Eleições na Alemanha

Nem tudo funciona na Alemanha

Apesar de ser um país rico, escolas e estradas do país sofrem uma enorme deterioração devido à falta de investimento público

Carrinhos de mão sinalizam as obras de manutenção da rodovia A14 perto de Tornau.
Carrinhos de mão sinalizam as obras de manutenção da rodovia A14 perto de Tornau.

Quando chega ao pátio da escola na manhã de segunda-feira, Matthew George encontra lixo e vidros deixados pelos jovens que utilizam a quadra de esportes durante o fim de semana. E quando se agacha para recolher um caco de vidro, o diretor aproveita para arrancar parte do pavimento que está solta. O pátio da escola Paul-Hindemith, em Frankfurt, como o resto do edifício, está deteriorado. “Queremos que nossa escola seja bonita. Só assim os meninos aprenderão a respeitar as coisas”, diz George, o diretor. “Isto é como uma casa. Se não receber manutenção, em 30 anos vem abaixo”. Logo em seguida pondera: “Bem, recentemente pintamos as paredes, graças a patrocinadores privados que incluíram a pintura em sua obra social”.

Matthew George, diretor da escola Paul-Hindemith de Frankfurt, mostra o mau estado do chão do pátio.
Matthew George, diretor da escola Paul-Hindemith de Frankfurt, mostra o mau estado do chão do pátio.A.C.

O caso dessa escola não é o mais escandaloso, muito menos isolado. Na Alemanha, as chamadas “escolas em ruínas” estão por todo o território nacional. São resultado de décadas de falta de investimento em um país que, no entanto, acumula um superávit recorde. Os alemães elegerão um novo Governo no domingo e o estado das escolas – e especialmente o dos vasos sanitários – se tornou um símbolo da deterioração da estrutura física de uma potência mundial que não conhece os números vermelhos.

Presentes em todo o território alemão, as “escolas em ruínas” são resultado de décadas de falta de investimento em um país que acumula um superávit recorde

As reclamações da escola de Frankfurt, no próspero estado federado de Hesse, poderiam parecer queixa de ricos, e são. Porque a Alemanha é um país rico, com um superávit fiscal recorde de 23,7 bilhões de euros (88 bilhões de reais) ou 0,8% do PIB, que, no entanto, vem arrastando os planos de investir na melhoria de sua infraestrutura deficiente. Investe-se, mas pouco e tarde, segundo os especialistas. O banco de desenvolvimento alemão KfW calcula que as cidades alemãs precisam de um investimento de 126 bilhões de euros em infraestrutura. Um total de 33 bilhões para escolas e 34 bilhões para rodovias.

“As pontes, os trens, as escolas… envelheceram e precisam ser substituídas ou reformadas”, concorda o economista Achim Truger, da Escola de Economia e Direito de Berlim. “O Governo considera o schwarze Null [o zero negro, que se refere a um orçamento saneado, sem dívidas] mais importante que o investimento público. A aversão à dívida é parte consubstancial do sistema político alemão. Temos ainda problemas herdados da austeridade imposta quando a Alemanha era o doente da Europa”, acrescenta Truger, explicando que a situação financeira varia muito entre a federação, os estados e os municípios, alguns deles endividados. Há quem culpe o chamado freio da dívida imposto por emenda constitucional em 2009, que limita o déficit do Governo central e dos Länder (como são chamados cada um dos 16 estados que compõem a federação alemã).

Os dois maiores partidos prometem em campanha mais investimento público nas escolas. O candidato social-democrata, Martin Schulz, quer que as autoridades sejam obrigadas a investir parte do superávit em infraestrutura e pede que o Estado central tenha mais voz em um tema vital a qualidade da educação e das escolas. Em princípio, é competência dos estados federados, mas Schulz pretende criar uma aliança nacional para a educação que invista 12 bilhões de euros nas escolas de todo o país e defende, além disso, uma reforma legal que formalize a cooperação entre o a federação e os estados. A chanceler Angela Merkel, que lidera as pesquisas, alega que o problema não é tanto a falta de recursos, mas a falta de planejamento de longo prazo, além de incontáveis gargalos burocráticos.

Os desvios causados por obras nas rodovias são contínuos, uma viagem de carro entre Berlim e Frankfurt (547 quilômetros) pode levar mais de sete horas

“Na Alemanha temos um problema geral. Também aqui em Hesse, apesar de ser um estado rico”, diz Kai Eicker-Wolff, do sindicato educativo GEW. Wolff calcula que só em Frankfurt seria necessário um investimento de 1 bilhão de euros devido ao abandono dos últimos anos. A situação em estados menos prósperos é muito pior.

As estradas são, junto com as escolas, as mais necessitadas de investimento. Uma viagem de carro entre Berlim e Frankfurt (547 quilômetros) pode demorar mais de sete horas sem paradas, apesar de não haver limite de velocidade em muitos trechos. Os desvios causados por obras e reparos nas rodovias são contínuos. Há obras que já se tornaram uma piada de mau gosto para os afetados. É o caso da ponte de Leverkusen, fechada há cinco anos para veículos pesados depois de apresentar fissuras e transformada em um engarrafamento permanente.

Engarrafamento na A13 sentido Berlim na altura de Mittenwalde devido a obras na rodovia.
Engarrafamento na A13 sentido Berlim na altura de Mittenwalde devido a obras na rodovia.

Outro caso divulgado é o do túnel de Rastatt, junto à fronteira francesa, onde um desmoronamento ocorrido no verão provocou a interrupção do tráfego ferroviário entre os dois países. O problema adicional é que parte das rotas alternativas estão em obras ou muito deterioradas, contribuindo para o caos logístico na região. Os atrasos e cancelamentos nos trens de passageiros são comuns e as composições frequentemente circulam tão lotadas que os viajantes se veem obrigados a sentar-se amontoados no chão.

Os engarrafamentos se tornaram um tema central nas eleições regionais da Renânia do Norte-Vestfália em maio passado, em que a população culpou os sociais-democratas (SPD) no poder de não fazer nada para melhorar o estado lamentável da infraestrutura. O SPD perdeu seu tradicional bastião e seu candidato, Martin Schulz, não se recuperou nas pesquisas desde então.

PENSAR DUAS VEZES ANTES DE USAR O BANHEIRO

“É inaceitável que os banheiros dos colégios não estejam funcionando e não haja dinheiro para consertá-los”, clamava Martin Schulz em um comício recente em Hamburgo diante de uma multidão que aplaudia e assentia com a cabeça. Nesta campanha, os vasos sanitários escolares se transformaram em um símbolo da falta de investimento público. Os da escola pública Paul-Hindemith são usados durante 15 horas por centenas de crianças. Aos 650 alunos regulares é preciso somar as crianças que utilizam as instalações esportivas do estabelecimento à tarde. As privadas estão sem tampa, ou têm defeito na descarga, ou estão no escuro. O diretor conta que o comitê de pais já apresentou queixa à Prefeitura, até agora sem resultado.

A organização alemã de instalações sanitárias (GTO), uma ONG que pede a melhoria dos banheiros na África, também tem um programa para os colégios alemães e publicou recentemente uma pesquisa realizada com 800 alunos em 22 escolas de Berlim. Os resultados, que não são científicos, indicam que 53% dos alunos consultados afirmam ir ao toalete só em caso de emergência. Apenas 24% dizem que vão ao banheiro sempre. A maioria considera que os de sua escola estão sujos.