeras começaram a seguir o empresário árabe, em vez do mandatário da França. Outro antigo inquilino do Palácio do Eliseu, Nicolas Sarkozy, é presença assídua na tribuna de honra de Al-Khelaifi, a quem o ex-presidente convidou para a festa do seu 60º aniversário. Sua boa relação com as altas esferas se estende à Argentina, onde o presidente Mauricio Macri lhe agradeceu publicamente por sua ajuda na resolução do caso de uma família argentina retida no aeroporto de Doha por causa do embargo imposto ao Catar por seus vizinhos. Uma mediação que Al-Khelaifi realizou graças ao seu mentor, o emir Tamim Ben Hamad Al-Thani, seu amigo íntimo desde a infância, quando ambos se conheceram treinando nas quadras do clube de tênis de Doha.

MAIS INFORMAÇÕES

Nada mal para o filho de uma família de classe média – ao menos para os padrões de um país como o Catar – que durante muitas gerações se dedicou à pesca de pérolas. Aos 43 anos, Al-Khelaifi se tornou uma figura-chave na estratégia de relações públicas do pequeno emirado, que agora adquire uma especial relevância devido ao boicote da Arábia Saudita e outros países árabes do golfo Pérsico, que acusam o Catar de apoiar o terrorismo na região.

Al-Khelaifi foi tenista profissional entre 1992 e 2003. Não chegou a se destacar muito: sua melhor posição no ranking da ATP foi o 995º lugar, numa carreira que acumulou 28 vitórias, 73 derrotas e 20.000 euros em premiações, uma quantia irrisória ao lado da fortuna que acaba de ser gasta para levar Neymar para o PSG: um recorde de 222 milhões de euros (821 milhões de reais). Mas a raquete lhe abriu muitas portas, tanto nos negócios esportivos como no mundo dos interesses políticos, onde se move como um peixe dentro d’água, sempre, segundo quem o conhece, sob as ordens do emir do Catar. “Tudo isto não teria sido possível para mim sem o tênis”, dizia ele ao EL PAÍS numa entrevista há quatro anos. Segundo a revista francesa SoFoot, quem jogou ao seu lado na época – o catariano treinava frequentemente na França, daí sua paixão pelo PSG – recorda seu caráter reservado e amável, trabalhador e persistente. “Realmente não gostava de perder”, destacava Bruno Raffaitin, presidente do clube de tênis de Nice onde Al-Khelaifi treinava.

São características que sem dúvida o ajudaram a ascender no mundo dos negócios. Seu currículo profissional constitui um verdadeiro mapa da ofensiva estratégica do Catar no rentável mundo do esporte profissional, campo no qual o pequeno emirado busca reforçar uma imagem internacional ambiciosa, impulsionada pelos dólares resultantes das suas enormes reservas de hidrocarbonetos, em especial o gás.

O homem de confiança do emir do Catar desembarcou em Paris há meia década para assumir o comando do PSG. O clube parisiense foi adquirido em 2011 pelo fundo soberano Qatar Sports Investment (QSI), presidido por Al-Khelaifi. A firma de investimentos também administrou os contratos que transformaram a empresa aérea Qatar Airways em patrocinadora principal do Barcelona – exatamente o logotipo que Neymar envergava na camisa até pouco tempo atrás (a partir desta temporada, o patrocinador principal é a loja japonesa online Rakuten). A relação do clube catalão com a empresa do Golfo foi polêmica. O clube negou, em junho, denúncias jornalísticas sobre supostas irregularidades econômicas e desvios de recursos em relação a esses contratos, em benefício do clube e do seu ex-presidente Sandro Rosell, em prisão preventiva sob a acusação de formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

O ex-tenista também dirige o grupo BeIn Media Group, que desde 2013 controla as emissoras esportivas da rede catariana Al Jazeera, onde Al-Khelaifi deu seus primeiros passos no mundo dos negócios, em 2003. No ano passado, a BeIn Media, proprietária de uma rede de canais esportivos e de cinema em cerca de 30 países do Oriente Médio, norte da África, Europa – incluindo Espanha e França – e Estados Unidos, assumiu também o controle do prestigioso estúdio de cinema e TV Miramax, ganhador de 68 Oscars.

Na extensa lista de títulos de Al-Khelaifi consta também a de presidente da Federação de Tênis do Catar e vice-presidente da Federação Asiática de Tênis para a Ásia Ocidental, assim como o de membro do comitê organizador da Copa do Mundo ddo Catar, em 2022.

E, embora garanta deixar a política para os outros, o fato é que desde 2013 é também ministro sem pasta de seu país, onde sua esposa e filhos continuam vivendo enquanto ele viaja constantemente por todo o mundo, esbarrando em poderosos e estrelas como o ator Leonardo DiCaprio e o tenista espanhol Rafael Nadal, seu amigo.

No começo do ano, a revista Gulf Business apontou Al-Khelaifi como o terceiro entre os cinco empresários mais poderosos do Catar, só atrás dos presidentes da Qatar Petroleum e da Qatar Airways. Na lista global de árabes mais influentes feita por essa publicação, Al-Khelaifi aparecia em 17º lugar. A revista Challenges o chama de “segundo embaixador” do Catar na França.

É possível que seus discretos poderes em breve sejam colocados à prova. No começo de junho, em plena crise do Catar com seus vizinhos do Golfo, o então ministro da Justiça francês, François Bayrou, propunha uma revisão das “vantagens fiscais incríveis” que o Governo de Sarkozy havia concedido ao emirado em 2008. Elas permitem que cidadãos e empresas do Catar se beneficiem de fortes isenções fiscais na França. Bayrou pediu demissão pouco depois, mas o próprio presidente Macron havia declarado durante a campanha que gostaria de “acabar com os acordos que favorecem o Catar na França”.

Não vai ser fácil para Al-Khelaifi amansar Macron. O novo presidente francês é torcedor fanático do Olympique de Marselha, único clube do país a vencer a Champions League, o maior objetivo (esportivo) da investida catariana no PSG.

NEYMAR ATACA A CÚPULA DO BARÇA

Após marcar dois gols em seu primeiro jogo no Parc des Princes com a camisa do PSG, Neymar não poupou críticas à diretoria do Barcelona, demonstrando mágoa em relação ao imbróglio que levou o clube catalão a depositar em juízo o bônus por sua renovação de contrato. "Estou muito triste com eles [dirigentes do Barcelona]. Passei quatro anos lá e fui muito feliz. Comecei feliz, passei os quatro anos feliz e saí feliz, mas não com eles. Para mim eles não deveriam estar na diretoria. O Barça merece muito mais", disparou o atacante. Na última semana, o vice-presidente do clube, Jordi Mestre, criticou Neymar e seu pai por terem prometido permanecer em Barcelona e, pouco depois, descumprirem o trato ao aceitar o pagamento da multa rescisória pelo PSG.

Arquivado Em: