Venezuela

Maduro desafia as críticas ao chavismo e segue em frente com a Constituinte

Presidente da Venezuela afirma agora que a nova Constituição será votada em referendo

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, está disposto a avançar de qualquer forma com seu projeto de redigir uma nova Constituição, apesar da resistência que a convocação desencadeou entre ex-ministros e funcionários públicos que se alinham ao processo bolivariano. A última oferta, anunciada na noite de quinta-feira em um Conselho de Ministros televisionado, é a de submeter a votação a proposta da Carta Magna que for apresentada pela Assembleia Nacional Constituinte. “Que seja o povo quem diga se está ou não de acordo. E serão os mesmos de sempre que pedirão para votar não. Nós os derrotaremos”, garantiu.

Mais informações

O chefe de Estado venezuelano parece estar tentando reunificar seus antigos aliados em um momento muito crítico para o regime chavista, pressionado pelos protestos diários da oposição, pelo intenso cerco diplomático da comunidade internacional para que governe sem desconsiderar o Estado de direito e pela impossibilidade de conseguir financiamento externo para seu agonizante modelo econômico.

À deserção, no fim de semana, da ex-defensora pública Gabriela Ramírez, se somou ao que parece ser a definitiva ruptura da procuradora-geral Luisa Ortega Díaz com o Governo. Nesta quinta-feira Ortega Díaz interpôs um recurso ante o Tribunal Supremo de Justiça para que esclareça o alcance da sentença da Sala Constitucional que afirmou esta semana não ser necessário convocar os venezuelanos a um referendo para que decidam se aceitam a oferta de Maduro. Em 1999, Hugo Chávez, em uma circunstância muito diferente, assinou um decreto no primeiro dia de seu governo para convocar uma consulta para a redação de uma nova Constituição.

Sem mencionar a procuradora, Maduro lamentou que entre suas fileiras tenham surgido divergências. “Não é a primeira vez nem a última que surgirão traidores. Sua traição começa com seu vacilo diante da necessidade de processos transformadores.” Sua decisão de seguir em frente desponta como uma aposta arriscada. O sucessor de Chávez está pondo à prova sua liderança quando sua popularidade é muito baixa para os padrões do chavismo e em meio à crescente saturação de todos os venezuelanos com o estrepitoso fracasso de seu governo.

Os chavistas críticos viram na desconsideração das formas estabelecidas na Constituição uma traição ao ideário de Chávez. Aqueles que, embora descontentes com o Governo, custavam a se identificar com a Mesa da Unidade Democrática, parecem estar ganhando força para se transformar em uma força política que é preciso começar a levar em conta. Além dos polos que os antagonistas de sempre representam na política venezuelana, o desvio de Maduro insuflou um movimento que até a convocação da Constituinte pouco sobressaía no panorama local e não tinha referências de peso.

Há quem pense que essa oferta de Maduro poderia ser um aparente revés para evitar mais deserções. Tal como a concebe o Governo, a Assembleia Nacional Constituinte teria a prerrogativa de dissolver todos os demais poderes constituídos e até mesmo decidir se o resultado de seu trabalho será levado a votação ou não. Tão alta é a aposta do governo que os principais dirigentes já começaram a se apresentar como delegados. Diosdado Cabello, homem forte do chavismo, anunciou que deixará seu mandato de deputado para se candidatar, como também a primeira-dama, Cilia Flores. Assim é a vida para eles.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50