Alemanha procura homem que pede milhões de euros para não envenenar comida em lojas

Polícia divulga vídeo do suspeito e pede ajuda da população para capturá-lo

Imagem de vídeo em que se vê o suspeito.
Imagem de vídeo em que se vê o suspeito.POLICÍA DE CONSTANZA (EFE)

A mensagem de e-mail recebida na noite de 16 de setembro por várias redes de supermercados, organizações de defesa do consumidor e polícia era simples e precisa. O autor da mensagem ameaçava envenenar comida para bebês e outros alimentos nas lojas nacionais ou estrangeiras das redes de supermercados Lidl, Aldi, Müller, Edeka, Norma e Rewe e das farmácias Rossmann e DM se não recebesse 10 milhões de euros (cerca de 37 milhões de reais).

Mais informações
A frágil vitória de Merkel complica as reformas na Alemanha e Europa
O programa da ultradireita alemã: uma nação fora da UE e sem direito ao aborto
A complicada tarefa de formar Governo na Alemanha
Extrema direita entra no Parlamento alemão pela primeira vez desde 1945

A ameaça se tornou uma perigosa realidade. A polícia encontrou cinco frascos de alimentos para bebês em vários supermercados da cidade de Friedrichshafen (na fronteira com a Suíça e com a Áustria) contaminados com etilenoglicol, substância incolor e com sabor levemente doce que pode provocar sérios danos à saúde humana.

Após ler o e-mail a polícia começou um silencioso trabalho para descobrir os frascos contaminados sem provocar alarme na população. Em vários supermercados esvaziaram as gôndolas e submeteram os frascos a testes em laboratório. O resultado foi positivo, fato que convenceu a Promotoria a pôr em marcha uma operação que está provocando inquietação no país: pediu a colaboração da população para descobrir o autor, ou os autores, da chantagem criminosa.

Para facilitar a captura, a polícia divulgou um vídeo no qual se pode ver um homem de cerca de 50 anos, alto, magro, vestido com um casaco preto de couro, calças pretas, sapatos esportivos pretos e um gorro azul. “O suspeito estava de lentes, talvez para se disfarçar”, afirmou Uwe Stürmer, vice-presidente da polícia de Constança, ao divulgar as imagens do até agora principal suspeito da chantagem. “Trata-se de criminosos inescrupulosos, e levamos muito a sério esta ameaça.”

O nervosismo da população, especialmente no Estado federado de Baden-Wurtemberg, aumentou quando um porta-voz da polícia admitiu que chantagista também ameaçara envenenar outros 20 produtos alimentícios. “Não há motivo para se alastrar histeria ou pânico”, disse o porta-voz, que, sem querer, aumentou a apreensão das pessoas ao dizer que a cada compra de frascos de alimentos seria preciso checar se o pote não tinha sido manipulado.

“É preciso comprovar, ao abrir um pote, que se produziu o ruído típico que mostra que o pote estava selado a vácuo”, afirmou.

Até sexta-feira a polícia tinha recebido 650 chamadas telefônicas relacionadas às imagens do “suspeito”, mas não houve anúncio de prisão do chantagista, que pede 10 milhões de euros.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS