_
_
_
_

Oposição da Venezuela denuncia golpe de Estado após o Supremo anular os poderes do Parlamento

Poder foi dividido entre o Judiciário e o Governo do presidente venezuelano Nicolás Maduro

Deputados da oposição protestam diante do Tribunal Supremo, nesta quinta.
Deputados da oposição protestam diante do Tribunal Supremo, nesta quinta.CRISTIAN HERNANDEZ (EFE)

A Venezuela está sem Poder Legislativo. O Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), controlado pelo chavismo, decidiu na noite desta quarta-feira destituir a Assembleia Nacional (equivalente ao Congresso brasileiro), de maioria oposicionista, de suas competências, por estar em situação de "desacato", segundo definira a corte suprema venezuelana no ano passado, após o descumprimento de várias sentenças por parte do Parlamento. O papel deste último, conforme determina a sentença, de número 156, será ocupado pela Sala Constitucional do TSJ, de modo a garantir o "Estado de direito". Entre outros argumentos, o tribunal alega que a Assembleia deu posse a três dos quatro deputados do Estado do Amazonas (sul do país) cujas investiduras tinham sido impugnadas pela justiça.

Mais informações
A revenda de camisinhas brasileiras como símbolo da crise venezuelana
Venezuela fica sem gasolina
Venezuela trava a 'guerra do pão'
Secretário-geral da OEA exige suspensão da Venezuela caso o país não celebre eleições livres

A decisão representa um golpe fulminante sobre o Legislativo e fez com que a oposição acusasse, nesta quinta-feira, o presidente Nicolás Maduro de dar um "golpe de Estado". "Quero que o mundo e os meios nos ajudem a dizer com todas as letras: na Venezuela, Nicolás Maduro de um golpe de Estado", declarou o o deputado Julio Borges, presidente da Assembleia Nacional. Ele qualificou a sentença como "lixo" e disse desconhecer a autoridade do Supremo uma vez que, segundo afirmou, seus integrantes foram escolhidos "para governar fora da Constituição". Henrique Capriles, líder opositor e ex-candidato a presidência, também qualificou a manobra do Supremo com "golpe de Estado". A Organização dos Estados Americanos também qualificou o ocorrido como golpe de Estado.

Há dois dias, o Supremo retirou dos deputados oposicionistas a imunidade parlamentar e outorgou atribuições especiais a Maduro em questões de ordem penal, militar, econômica, social, política e civil. “Estou recebendo um poder especial para defender a institucionalidade, a paz, a união nacional, e rechaçar as ameaças de agressão ou intervencionismo contra o nosso país. Esta é uma decisão histórica”, disse o presidente.

As decisões do Supremo foram criticadas, em nota, por 45 ONGs. “Repudiamos o controle constitucional exercido por um Tribunal Supremo de Justiça carente de independência que permitiu o exercício de atribuições ilimitadas por parte do poder Executivo e a interpretação arbitrária do texto constitucional, ratificando o atual poder ditatorial do presidente da República”, afirma a nota.

"Quero que o mundo e os meios nos ajudem a dizer com todas as letras: na Venezuela, Nicolás Maduro de um golpe de Estado", declarou o o deputado Julio Borges, presidente da Assembleia Nacional

Muitas pessoas veem na sentença uma reação à tentativa da Organização dos Estados Americanos (OEA) de acionar a Carta Democrática Interamericana, que prestou apoio à Assembleia Nacional. Após tomar conhecimento do conteúdo das discussões realizadas em reunião do organismo internacional, Maduro afirmou, na terça-feira, que adotará uma agenda agressiva “em defesa dos povos”.

O Supremo, que assumiu a tarefa de invalidar as decisões que vinham sendo tomadas pelo Parlamento, deixa os deputados oposicionistas, agora, nas mãos do chavismo, que os acusa de traição à pátria por seu apoio ao secretário-geral da OEA, Luis Almagro.

A prisão do deputado Gilber Caro, da Vontade Popular, representa um precedente negativo nesse processo. Em janeiro, o parlamentar foi detido por suposta posse de armas de guerra. Diante dessa acusação, o vice-presidente do país, Tareck El Aissami, instou os tribunais a adotarem uma punição com “todo o peso da lei”. Para a Unidade Democrática, esse caso vem se somar à lista já existente de presos políticos do país.

“Com a sentença que extingue a imunidade parlamentar dos deputados, poderemos ter novos casos como o de Gilber Caro. É algo grave”, comentou para o EL PAÍS a advogada Laura Louza, diretora da ONG Acesso à Justiça.

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_