Final da Champions League 2017

Dybala: “O que há de errado em tentar ser decente?”

Fã de Gladiador, argentino revela admiração pelo futebol brasileiro, fala sobre perda do pai e explica comemoração característica

Dybala repete sua comemoração com máscara em gol contra o Crotone.
Dybala repete sua comemoração com máscara em gol contra o Crotone.Antonio Calanni (AP)

O atacante da Juventus Paulo Dybala (Argentina, 1993) é o último substituto oficial de Maradona e Messi. A nova geração. Um bom rapaz. Atento, antecipa tudo. Não tem limites ou ideologias. É um dos poucos argentinos que torcem pelo Brasil, o grande inimigo. “Gosto da facilidade, da alegria com que se divertem com a bola. Sempre admirei Ronaldinho e a ideia de que o jogo seja magia e não sofrimento. A primeira Copa do Mundo que vi pela televisão foi a de 2002, a final entre Alemanha e Brasil. Estava com os três erres, Ronaldo e Rivaldo também. A diversidade deles era genial. Gosto de tudo que representa o oposto de mim. Por exemplo, Pirlo, Del Piero, Agüero e a frieza de Benzema. Os killers não me desagradam; os que agem resolutamente, os que não suam, os que matam sem ser barrocos. E sim, admito, não sei dançar tango”.

MAIS INFORMAÇÕES

Tem quatro tatuagens, mas não são muito exageradas. “Não gosto de valentões, de jogadores mal intencionados, dos que vivem de excessos, dos que pensam que se justifica fazer o que não é certo porque assim alguém falará deles, dos que querem ser diferentes a todo custo. Minha imagem é importante para mim. O que há de errado em tentar ser decente? Não me jogo na área, não procuro o pênalti. É possível fazer algo pelos outros sem ser um infeliz e nem estar furioso; sem cuspir para a vida. Não acredito nos belos malditos. Não é difícil evitar construir outros infernos. Entre a santidade e a indiferença há muitos caminhos intermediários. Eu gosto daqueles que têm estilo, como Federer e Bolt; das pessoas que te comovem, e também de Agassi pela forma como ele se antecipava com seus golpes, por determinados ângulos”, explica antes da final da Champions, no próximo sábado, 3 de junho, contra o Real Madrid.

"Gosto de tudo que representa o oposto de mim"

O esboço do futuro ídolo foi obra do pai. Adolfo – jogador já falecido que dirigia um estabelecimento de apostas na cidadezinha – foi quem colocou Paulo atrás da bola. Aos quatro anos, o menino já estava em campo. Aos 15 anos, o jogo parou. E também a respiração de Adolfo, que sempre o levava de carro aos treinos. O pai morreu de um tumor no pâncreas. Corria o ano de 2006. Paulo estava em crise e se mudou para a residência de jovens promessas do Instituto de Córdoba. “Sem pai, sem família, à noite eu ia chorar no banheiro”.

Em 2012, através de uma bisavó, chegou a Palermo com passaporte italiano e lá começou a trabalhar seus pontos fracos. “Sou canhoto. Até para escovar os dentes uso a esquerda. Então pegava uma caneta e tentava escrever, mas com o pé direito. Eu a colocava entre o dedão e o dedo seguinte. Praticava como um louco para ter mais sensibilidade e capacidade. Também treinava os olhos. Para ver mais além e em direções diferentes, para me antecipar aos adversários e intuir as trajetórias. Também comecei a ir muito à academia. Na Itália, aprendi a defender a bola. Para mim é importante. Se Cristiano Ronaldo ultrapassou os 360 gols é porque, sendo destro, também chuta com força com a esquerda. Com apenas um pé sou mais fácil de ser marcado. Na Itália, a defesa é coisa séria. Eles têm uma boa escola”.

"É possível fazer algo pelos outros sem ser um infeliz e nem estar furioso; sem cuspir para a vida. Não acredito nos belos malditos"

A máscara de ‘Gladiador’

Paulo está em paz com as coisas que perdeu e que não voltarão. “Quando era pequeno, meus amigos da escola faziam longas excursões e eu não podia ir por causa do futebol. Sofri, sim. Não por causa da discoteca, mas pela despreocupação, pela ligeireza que você compartilha com seus companheiros em uma idade em que você acha que não há nada que não possa ser adiado. Agora eu sei que os sacrifícios são necessários, que devemos ter cuidado com a alimentação, e que, no final, há recompensa. Mas também sei que o meu pai se foi, que ele não me viu crescer e ganhar, e essa dor me ensina que é preciso ter pressa. Por isso eu gostaria de ter filhos em breve. Assim eles terão mais tempo para me conhecer e estar comigo”. Sua namorada, Antonella Cavalieri, vive com ele desde a época de Palermo. “Ela faz com que eu não perca o controle. Tê-la por perto significa que não procuro distrações por aí, que eu não me deixo levar”.

"Pegava uma caneta e tentava escrever, mas com o pé direito. Eu o colocava entre o dedão e o dedo seguinte. Praticava como um louco para ter mais sensibilidade e capacidade"

Descobriu o sul quando chegou a Turim. “Ao chegar ao norte, à Juve, percebi que há várias Itálias diferentes. Em Palermo eu morava em Mondello, andava de bicicleta, ia à praia, os vizinhos cuidavam de mim embora tivesse minha mãe, Alicia. Para qualquer coisa que eu precisasse, eles estavam lá. Turim é elegante e discreta; te deixa em paz. Mas se você precisa de açúcar, é inútil bater na porta do vizinho. É melhor ir diretamente ao supermercado. Nós, argentinos, somos afetuosos, precisamos da família, não nos assustam as pessoas em grupo. Assim, esse caráter reservado me pesa um pouco. Aqui, quando vamos para o estádio de ônibus, cada um coloca seu fone de ouvido e ouve suas músicas. Na Argentina eu estava acostumado com um aparelho gigantesco que fazia a música jorrar. Estávamos todos no mesmo ritmo. Talvez fossemos uns caipiras, mas era divertido”.

"Na vida você tem de voltar a se levantar e lutar, mas também entender que há guerras inúteis"

Quando marca um gol, faz o gesto da máscara. “Nasceu de um erro, de um pênalti que perdi contra o Milan na final da Supercopa, em Doha. Não foi um momento alegre. Pelo contrário, eu me senti decepcionado, especialmente por mim mesmo, não conseguia me recompor. Quando olhava para os outros, me sentia culpado. Então publiquei a frase de Michael Jordan que diz que alcançou o sucesso porque falhou mil vezes na vida. A máscara é a de Gladiador, um filme que vi 30 vezes. Na vida você tem de voltar a se levantar e lutar, mas também entender que há guerras inúteis. No jogo das comparações, me comparam com Messi, mas eu não tenho de evitá-lo. Ele já fez; eu estou fazendo. Na seleção, quero ganhar com Messi, não no lugar dele. O jogo é estarmos juntos, nunca perder ninguém”.

Arquivado Em: