Rio de Janeiro

Sérgio Cabral é condenado a 45 anos de prisão, maior pena já aplicada a político

Ex-governador do Rio de Janeiro foi considerado o "grande líder da organização criminosa" que desviou milhões dos cofres estaduais entre 2007 e 2016

O ex-governador Sérgio Cabral
O ex-governador Sérgio CabralFabio Rodrigues Pozzebom (Agência Brasil)

Mais informações

Cabral foi governador do Rio de Janeiro entre 2007 e 2014, elegeu o vice Luiz Fernando Pezão (PMDB) como sucessor e já foi cotado para disputar a Presidência da República. Nas suas gestões, projetos bilionários foram deslanchados – novas linhas de metrô, reforma do Maracanã e arco rodoviário. Mas, como descobriram as investigações da Operação Lava Jato, todos esses projetos tiveram cobranças de propina para Cabral, outros caciques políticos e seus comparsas. Os tempos de roubalheira e gastança deixaram o governo do Rio de Janeiro em frangalhos. Hoje, o estado deve salários a funcionários públicos e precisou aderir a um programa de recuperação fiscal.

“Principal idealizador dos esquemas ilícitos perscrutados nestes autos, o condenado Sérgio Cabral foi o grande fiador das práticas criminosas imputadas. Em razão da autoridade conquistada pelo apoio de vários milhões de votos que lhe foram confiados, ofereceu vantagens e arregimentou vários de seus colaboradores para praticarem crimes em série, desde atos de corrupção até a prática de atos de lavagem de capitais. Vendeu a muitos a confiança que lhe foi depositada pelos cidadãos do Estado do Rio de Janeiro, e por ser o líder da organização criminosa que se apoderou da administração do Estado do Rio de Janeiro, a sua culpabilidade é extrema”, diz Bretas na sentença.

Essa foi a primeira sentença de Bretas contra Cabral. O processo tratou de propinas pagas pela construtora Andrade Gutierrez por obras do governo estadual e também tratou da lavagem de dinheiro por compras de joias para a mulher do ex-governador, Adriana Ancelmo, que foi condenada a 18 anos e três meses de prisão.

O ex-governador está preso desde novembro do ano passado. Já tinha sido condenado a 14 anos e 2 meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro, que considerou Cabral um dos beneficiários e um dos envolvidos no desvio de recursos de projetos da Petrobras. Mas Cabral ainda responde a 13 ações penais no tribunal de Bretas.

Como mostrou o EL PAÍS, o ex-governador responde a mais processos do que chefões do tráfico carioca e deve acumular mais tempo de cadeia do que eles. Com as duas penas sentenciadas até agora, já possui 59 anos e 4 meses de prisão para cumprir. Já o traficante Isaías da Costa Rodrigues, o “Isaías do Borel”, um dos chefões da facção Comando Vermelho, cumpre pena de 61 anos e 11 meses de cadeia pelas condenações em seis processos.

Antes de Cabral, quem detinha a maior pena aplicada na Operação Lava Jato era o almirante Othon da Silva, ex-presidente da Eletronuclear, condenado por Bretas a 43 anos de prisão.

Apesar das punições, nem na cadeia Cabral deixou de motivar investigações. Preso no antigo Batalhão Especial Prisional, no Complexo de Benfica, Zona Norte do Rio de Janeiro, o ex-governador é investigado pela suspeita de que recebeu regalias no presídio de Bangu 8, onde ficou detido entre novembro do ano passado e maio deste ano.