Bomba da Segunda Guerra Mundial faz 60.000 pessoas serem evacuadas na Alemanha

É o maior deslocamento planejado desde 1945. A polícia desativará bomba britânica de 1.800 quilos

Mulher deixa a área de evacuação em Frankfurt.
Mulher deixa a área de evacuação em Frankfurt.KAI PFAFFENBACH (REUTERS)

Frankfurt, cidade fantasma. A maior evacuação da República Federal da Alemanha desde o fim da Segunda Guerra Mundial deixou deserta neste domingo a capital financeira germânica. Cerca de 60.000 pessoas foram obrigadas a abandonar o centro da cidade a partir das 6 horas da manhã. “Solicitamos que deixe imediatamente o edifício. Caso contrário a polícia empregará força física para sua remoção”, informavam os agentes, usando alto-falantes. Todos os anos surgem na Alemanha milhares de toneladas de explosivos, enterrados há décadas.

Mais informações
Clarita, a mulher que ajudou 800 nazistas a fugir da justiça
“Não vão me derrotar agora”: 80 anos depois, esta mulher continua lutando contra o nazismo
Protesto racista em Charlottesville viraliza filme anti-nazista de 1947
A história por trás do vídeo sobre o ‘Schindler britânico’ que já foi compartilhado milhões de vezes

Pouco depois das 13h (hora local) os bombeiros informavam ligeiros atrasos porque continuavam encontrando pessoas na área de exclusão. O retorno dos evacuados estava programado inicialmente para o meio da tarde. No intervalo, a polícia deveria desativar uma bomba britânica de 1.800 quilos, enterrada desde a Segunda Guerra Mundial, que, segundo seus cálculos, poderia afetar um raio de um quilômetro e meio. O artefato foi descoberto esta semana durante escavações para uma obra.

A descoberta de bombas e de munição lançadas pelas forças aliadas contra o regime nazista é relativamente frequente na Alemanha. Os especialistas calculam que pode haver centenas de milhares de bombas que, por problemas técnicos, não explodiram. A bomba de Frankfurt, batizada de “blockbuster” por sua potência, é particularmente importante por sua tonelagem e por afetar um núcleo urbano em que vivem milhares de pessoas e que abriga seu banco central –incluindo reservas de ouro-, o quartel-general da polícia e a emissora local de rádio e TV. Os aliados lançaram dezenas de milhares de toneladas de explosivos sobre Frankfurt durante a Segunda Guerra Mundial. As imagens da época mostram uma cidade destruída.

“Fechado devido à bomba”

A evacuação começou às 6 da manhã. Alguns moradores se queixaram de ser muito cedo, mas no geral todos compreenderam que não havia alternativa. “Hoje, domingo, fechado devido à bomba”, lia-se em alguns estabelecimentos. As autoridades explicaram que era necessário começar muito rapidamente o trabalho, para o caso de se prolongar a desativação. A ideia era que ao anoitecer as pessoas pudessem voltar para suas casas, e na segunda-feira, ao trabalho. Durante a manhã a polícia se dedicou a varrer a área para se assegurar de que ninguém ficasse na área de exclusão.

A polícia deixou claro esta semana que a evacuação não era uma escolha, e sim uma obrigação, e que empregaria a força, se necessário, contra quem se negasse a sair da cidade. As diretrizes policiais permitiram que os animais de estimação ficassem em casa.

As autoridades municipais chegaram até a brincar, em declarações ao Frankfurter Allegemeine Zeitung, recomendando aos evacuados aproveitar as horas vagas para visitar suas sogras. Além disso, criaram centros para que as pessoas “sem amigos nem família” passassem o dia. Recomendaram também aos habitantes das áreas afetadas que informassem seus vizinhos, para ter certeza que todos estavam a par. A polícia, além disso, decidiu reforçar sua presença nas ruas para evitar que ladrões aproveitassem a ocasião para fazer a festa.

Faixas inteiras da rodovia estavam de manhã tomadas por carros dos serviços de emergência, ambulâncias e veículos para transportar os que não pudessem se deslocar por conta própria. No sábado haviam sido evacuados os hospitais, e até 20 recém-nascidos foram levados para clínicas próximas nos últimos dias.

A desativação de bombas desse tipo costuma acontecer sem incidentes, mas há casos de explosões acidentais. Em 2012, por exemplo, em Munique, a capital bávara, várias fachadas foram danificadas, com vidros quebrados, devido a uma explosão durante a desativação. Em 2010, três pessoas morreram e duas ficaram gravemente feridas em Göttingen, na região central do país.

Também nesta semana 20.000 pessoas tiveram que ser evacuadas em Koblenz, Oeste do país, devido à desativação de um artefato de 500 quilos lançado pelos norte-americanos há sete décadas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS