Verne

O projeto que flagrou amores anônimos nas ruas

Livro reúne fotos de casais de todas as idades e gêneros ao redor do mundo enviadas pelo Instagram

Retrato de @gnunes, um dos publicados no livro 'Amores Anônimos'.
Retrato de @gnunes, um dos publicados no livro 'Amores Anônimos'.

 "A internet (assim como a vida) é um terreno pantanoso, cheio de lama e ódio, no meio do qual brotam umas borboletas." Assim o escritor Gregório Duvivier escreve no prefácio do livro Amores Anônimos (Capote Books + Contente), concebido a partir de uma chamada pública para revelar demonstrações de amor em imagens.

Quem nunca olhou curioso aquele casal que namora na estação da Sé do metrô, últimos beijos antes de partir em direção oposta? E aquele casal velhinho do quilo, que ainda troca gentilezas diante das saladas? Uma curiosidade do tipo levou a jornalista Daniela Arrais a lançar, em 2013, uma mensagem ao mar, a hashtag #amoresanônimos no Instagram, e começou a receber milhares de fotos de casais de todas as idades, gêneros e raças.

"Dani é uma dessas borboletas que se dedicou a encontrar outras borboletas. Para isso inventou essa hashtag: para reunir borboletas. E provocar uma revoada de borboletas", diz Duvivier no prefácio. "Alguém sabe qual é o coletivo de borboletas?". O livro, ou o "coletivo de borboletas", reúne 28 das 9.000 fotos recebidas.

Ao longo das 80 páginas, há amores anônimos de todas as formas. De gestos carinhosos a pegadas fortes, de intimidade ao silêncio de quem senta-se ao lado do outro e não precisa dizer nada para ser compreendido. Poesia em forma de imagens, sem uma palavra para atrapalhar. E para quem ficou curioso, o coletivo de borboletas é panapaná. "Descobri o que você tem nas mãos: um panapaná", finaliza Duvivier, nas primeiras páginas.

Mais informações