Colômbia inaugura uma nova era com assinatura do cessar-fogo bilateral com as FARC

Guerrilha se concentrará em 23 zonas, fundirá armas para fazer três monumentos e aceita o plebiscito

Ban Ki-moon, Santos, Raúl Castro e Timochenko, antes da cerimônia.
Ban Ki-moon, Santos, Raúl Castro e Timochenko, antes da cerimônia.Alejandro Ernesto (EFE)

Uma nova era se inaugura na Colômbia. Depois de mais de 50 anos de conflito, o Governo da Colômbia e as FARC assinaram um cessar-fogo bilateral e definitivo, configurando o primeiro passo de um acordo de paz com a guerrilha mais antiga da América Latina, que se efetivará, é praticamente certo, em até três meses. A partir daí, será implementada a trégua, os guerrilheiros se concentrarão e deixarão suas armas, que serão fundidas pela ONU para dar origem a três monumentos.

Santos e Timochenko (codinome), líder da guerrilha, na presença do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, voltaram a selar com um aperto de mãos o conteúdo de um acordo que consumiu meses de negociações. As FARC se concentrarão em 23 zonas. Esses lugares serão temporários e contarão com acesso por via fluvial e por terra. Sobre a sua extensão, o comunicado afirma que será “razoável, dependendo da área”.

Mais informações

Quanto ao desarmamento, as FARC se comprometem a entregar as armas a um comitê de monitoramento internacional coordenado pela ONU. As armas caseiras e os explosivos serão entregues em até 60 dias após a assinatura. O restante será entregue em até 180 dias, em três etapas. O resultado final, depois do abandono completo das armas e da verificação por parte da ONU, serão três monumentos: um na sede da ONU, outro em Cuba, sede das negociações, e o terceiro na Colômbia, em local a ser acordado entre o Governo e as FARC.

Outro aspecto dos mais importantes do acordo desta quinta-feira é o de que as FARC admitem a realização de um plebiscito, uma consulta popular que o presidente do país, Juan Manuel Santos, pretende realizar, em princípio, em setembro. Dessa maneira, a guerrilha mais antiga da América latina assume a via institucional do Estado colombiano.

“Chegou a hora de vivermos sem guerra. Chegou a hora de sermos um país em paz”, afirmou Santos ao iniciar o seu discurso, em que elogiou a postura das FARC nas negociações. “Defenderei o seu direito de expressão e que possam prosseguir em sua luta política pelas vias legais, mesmo que não estejamos de acordo”, afirmou o presidente. Timochenko, por sua vez, enfatizou que a negociação conseguiu fazer com que “nem as FARC nem o Estado saiam como perdedores” de um confronto. “A paz não é uma utopia, mas um direito fundamental”, afirmou o presidente de Cuba, Raúl Castro, que, no mesmo sentido da intervenção do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, convidou as duas partes a concluírem o acordo o mais cedo possível para concretizar os passos que foram acertados. De acordo com diversas fontes de ambos os lados, a assinatura poderá ocorrer definitivamente em agosto, embora Santos considere a possibilidade de isso ocorrer antes de 20 de julho. O certo é que o acordo definitivo será selado na Colômbia.

Habituada, e para muitos condenada eternamente a produzir apenas más notícias, a Colômbia foi finalmente protagonista, em nível internacional — com a licença do Brexit —, de algo positivo. O Governo e a guerrilha das FARC puseram um fim à guerra mais antiga da América Latina, um conflito que se prolongou por mais de 50 anos e que deixou cerca de oito milhões de vítimas, entre mortos, desaparecidos e deslocados. Um acordo que deixa mais claro que, depois de muitas tentativas nas últimas décadas, ambas as partes deverão chegar a um acordo de paz definitivo.

É bem verdade que ainda há um longo caminho a percorrer e que o país ainda deverá livrar outras batalhas, como a para conseguir um pacto com o Exército de Libertação Nacional (ELN) e o combate às quadrilhas criminosas ou neoparamilitares, mas, para isso, tornava-se imprescindível acabar com um dos conflitos mais antigos de que o país se lembra. Assim ele foi visto, pelo menos, pela comunidade internacional, que o apoia de forma unânime.

Na cerimônia em Havana, estavam, presentes seis presidentes latino-americanos — o anfitrião, o cubano Raúl Castro, Michelle Bachelet (Chile) e Nicolás Maduro (Venezuela), países que acompanharam todo o processo, ao lado de Enrique Peña Nieto (México), Danilo Medina (República Dominicana) e Salvador Sánchez Cerén (El Salvador) —, além de representantes dos Governos da Noruega e o enviado especial dos Estados Unidos, Bernie Aronson.

O apoio unânime dado pela comunidade internacional ainda contrasta com a oposição ao processo de paz externada na própria Colômbia. O principal partido de oposição, o Centro Democrático, liderado pelo ex-presidente Álvaro Uribe, mantém as suas fortes críticas aos acordos e expressa o seu repúdio ao processo de paz. Enquanto isso, em Havana, todos os participantes coincidiam em emitir uma mesma mensagem: que este seja o último dia da guerra.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: