FRANCESES EM GREVE

O rechaço à mudança provoca o pior estalo social em 20 anos na França

Uma reforma trabalhista desfigurada encoraja a revolta de um sindicato radicalizado Protestos acontecem em todo o país, cujo governo está debilitado

Protestos em uma refinaria francesa.
Protestos em uma refinaria francesa.JEAN-SEBASTIEN EVRARD (AFP)

Mais informações

Um direto colaborador do presidente François Hollande, o experiente ministro de Finanças, Michel Sapin, o máximo dirigente sindical e analistas consultados não se atrevem a fazer prognósticos sobre como acabará essa grave crise. Em jogo está o modelo social da França, o futuro da esquerda, o papel dos sindicatos e o futuro de Hollande e seu primeiro ministro, Manuel Valls.

Um trimestre em pé de guerra

FEVEREIRO

A esquerda se rebela ao conhecer a reforma trabalhista.

MARÇO

9. Primeira mobilização, 390.000 manifestantes.

10 e 14. Primeiras alterações no texto.

14. Valls recebe os sindicatos e os patronais.

31. Manifestantes por toda França. Nasce o Nuitdebout.

MAIO

10. Valls aprova a lei por decreto.

12. Valls supera uma moção de censura.

19. Começam os bloqueios às refinarias. Escassez nos postos de gasolina.

25. Greves em 19 centrais nucleares.

JUNHO

10. Começa a Eurocopa.

14. Convocada uma manifestação nacional em Paris.

Por que agora? É incompreensível que Hollande tenha lançado sua mais dura reforma, que não estava incluída no seu programa eleitoral, a apenas um ano das eleições presidenciais e a três meses da Eurocopa. Alimentou a divisão na esquerda, e a resposta das ruas lhe devolveu o recorde de apenas 15% de popularidade. A oposição afirma que “está acabado”. “Não tem autoridade, nem credibilidade”.

Um colaborador do Palácio do Eliseu explica que a primeira parte do seu mandato foi dedicada a equilibrar as agitadas contas públicas, principalmente o déficit. A segunda, a melhorar a competitividade das empresas com 40 bilhões de euros em auxílios e vantagens. “Agora é a hora das reformas estruturais”.

Poucas e fracas reformas. Apesar de chamá-la de “legislatura reformista”, Hollande e Valls aprovaram poucas e fracas medidas. “Passam 30 anos dizendo que são necessárias, mas são sempre homeopáticas”, diz o historiador Benoit Pellistrandi. Cita como exemplo as quatro reformas “insuficientes” das pensões entre 1993 e 2013.

Implosão socialista. A lei originou de imediato outro fosso na esquerda e no próprio Partido Socialista, hoje em risco de implosão. 24 deputados rebeldes – com outros 32 da esquerda radical – apoiaram, sob suas assinaturas, uma frustrada moção de censura contra Valls. Agora, pedem que Hollande abandone “essas reformas que agitam legitimamente e dividem inutilmente a esquerda”. Sem apoio na Assembleia Nacional, onde perdeu a maioria há um ano e meio, Valls aprovou a reforma por decreto. Há dois anos, previu que “a esquerda corre o risco de morrer” se não realizar reformas. Hoje, projeta algo pior: “Este país morre pelo seu conservadorismo, pela impossibilidade de se reformar”.

Recuos imediatos. O governo adoçou a lei, que facilita e barateia as demissões, depois dos primeiros protestos, em março. É o habitual na França. Agora, está aberto a negociar “mais modificações”, mas a Confederação Geral do Trabalho (CGT) exige “pura e simplesmente” que a lei seja retirada, como repete o líder desse sindicato, o duro Philippe Martinez.

Valls: “Este país morre pelo seu conservadorismo, pela impossibilidade de se reformar”.

Renúncia de Valls. O governo aposta na “firmeza”. Está obrigado a não perder a escassa credibilidade que lhe resta. Se retirar a lei, ou alterá-la ainda mais, Valls, que admite “erros” na gestão do projeto”, terá que renunciar. O Executivo reconhece essa possiblidade, embora acrescente: “Esse cenário não existe. Hollande não pode mudar o primeiro ministro pela segunda vez em dois anos”.

Oportunidade para a CGT. Com 690.000 afiliados (chegou a ter mais de três milhões), a CGT perde milhares de pessoas a cada trimestre, e a CFDT (Confederação Democrática Francesa do Trabalho), sindicato reformista que apoia o texto adocicado, ameaça assumir a liderança. Hollande ofereceu a Philippe Martinez e ao seu sindicato radicalizado a oportunidade de recuperar força ao se mobilizar contra uma lei reprovada por mais de 60% dos franceses, porcentagem igual à dos convencidos de que o Executivo acabará se rendendo. Como prova de sua radicalização, Martinez participou de incêndios de barricadas diante de centros de produção.

Eurocopa à vista. A poucos dias da Eurocopa da França, que começa em 10 de junho, a capacidade de pressão dos sindicatos é “brutal”, reconhece o Executivo. A CGT e suas seis organizações aliadas combinaram, essa semana, que “ampliarão as mobilizações”. Junho começará com greves indefinidas em ferrovias e na aviação civil. No dia 14, haverá uma manifestação gigante em Paris. Não era previsível um enorme protesto contra a reforma trabalhista? “A meteorologia social é uma ciência muito aproximativa”, respondeu, na sexta-feira, o ministro Sapin em uma reunião com quatro jornalistas, um deles do EL PAÍS.

Só a ultra-direitista Frente Nacional pesca neste rio revolto.

Greves no DNA. Greves e manifestações “estão no DNA dos sindicatos franceses”, comenta Martinez. “Em 10 anos, houve 30 greves no setor de ensino”, lembra Pellistrandi. O setor privado apenas participa das greves. Não fecha nenhuma loja.

Privilegiados. Entre as centenas de milhares de participantes das manifestações, há quatro coletivos identificáveis. A maioria é de representantes sindicais de empresas públicas ou semi-públicas, como as de energia ou transporte público. “São trabalhadores com mais privilégios que o resto, com melhores condições trabalhistas ou de aposentadoria”, afirma Pellistrandi. “Uma minoria”, insiste Valls.

Outro grupo é o de estudantes. O terceiro é integrado por inconformados e indignados. Por último, centenas de encapuzados violentos atuam regularmente por toda a França e originam contínuos enfrentamentos com a polícia. Já houve mais de 400 policiais feridos e mais de 200 jovens detidos.

Le Pen ganha. A ultra-direitista Frente Nacional pesca neste rio revolto, mostram as pesquisas. Sua líder e candidata, Marine Le Pen, e os seus seguidores rechaçam a reforma, censuram a CGT por ser de “extrema esquerda” e criticam o governo não empregar o pulso de ferro nas ruas. Ninguém duvida que, ano que vem, ganhará o primeiro turno das eleições presidenciais. O ministro Sapin tem claro o que está por vir: “A esquerda está dividida. A direita está dividida. Quem se qualificar para o segundo turno contra Le Pen será quem estiver menos dividido”.