Cruzeiro estampa números da violência contra a mulher

Em parceria com a ONG Azmina, clube mineiro lança campanha no Dia Internacional da Mulher e muda o uniforme em jogo pela Copa do Brasil

Números da violência contra a mulher na camisa do Cruzeiro.
Números da violência contra a mulher na camisa do Cruzeiro.Divulgação/Cruzeiro
Mais informações

Nesta quarta-feira, na partida contra o Murici, pela Copa do Brasil, a numeração dos jogadores do Cruzeiro fará referência às estatísticas da violência contra a mulher levantadas pela ONG Azmina, que trabalha pelo empoderamento feminino no país. "A cada 2 horas uma mulher é morta" e "Três em cada 10 já foram beijadas à força" são algumas das mensagens que os atletas exibirão nas costas diante da equipe alagoana.

"Com esta ação, nos juntamos a todos que combatem as desigualdades contra pessoas do sexo feminino. Esse é um dos papéis sociais que os clubes de grandes torcidas precisam sempre estar desenvolvendo", explicou o presidente do clube, Gilvan de Pinho Tavares. Para Letícia Bahia, diretora institucional da ONG Azmina, a campanha "Vamos mudar os números" reforça a necessidade de continuar alertando a sociedade sobre como a mulher ainda é submetida a diversas formas de violência. "Muita gente pensa que a luta pelos direitos das mulheres não faz mais sentido. Mas os dados que os jogadores vão exibir mostram o quanto essa questão segue atual", afirma.

Além dos números relativos às questões de desigualdade e violência, os cruzeirenses também exibirão mensagens educativas sobre saúde da mulher. O jogo acontece às 21h45, no estádio José Gomes da Costa, em Alagoas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: