A Brasília de Temer à sombra da Lava Jato: as entrelinhas das gravações

A semana que ampliou de vez o foco da investigação com cúpula do PMDB e PSDB sob holofotes

Temer, durante visita ao Senado.
Temer, durante visita ao Senado.FERNANDO BIZERRA JR (EFE)

A semana encurtada pelo feriado estava desenhada para ser o arranque do Governo Michel Temer para valer, com diretrizes econômicas de longo prazo e uma exibição de comando do Congresso com a aprovação da meta fiscal. O roteiro foi sacudido de vez com a série de gravações feitas pelo ex-presidente da Transpetro e delator da Operação Lava Jato, Sergio Machado, que colocaram na mira a cúpula do novo Governo, derrubaram em horas um de seus pilares, Romero Jucá e, de quebra, jogaram suspeitas sobre um aliado de peso, o PSDB do senador Aécio Neves. Para usar as palavras que Machado repetiu, de uma forma ou de outra, em todos os seus diálogos: reinstalou-se de vez o "salve-se quem puder".

Três congressistas que falaram com EL PAÍS sob a condição de não terem seus nomes divulgados relataram que seus colegas do PMDB e do PSDB já estão até buscando advogados para se defenderem de investigações que podem ser abertas contra eles à luz do novo capítulo da Lava Jato. “Primeiro foi o homem-bomba do PT, agora o do PMDB/PSDB. Daqui a pouco não vai sobrar ninguém. Será o fim da classe política”, disse um senador governista, ecoando o ex-presidente da Transpetro.

Mais informações

Além do que está explícito nos diálogos, em poder da Procuradoria-Geral da República, as entrelinhas das gravações também sugerem subtramas e dão pistas dos desdobramentos. Renan Calheiros  aparece insistindo na mudança de Governo para o parlamentarismo, parada no Supremo Tribunal Federal, como um plano A ou B, a depender dos caminhos do impeachment de Dilma Rousseff. Nos cenários de médio prazo, propõe apoiar legislação para mudar as regras da delação premiada, cerne da Lava Jato e matéria de projeto do PT na Câmara.

Ainda que os casos dos políticos estejam nas mãos de Rodrigo Janot, o procurador-geral, é o nome do juiz Sérgio Moro, responsável pelos julgamentos da operação em primeira instância, que se sobressai. É de Moro que Machado quer fugir, é dele que depende a decisão de aceitar ou não a delação do Marcelo Odebrecht, o "dono do Brasil", segundo Machado, a "metralhadora ponto 100", segundo ex-presidente da República e ex-senador José Sarney.

Aécio e Supremo

Com o PT fora do poder,  as gravações parecem conduzidas por Machado para levar os investigadores às articulações para deter a própria operação e a Aécio Neves, que não é ainda investigado formalmente pela Lava Jato e é citado em duas gravações. No primeiro caso, há uma sugestão de que houve irregularidades na campanha que elegeu o tucano à presidência da Câmara em 2005. No segundo, de que o senador tucano estaria preocupado com as informações que o ex-senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS) deu em sua delação premiada. Na ocasião, Delcídio disse que Aécio agiu para que o Banco Rural escondesse dados que pudessem comprovar irregularidades com seu partido.

Aécio nega que tenha praticado esses crimes e, se seu nome tomou o noticiário de forma pouco lisonjeira, ele teve notícias a comemorar vindas do Supremo. Depois de arquivar uma primeira investigação contra Aécio dias atrás, nesta sexta o ministro Gilmar Mendes, do STF, decidiu pedir que a Procuradoria-Geral da República se manifestasse sobre outra investigação contra o tucano.

A decisão provocou reações da neo-oposição. “Estou há um ano e dois meses sendo investigado e nada foi encontrado. O delator que me acusou mudou sua versão umas seis vezes. Enquanto isso vemos dez delatores citando alguns políticos e nada contra ele é feito”, afirmou Humberto Costa (PT-PE), ex-líder do Governo Rousseff no Senado, se referindo principalmente a Aécio Neves.

O caso de Mendes e o teor das gravações colocaram o STF de vez no centro do debate. O cientista político da Universidade de Brasília (UnB) Luis Felipe Miguel diz que lhe chamou a atenção a ausência de manifestação aberta dos ministros do Supremo Tribunal Federal defendendo a atuação deles e demonstrando que são imparciais e não se deixam ser pressionados. Desde que a Lava Jato estourou é comum ver políticos citando que poderiam interferir nas decisões dos ministros daquela Corte. Nas gravações mais recentes, Jucá vai além e sugere que um pacto pelo país poderia ser feito inclusive com o suporte da Corte. Renan afirma que o presidente do Supremo, Ricardo Lewandovski, só estava preocupado com o reajuste salarial dos servidores da Justiça.

“Ao invés de se defender enquanto instituição, o Supremo fica em silêncio e vê vários de seus ministros darem entrevistas analisando a conjuntura política, enquanto deveriam apenas falar pelos autos dos processos”, diz Miguel. "O STF tem protegido alguns dos envolvidos, mesmo com várias citações aos nomes deles. É um processo sendo arquivado depois do outro”, completa.

“As gravações causam um descrédito em toda a classe política, sem dúvida. Nas conversas gravadas há uma série de indícios que precisam ser melhor investigados”, diz o cientista político Ricardo Caldas, da Universidade de Brasília (UnB). Diante das revelações dos últimos dias, Caldas acredita que o próximo a sofrer alvo da Justiça deve ser Renan. 

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: