Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Israel se soma ao cerco à Al Jazeera no Oriente Médio

Governo de Netanyahu anuncia que bloqueará o sinal da emissora por “apoiar o terrorismo”

Após ter seu sinal por satélite e cabo bloqueado na Arábia Saudita, Egito, Emirados Árabes Unidos e Bahrein, a TV Al Jazeera, considerada a de maior audiência no mundo árabe, está enfrentando pressões também de Israel. O ministro da Comunicação do Estado judaico, Ayub Kara, anunciou neste domingo a intenção do Governo de proibir a recepção das transmissões da TV catariana, fechar sua sucursal em Jerusalém e cassar as credenciais de seus cerca de 30 jornalistas por “apoiar o terrorismo”.

Sucursal da Al Jazeera em Jerusalém.
Sucursal da Al Jazeera em Jerusalém. AFP

O primeiro-ministro Benjamim Netanyahu já havia advertido recentemente que tentaria expulsar a Al Jazeera de Israel por considerá-la tendenciosa e por “sua contínua incitação à violência no Monte do Templo”, termo judeu que denomina a Esplanada das Mesquitas, na Cidade Velha de Jerusalém, cenário de grandes protestos palestinos no último mês. “Se não for possível [fechar a Al Jazeera] por causa de interpretações legais, promoverei a aprovação da legislação necessária”, salientou o chefe do Executivo através do Facebook

Kara, um político druso (minoria religiosa que compartilha a cultura árabe em Israel) e da máxima confiança de Netanyahu, disse numa entrevista coletiva – à qual a Al Jazeera não foi convocada – que os operadores de TV a cabo haviam concordado em cancelar a retransmissão desse canal em árabe e inglês. Sua programação habitual, entretanto, continuava sendo vista normalmente no domingo na plataforma de TV a cabo ONO.

O chefe da pasta da Comunicação, um departamento que até poucos meses atrás também era acumulado pelo primeiro-ministro – como continua sendo o caso das Relações Exteriores –, esclareceu que as medidas anunciadas contra a Al Jazeera serviriam para reforçar a segurança de Israel, de maneira que “os canais presentes no país informem com objetividade”.

Diretores da emissora em Doha disseram à France Presse que a Al Jazeera denuncia “a grave medida adotada por um Estado que pretende ser a única democracia do Oriente Médio”. Essas fontes anteciparam que o canal recorrerá à Justiça contra as resoluções das quais for alvo. O chefe da sucursal da Al Jazeera em Jerusalém, Walid Omal, informou por sua vez que não recebera nenhuma notificação oficial. “Estas medidas, que não são iminentes, parecem obedecer a uma tentativa de desviar a atenção dos escândalos [de corrupção] que atingem o primeiro-ministro”, interpretou.

Num artigo publicado no último dia 1º. no jornal israelense Haaretz, o próprio Omal já havia respondido às advertências do primeiro-ministro através das redes sociais. “A conivência de Netanyahu com seus vizinhos árabes autocráticos indica com pouquíssimas dúvidas que a imprensa livre e a verdade estão a ponto de serem sacrificadas como um dano colateral no [equilíbrio] de poder político da região”.

Enfrentamento no mundo árabe

O fechamento da Al Jazeera foi uma das principais exigências feitas ao Qatar dois meses atrás pela Arábia Saudita e seus aliados para suspender o embargo político e econômico que impuseram ao emirado do Golfo. Desde sua criação, em 1996, a emissora noticiosa é vista por Riad como um espaço aberto ao extremismo e à ingerência em seus assuntos internos.

“Quase todos os países da nossa região constataram recentemente que Al Jazeera apoia o terrorismo e o radicalismo religioso”, disse o ministro israelense da Comunicação ao justificar as medidas contra o canal. “Ele se tornou uma ferramenta do Daesh, do Hamas, do Hezbollah e do Irã”, concluiu Kara, citando sucessivamente a sigla em árabe do autoproclamado Estado Islâmico, o movimento sunita palestino que domina a Faixa de Gaza, o partido-milícia xiita libanês e o regime de Teerã.

“Não há restrições à liberdade de expressão em Israel. O país está cheio de vozes expressando a dissidência”, afirmou uma fonte do gabinete do primeiro-ministro citada pela Reuters. “Nos países democráticos também há coisas que são inaceitáveis, e uma grande parte do conteúdo das transmissões da Al Jazeera recai nessa categoria.”

A Associação da Imprensa Estrangeira em Israel afirmou, através de sua secretária-executiva, Glenys Sugarman, que “alterar as leis para fechar um meio de comunicação significa entrar numa ladeira escorregadia”.

Crise na Esplanada das Mesquitas

O anúncio das medidas contra a Al Jazeera em Israel emergiu depois do protesto palestino que eclodiu na segunda quinzena de julho na Esplanada das Mesquitas, terceiro local mais sagrado para os muçulmanos. A situação esteve a ponto de se transformar numa revolta generalizada em Jerusalém Oriental, a parte da Cidade Santa ocupada por Israel desde 1967. As autoridades inicialmente interditaram o complexo de Al-Aqsa e a Domo da Rocha depois da morte de dois policiais num ataque armado cometido por três árabes de nacionalidade israelense.

Depois do atentado que resultou na morte de três israelenses esfaqueados por um jovem palestino na Cisjordânia e de confrontos com as forças de segurança nos qual seis manifestantes palestinos perderam a vida, a tensão afinal se reduziu quando o Governo de Netanyahu ordenou a suspensão das medidas extraordinárias (detectores de metais e câmeras de vigilância) que haviam sido adotadas nos acessos ao recinto, qualificado também como o lugar mais sagrado do judaísmo – embora a reza e o culto rabínicos não sejam permitidos em seu interior.

MAIS INFORMAÇÕES