_
_
_
_

FMI: Brasil e Argentina puxam lenta recuperação da América Latina

Projeção de crescimento teve ligeira queda e região é considerada a mais vulnerável pelo órgão

A diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, com os ministros de Finanças do G20
A diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, com os ministros de Finanças do G20Aly Song

A recuperação da economia mundial avança “a passos firmes”, com riscos que estão “bastante equilibrados”, confirma o Fundo Monetário Internacional na atualização de suas projeções, as quais, no entanto, apontam para uma mudança na distribuição do crescimento nos últimos três meses. O crescimento foi melhor do que se esperava em países como Brasil, México e Espanha, mas não cumpriu as expectativas nos Estados Unidos, Reino Unido e no conjunto da América Latina.

O FMI mantém a previsão de uma expansão global de 3,5% neste ano, contra 3,2% registrados em 2016. O crescimento para as economias avançadas passará de 1,7% há um ano para 2%. Os riscos relacionados a eleições, segundo a equipe de economistas dirigida por Maurice Obstfeld, “se atenuaram”, mas a incerteza a respeito das políticas a serem adotadas em algumas economias importantes não só se mantém como poderá “se agravar”.

Mais informações
Protesto massivo na Grécia contra novo arrocho do Governo de esquerda
Quais os países que mais crescerão em 2017? E quem crescerá menos?
Fundo alerta para risco de guerras comerciais na era Trump
Terapias decepcionantes

Trata-se de uma referência clara à situação dos Estados Unidos. A maior potência mundial crescerá 2,1% em 2017 e 2018, o que representa um salto do meio ponto percentual com relação a 2016. É uma estimativa compatível com as projeções do Federal Reserve (banco central dos EUA) e do Escritório Orçamentário do Congresso. Entretanto, representa um corte de 0,2 ponto em relação à projeção do trimestre passado, e de 0,4 em relação à estimativa de abril.

E, sobretudo, é uma cifra distante dos 3% de crescimento prometidos pelo presidente Donald Trump. A revisão para baixo, segundo Obstfeld, é “importante” para os EUA e se justifica, como já antecipava o relatório do país no final de junho, porque o plano de estímulos do novo Governo ainda não saiu do papel. “Em curto prazo, é menos provável que a política fiscal dos EUA seja expansionista”, indica o economista-chefe do FMI.

Algo similar acontece com o Reino Unido, que viu sua projeção de crescimento para este ano ser reduzida em 0,3 ponto percentual, de 2% para 1,7%. Obstfeld cita dois motivos. Primeiro, que o rendimento da economia britânica se mostrou “morno” no primeiro semestre. Segundo, que o impacto da desfiliação britânica da União Europeia continua incerto, à espera do resultado da negociação com Bruxelas. A estimativa foi mantida em 1,5% para o ano que vem.

Zona do euro e Espanha

A percepção é diferente para a zona do euro, com uma expansão prevista em 1,9% este ano e 1,7% em 2018. Obstfeld diz que um resultado “mais robusto” é possível graças ao vetor da demanda, mais sólido do que se previra anteriormente. O crescimento da Espanha será o mais expressivo do grupo, com 3,1% em 2017, frente a 1,8% da Alemanha e 1,5% da França. Isso é meio ponto acima do que se previa em abril, mas deve desacelerar para 2,4% em 2018 – ainda 0,3 ponto percentual melhor do que se antevia.

Os países emergentes e em desenvolvimento são os que continuam puxando o crescimento, com uma cifra estimada em 4,6% neste ano e 4,8% no próximo. A Rússia supera a recessão, e a China deve retomar a trajetória de aceleração, com 6,7%. Para 2018, a previsão é de uma redução de 0,3 ponto percentual em relação a este ano, o que ainda é 0,2 melhor que a estimativa de abril. Esse ritmo robusto acarreta um risco, porque alimenta a rápida expansão do crédito.

Embora os técnicos do FMI estejam otimistas, o que mais lhes preocupa em curto prazo é que os bancos centrais das economias avançadas mostrem um interesse maior por retirar os estímulos monetários, como está fazendo o Federal Reserve. Isso afetaria os países emergentes e em desenvolvimento que receberam capital a juros muito baixos. Por isso, aproveitando que a inflação continua baixa, o Fundo pede cautela.

Aproveitando a atual fase de vigor econômico, Obstfeld reiterou a necessidade de reformas que permitam recuperar o potencial prévio à grande crise. Neste sentido, ele observa que o baixo crescimento não só impede uma melhora na qualidade de vida, “como também gera o risco de exacerbar as tensões sociais” e as políticas protecionistas. Concluiu que a cooperação multilateral também é crucial para garantir a prosperidade e sua distribuição.

Lenta recuperação na América Latina

S. P.

O Fundo Monetário Internacional certifica que a América Latina está superando a recessão. Projeta um crescimento de 1% neste ano, que quase dobrará para 1,9% em 2018. A região, entretanto, continua sendo a mais vulnerável. “Segue arrastando um crescimento abaixo do potencial”, diz Maurice Obstfeld. A projeção para os próximos dois anos é 0,1 ponto percentual menos otimista do que há três meses.

"A atividade econômica irá se recuperando pouco a pouco, à medida que países como Argentina e Brasil se recuperem da recessão", afirma o organismo em sua atualização. No caso da economia brasileira, passará de uma contração de 3,6% a um tímido crescimento de 0,3%, antes de chegar a 1,3% em 2018. É uma melhora de 0,1 ponto para este ano, explica ele, "graças ao vigor do primeiro trimestre". Mas o crescimento em 2018 será 0,4 ponto percentual mais moderado do que se previa, o que se deve "à persistente fragilidade da demanda interna e ao agravamento da incerteza em torno da situação política e da política econômica".

O FMI acrescenta que as revisões para o resto da região são “principalmente para baixo” e indicam “uma nova deterioração das condições econômicas na Venezuela”. O México, enquanto isso, vê sua projeção melhorar em 0,2 ponto para este ano, chegando a 1,9%. Os técnicos do FMI admitem que a economia rendeu melhor do que o esperado no primeiro semestre, e isso permitirá que a desaceleração não seja tão brusca como se temia há três meses. A estimativa se mantém em 2% para 2018, o que seria 0,3 ponto percentual a menos que o crescimento registrado em 2016.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_