_
_
_
_

Passageiros de um avião em Barcelona se rebelam para evitar uma deportação à África

Voo saiu com atraso e sem os viajantes que tinham provocado o protesto

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Um avião decola do Aeroporto do Prat em Barcelona.
Um avião decola do Aeroporto do Prat em Barcelona.ALBERT GARCIA
Mais informações
Contrabandistas de migrantes: caçados em pleno alto mar
A crise migratória se agrava e ultrapassa as fronteiras da Itália
Muito próximo do inferno

Um grupo de passageiros retardou neste sábado a decolagem de um avião rumo a Dacar, do aeroporto Prat de Llobregat (Barcelona), ao tentar evitar a deportação de um cidadão senegalês. O voo acabou saindo horas mais tarde, sem os passageiros rebelados e com o homem deportado.

Os passageiros se levantaram de seus assentos em sinal de protesto pela expulsão de um senegalês, segundo explicaram fontes da companhia aérea Vueling e do grupo de passageiros revoltados. O incidente ocorreu em um avião que devia ter decolado de Barcelona às 16h30 deste sábado, no qual viajava um senegalês algemado, acompanhado de dois policiais.

O homem estava sendo obrigado a regressar a seu país de origem, após ter tentado entrar na Espanha sem permissão de residência ou trabalho, e depois que sua situação irregular foi detectada no aeroporto, não tendo chegado a receber permissão para entrar em território espanhol.

Uma porta-voz dos rebelados explicou à Efe que o senegalês irrompeu em gritos quando os passageiros estavam entrando no avião, o que levou alguns deles a se solidarizarem com ele e a se negarem a ocupar seus assentos até que a expulsão fosse anulada.

Depois de uma hora e meia de tentar sem êxito que o piloto desistisse de levar o imigrante “sem documentos”, a polícia militar entrou no avião e forçou o desembarque de todos os passageiros da aeronave da Vueling, de acordo com a tripulação.

Posteriormente, os agentes identificaram seis das pessoas que tinham protagonizado o protesto. O piloto as denunciou e não permitiu que fossem reincorporadas ao voo rumo a Dacar.

O avião pôde partir algumas horas mais tarde rumo a Dacar, com o imigrante “sem documentos” a bordo, conforme o previsto.

Além do atraso no avião rumo a Dacar, um porta-voz da companhia Vueling, que realiza um voo semanal ao Senegal, informou que o incidente afetou o voo de regresso a Barcelona, que terá de sair na segunda-feira pela manhã, já que foram ultrapassadas as horas de atividade permitidas para a tripulação.

Isso obrigará a companhia aérea a pagar estadias em hotel aos 176 passageiros que iriam viajar neste domingo a Barcelona nesse avião, além das indenizações correspondentes aos atrasos, informou o porta-voz da empresa.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_