O calvário final de Janot: cinco dias para salvar sua imagem e apresentar as últimas denúncias

Traído por um antigo colaborador e alvo do fogo cruzado dos seus inimigos, o procurador-geral da República tem uma semana para lutar pela sua herança

O procurador Rodrigo Janot, em julho.
O procurador Rodrigo Janot, em julho.Marcelo Camargo (Ag. Brasil)

Rodrigo Janot vive uma estranha corrida na sua última semana à frente da Procuradoria-Geral da República, em meio ao fogo cruzado entre ele e os inimigos que reuniu ao longo do seu mandato. Janot tem somente cinco dias para salvar sua imagem, atacada por várias frentes -sobretudo a frente política, mas também a de algumas pessoas do judiciário- após as irregularidades descobertas na delação da JBS. O procurador tentará demonstrar que não está enfraquecido e ainda quer apresentar as últimas denúncias, dentre elas a que deve ter como alvo de novo a pessoa que virou seu grande inimigo, o presidente da República, Michel Temer.

Mais informações

A última semana de Janot será marcada por ao menos duas ações: a limpeza das gavetas dos casos da operação Lava Jato e a tentativa de amenizar as críticas feitas por conta das omissões da JBS em seu acordo de delação premiada. Desde que passou a denunciar políticos com foro privilegiado, Janot entregou uma média de 1,3 denúncia por mês. Só na última semana esse número já aumentou, foram duas denúncias e um pedido de arquivamento contra políticos do PT e do PMDB. Ao total, foram 34 denúncias entre agosto de 2015 e setembro de 2017. A expectativa é que até a próxima sexta-feira, último dia útil de seu mandato, mais uma ou duas sejam apresentadas.

Os próximos alvos de Janot podem ser o presidente Michel Temer (PMDB), que está sendo investigado por obstrução à Justiça, além do empresário Joesley Batista, preso em Brasília desde esta segunda-feira justamente por esconder informações do Ministério Público Federal.

Enquanto junta as últimas peças dos intrincados quebra-cabeças da corrupção brasileira, o procurador-geral lida com uma complicada transição para Raquel Dodge e com as tentativas de adversários de sujar sua imagem. No fim de semana, ele foi fotografado sentado na mesa de uma distribuidora de bebidas com o advogado Pierpaolo Bottini, um dos defensores de Joesley no Supremo Tribunal Federal. A imagem, publicada pelo site O Antagonista, só elevou a onda de boatos em Brasília e colaborou para a tentativa de manchar a imagem do procurador na reta final de sua carreira. Oficialmente, ambos disseram que não trataram de nenhum processo judicial específico e só trataram de amenidades.

Antes dessa foto, o advogado de Temer, Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, já havia pedido a suspeição do procurador nos casos envolvendo o presidente. O pedido foi negado em uma primeira análise do STF. Mas Mariz recorreu e pode ser reanalisado nesta quarta-feira, quando a Corte julgará se as provas levadas pela JBS no seu acordo de delação premiada serão válidas ou não. Se a resposta for negativa, Janot terminará de uma forma melancólica seus quatro anos de mandato. Se for positiva, lhe dará um alívio.

“Apesar de querer aparentar que está tranquilo com todo o processo, ele está um poço de ansiedade e quer demonstrar que, até o último minuto, trabalhou de maneira correta. Ele foi traído”, afirmou um procurador que trabalha com Janot. A traição, na visão dos colegas do procurador-geral, ocorreu quando Marcelo Miller, um antigo membro da força-tarefa da Lava Jato, ajudou os executivos da JBS a negociarem um acordo de leniência com a Justiça Federal. Toda negociação teria sido feita enquanto ele ainda era procurador. Mais tarde, quando deixou a procuradoria, Miller se associou ao escritório que firmou o acordo judicial. Nesta segunda-feira, no entanto, a leniência foi temporariamente suspensa. O juiz que havia a acatado entendeu que era prudente o STF julgue a validade da delação da JBS antes de dar andamento ao pagamento da multa, estipulada em 10,3 bilhões de reais.

Se já não bastassem as batalhas jurídicas, a artilharia contra Janot também já está preparada no Congresso Nacional. Nesta terça-feira, deputados e senadores participam da segunda sessão da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito da JBS, criada especialmente para analisar os acordos de delação da Lava Jato e os empréstimos concedidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Um dos que devem ser convocados a depor é Janot. Na lista também estão os irmãos Batista e o ex-procurador Marcelo Miller.

Marcado por ser um procurador que pouco lidava com ações criminais até chegar à chefia do Ministério Público, Janot tentará deixar outras marcas. Nas últimas denúncias criminais que apresentou ele costumava enviar recados aos potenciais réus, conforme destacou o site Jota. Citou desde o pacifista Mahatma Gandhi (ao dizer que “tiranos sempre caem") até o poeta e jornalista brasileiro Millôr Fernandes (ao lembrar que “toda farsa tem dois gumes"). Resta saber qual será a citação que estará no último capítulo da sua biografia profissional.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: