Os drones vigiam as praias espanholas

A polícia local faz a patrulha das praias desde julho com o equipamento

Agentes da polícia local de Benidorm e o drone usado para monitorar o litoral.
Agentes da polícia local de Benidorm e o drone usado para monitorar o litoral.PEP GARCIA

Mais informações

Conhecidos principalmente pela sua utilização militar, para fazer fotografias ou por lazer, os drones se colocaram a serviço de causas louváveis, como a cooperação para o desenvolvimento, a prevenção e a reação a tragédias ou a patrulha de áreas de difícil acesso. Eles servem para detectar banhistas que estejam em dificuldade, embarcações à deriva e colunas de fumaça suspeitas que alertam para possíveis incêndios no parque natural das proximidades, com falésias de mais de 300 metros de altura e onde existem redutos de vegetação de valor extraordinário.

O primeiro mês de atuação do drone já possibilitou a identificação de várias situações de risco, revela Carlos López, que destaca as vantagens decorrentes do fato de o equipamento sobrevoar barrancos e outras áreas de difícil acesso. “Ajuda muito. Outro dia, por exemplo, localizamos um barco que estava à deriva e, graças ao drone, pudemos comprovar que a embarcação provinha do clube náutico de Benidorm e estava sem tripulantes a bordo”, explica o comandante.

Os quatro policiais dedicados a esse serviço foram treinados especialmente para pilotar esse drone, cujo preço pode passar dos 5.000 euros (cerca de 20.000 reais), pois conta com uma câmera dotada de um zoom poderoso que permite uma grande visibilidade.

Segundo a prefeitura, ele é dotado da mais avançada tecnologia, pesa menos de dois quilos, pode operar a mais de 500 metros de altitude e tem sensores antichoque, GPS e voo de retorno automático, para o caso de se perder, eventualmente, o contato. Os voos do equipamento podem ser manuais ou programados, conforme a necessidade, podendo-se, inclusive, definir itinerários e planos de voo, como explicaram, com grande riqueza de detalhes, os responsáveis municipais ao apresentar o artefato há um mês. O drone nunca sobrevoa as cabeças das pessoas que estão na areia, cumprindo, assim, as normas da Agência Estatal de Segurança Aérea. Quando é utilizado, os polícias o fazem a partir de uma lancha da frota do Serviço de Praias.

Esses drones não são utilizados ininterruptamente, explica Carlos López. Normalmente, voam duas vezes de manhã e mais duas à tarde. Fazem 15 minutos por vez, embora possam se manter no ar o dobro de tempo. O equipamento é usado também quando ocorre um aviso de emergência, a fim de comprová-lo in situ com uma rapidez difícil de ser alcançada pelos meios de transporte convencionais. O drone examina a situação em alguns segundos e a partir daí os policiais decidem o que fazer ou acionam outros serviços de emergência, se for o caso. O prefeito de Benidorm, Toni Pérez, enfatizou a sua utilidade para o monitoramento das espetaculares falésias de Serra Gelada e outras áreas do litoral daquela região.

Tecnologia acessível

O uso de drones se propagou, e, em pouco tempo –alguns antes, outros depois--, novas prefeituras começaram a adotá-lo. Municípios de Andaluzia, Asturias, Murcia, Cantabria e a própria Comunidade de Valência (onde se localiza Alicante) contam com drones em seus serviços de vigilância de praias. Como destacam os especialistas nesse tipo de tecnologia, as aeronaves não têm um custo econômico alto e não são necessárias muitas horas de treinamento para ensinar a pilotá-las. Trata-se de uma tecnologia acessível.

A vigilância das praias é apenas uma de suas possíveis utilizações. Outras localidades empregam essas aeronaves não tripuladas para erradicar focos de criação do mosquito tigre ou da mosca negra, que podem transmitir mais de vinte tipos de doenças. Esses aparelhos atingem lugares inacessíveis e soltam ali substâncias biológicas com bastante proximidade dos possíveis focos com larvas desses insetos. Um drone espanhol é usado, por exemplo, para soltar e espalhar milhares de moscas em amplas regiões da Etiópia a fim de combater a chamada doença do sono, transmitida por um outro inseto.