Seleccione Edição
Login

Harvard suspende equipe de futebol masculino por ranking sexista de jogadoras

Relatório incluía fotos com uma pontuação para jogadoras, segundo o atrativo sexual das colegas

Imagem da biblioteca principal da Universidade de Harvard.
Imagem da biblioteca principal da Universidade de Harvard.

A Universidade Harvard (Cambridge, Massachusetts) suspendeu sua equipe de futebol masculino depois da descoberta de que seus jogadores haviam criado uma classificação sexista sobre as colegas da equipe feminina. O relatório incluía fotos das jogadoras, uma pontuação de 1 a 10, conforme a percepção dos homens sobre o atrativo sexual das colegas, comentários explícitos nesse sentido e até sugestões sobre a posição que, de acordo com os autores dessa avaliação, as jogadoras preferiam para manter relações sexuais.

A equipe masculina, que atualmente ocupa a primeira posição na Ivy League (da qual participam universidades tradicionais de elite), não poderá disputar o resto da temporada. A avaliação, conhecida como “relatório de exploração” (scouting report), sobre as jogadoras da universidade foi revelada pelo jornal diário estudantil de Harvard (The Harvard Crimson), que afirma tratar-se de uma tradição de alguns anos.

O jornal cita como exemplo este comentário sobre uma das jogadoras: “Parece relativamente simples e provavelmente inexperiente sexualmente, por isso decidi que sua posição preferida deve ser a do missionário [papai e mamãe]”. Ou este outro: “Ela parece ser muito forte, alta e viril, por isso lhe dei um 3”. A maioria das mulheres é descrita com uma linguagem sexista, explícita e até chula.

O presidente da universidade, Drew Faust, tomou a decisão de suspender a equipe por essa “assombrosa” atitude dos jogadores. “A decisão de cancelar a temporada é séria e consequente, e reflete o ponto de vista de Harvard de que o comportamento da equipe é completamente inaceitável, não é próprio desta universidade e vai contra o respeito mútuo e contra os valores de nossa comunidade.”

Faust ordenou uma investigação para esclarecer se o relatório de 2012 divulgado agora é um caso isolado ou é um costume entre os jogadores. Os futebolistas não quiseram fazer comentários sobre a decisão. O treinador, porém, se manifestou: “Apesar de estarmos mais do que desapontados por nossa temporada ter terminado desta maneira, respeitamos a decisão de nossa administração”.

MAIS INFORMAÇÕES