As FARC entregam todas as armas à ONU

ONU têm em seu poder mais de 7.000 fuzis... o material de defesa individual da guerrilha colombiana

Haverá celebração do desarmamento
Haverá celebração do desarmamentoRAUL ARBOLEDA (AFP)

Mais de quatro anos depois que as FARC e o Governo colombiano começaram a planejar a paz, a guerrilha mais antiga da América Latina entregou a totalidade de suas armas individuais. A ONU terminou de receber nesta segunda-feira mais de 7.000 fuzis, pistolas, lança-granadas... das mãos do mesmo número de ex-combatentes. Ambas as partes realizarão na terça-feira uma cerimônia em Mesetas, um território onde a guerrilha exerceu a lei durante décadas e no qual milhares de ex-combatentes recuperam agora seu estado civil.

Nas 26 áreas onde desde janeiro passado as FARC estão concentradas só ficarão “as armas necessárias para a segurança”. Ou seja, um grupo de pessoas permanecerá armado até o dia 1º de agosto, quando esses lugares deixarão de existir.

Mais informações

A data, mais uma no calendário de jornadas históricas que vive o país, parecia que nunca chegaria. Desde que o presidente Juan Manuel Santos e o líder da guerrilha Rodrigo Londoño assinaram em um papel que iriam parar de matar uns aos outros, em novembro, foram sete meses de atrasos e dúvidas. A Colômbia espera o desarmamento desde o final de maio, a data estipulada nos acordos de paz. Naquele dia, a ONU, o Governo e a guerrilha tiveram de reconhecer que era impossível e aumentaram o prazo em quase um mês.

As que foram as novas casas dos ex-combatentes, o lugar em que regressaram à vida civil, não se parecem com o esboço traçado nos textos de paz. O Estado comprometeu-se a construir quartos, cozinhas, banheiros e áreas comuns. As FARC receberiam serviços médicos e cursos para o dia em que voltassem às suas casas anteriores pudessem enfrentar a rotina fora da floresta. No momento, esse plano continua pela metade. “Em 1º de agosto se transformarão em Espaços Territoriais de Capacitação e Reincorporação, em condições de plena normalidade institucional”, diz um comunicado publicado pela Comissão de Acompanhamento formada pelo Governo e as FARC.

Durante esse novo prazo, terão de ser terminadas as obras de adaptação e a formação dos ex-guerrilheiros; além disso serão preparados projetos produtivos “em um modelo de reintegração à comunidade”. Os comandantes da guerrilha já os chamam de “vilarejos das FARC”, a melhor arma que pode ser lançada pela oposição liderada pelo ex-presidente Álvaro Uribe para esgrimir que o castro-chavismo chega ao país um ano após a eleição presidencial. Membros do Executivo se limitam a descrevê-los como áreas temporárias que passarão a ter um estatuto jurídico semelhante ao de qualquer cidade ou vila da Colômbia, onde a autoridade e a segurança são exercidas pela Força Pública.

Paralelamente, a guerrilha e a ONU percorrem o território em busca de mais de 900 esconderijos onde as armas pesadas e instáveis foram armazenadas. “Até agora a Missão encontrou 77, dos quais o conteúdo já foi retirado e destruído”, de acordo com o último relatório. O plano preliminar estabelece que a partir de 1º de junho ambos os lados têm três meses para remover e destruir o material. Se nesse prazo não for possível o desarmamento definitivo, “os esconderijos ficarão à disposição do Governo, que contará com a colaboração de ex-membros das FARC para o desmantelamento”. Em setembro, o Executivo terá de receber um relatório detalhando quanto trabalho ficou para ser feito para assim determinar um novo prazo.

A participação da ONU nesse novo calendário do processo de paz na Colômbia está em suspenso. Antes de 10 de julho, Santos terá de solicitar ao Conselho de Segurança a prorrogação da missão internacional em seu território. Assim, os funcionários desarmados de colete azul continuarão zelando para que o silêncio dos fuzis das FARC seja uma realidade no país.

Horas antes da divulgação da notícia, começou a circular pelas redes sociais a iniciativa #YoMeDesarmo. Colombianos conhecidos e anônimos compartilharam vídeos em que explicam como se desarmam e convidam outras pessoas a fazê-lo. Alguns se desarmam de ódio, outros de intolerância, alguns preferem deixar de lado a raiva e há pessoas que até mesmo se reconciliaram com Álvaro Uribe, o maior adversário do processo de paz. Todos o fazem em um momento decisivo de sua história recente: acaba meio século de conflito com as FARC.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: