Câmara, a um passo de cassar Eduardo Cunha

Parecer que pede cassação é lido no plenário. Maia diz que votação será antes de eleições, mas não há data

O processo contra Cunha durante a leitura do parecer pela cassação.
O processo contra Cunha durante a leitura do parecer pela cassação.A. Cruz / Ag. Brasil

O penúltimo passo para que a Câmara dos Deputados votasse a cassação do mandato de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) foi dado, mas a data para que esse julgamento ocorra ainda é incerta. Na tarde desta segunda-feira, foi lido no plenário o parecer do Conselho de Ética da Casa recomendando a perda de mandato do peemedebista por quebra de decoro parlamentar. O deputado afastado é acusado de ter mentido aos seus pares ao dizer que não possuía contas em bancos do exterior. Ele continua mantendo sua versão e diz que os trustes que possui na Suíça não se caracterizam como contas.

Mais informações

Agora é necessário que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), marque o dia em que o processo de cassação entre na pauta de votações. A partir de quarta-feira o processo se torna prioritário. Isso quer dizer que ele sempre será o primeiro da fila de votações. Para votar qualquer outra proposta é necessário que a maioria dos deputados presentes concordem com a inversão da ordem.

Se depender de Maia, outros projetos devem ser votados antes que a cassação de Cunha. Sua prioridade, conforme revelou mais de uma vez, é com a pauta econômica. Depois de votar o projeto de renegociação da dívida dos Estados (o PLP 257/2016), o deputado deve levar a plenário o projeto de lei que altera as regras de exploração do pré-sal, uma proposta que já foi aprovada no Senado e ainda depende da análise dos deputados.

Sem querer marcar data para o caso de Cunha, as únicas certezas que Maia deu até o momento é que a votação da cassação ocorrerá em um período com alto quórum na Casa e será antes das eleições municipais, que acontecerão em outubro. O difícil será conseguir uma presença elevada de deputados em um período em que vários deles estão preocupados em dar suporte às campanhas de seus aliados em suas bases eleitorais. Oficialmente, a campanha inicia no próximo dia 15.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete