Avalanche após terremoto deixa mortos em um hotel no centro da Itália

Hotel Rigopiano, que fica em de Abruzos, ficou soterrado após uma série de terremotos atingir o país

Interior do hotel Rigopiano após a avalanche.VÍDEO: EFE / QUALITYundefined
Mais informações

Ao menos três pessoas morreram e as equipes de emergência trabalham contra o relógio para resgatar cerca de 30 pessoas que continuam desaparecidas dentro de um hotel de luxo na Itália, na região dos Abruzos, depois que uma avalanche o soterrou em seguida de quatro fortes terremotos que afetaram nesta quarta-feira o centro do país. Antonio Crocetta, membro da equipe de Socorro Alpino que chegou à região esquiando esta madrugada, afirmou que “há muitos mortos” em declarações apuradas pela agência italiana Ansa. Tanto a equipe alpina de resgate quanto os bombeiros estão desde a madrugada de quinta-feira no hotel Rigopiano, um quatro estrelas de 43 quartos localizado perto de Farindola, na região de Pescara (Abruzos).

O socorro demorou várias horas para chegar ao local e só conseguiu esquiando e utilizando máquinas para retirar a neve, já que a estrada que leva até o hotel permanece interrompida com mais de um metro de neve e uma boa quantidade de árvores caídas. “Nossas unidades de resgate estão descendo dos helicópteros e começando a escavar”, disse Luca Cari, porta-voz dos bombeiros nacionais, segundo a agência Reuters.

No hotel havia 22 hóspedes registrados —dos quais não se sabe quantos estavam no local— e a eles se soma o pessoal que trabalhava no hotel. A equipe de resgate é formada por 20 agentes alpinos e sete bombeiros, além de seis ambulâncias.

Imagem promocional do hotel Rigopiano, de 2014.
Imagem promocional do hotel Rigopiano, de 2014.

O alerta foi dado pelos hóspedes que, no momento da avalanche, estavam fora do hotel fumando e não ficaram presos. Conseguiram se proteger a tempo em um carro —ao qual tinham ido“buscar alguma coisa”, segundo declarou aos médicos Giampero Parete, um dos sobreviventes— e foi aí que conseguiram enviar uma mensagem de texto (SMS) às equipes de resgate, que chegaram depois de várias horas. No SMS pediam ajuda e alertavam que estavam “morrendo de frio”. Foram encontrados com hipotermia e transferidos ao hospital de helicóptero, mas não se teme pela vida desses dois homens. Contaram que a avalanche tinha “uma força incrível” e informaram que dentro do hotel havia entre 20 e 30 pessoas. Para a central de operações de Emergências afirmaram que dentro permanecem pessoas presas, mas não sabiam em que estado se encontravam.

O hotel fica a 1.200 metros de altitude em uma região montanhosa que permanece praticamente inacessível depois do abalo. A avalanche provocada por ele arrastou árvores, carros, animais e parte do edifício. Segundo o jornal La Repubblica, a estrutura —agora em parte reduzida a escombros— teria se deslocado dez metros em consequência do impacto da neve. Em um vídeo divulgado pela unidade alpina, é possível ver como o hotel está totalmente coberto pela neve, com partes destruídas e árvores caídas por cima.

Depois que na quarta-feira quatro terremotos de magnitude superior a 5,1 atingiram o centro da Itália, houve pelo menos outras 80 réplicas de várias magnitudes, todas elas abaixo de 4 pontos. Todos esses novos tremores complicaram o trabalho da equipe de resgate e aumentam o risco de novas avalanches. No total, cerca de 100.000 pessoas permanecem sem luz, 98.000 em Abruzzo e 14.000 em Marche, segundo a agência Ansa.

Interior do hotel Rigopiano, em uma imagem feita pelos bombeiros.
Interior do hotel Rigopiano, em uma imagem feita pelos bombeiros.EFE

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: