Coluna
i

O país do vale tudo

Democracia é a convergência das divergências – não no Brasil, onde parece não haver campo para o diálogo

Manifestantes com a bandeira brasileira em Brasília.
Manifestantes com a bandeira brasileira em Brasília.Fernando Bizerra Jr (EFE)

Sempre me foi difícil compreender o sucesso que o antigo vale tudo, agora renomeado MMA (Artes Marciais Mistas), faz no Brasil. Uma luta quase sem regras, onde não há sequer a intenção de divertimento (embora, pessoalmente, não consiga pensar em entretenimento vendo homens e mulheres se espancando), mas apenas o desejo de ver os lutadores se ferirem ao máximo, até que um deles saia do ringue vencedor. E, no caso, vencer significa submeter o outro, humilhá-lo, mostrar ao público superioridade sob o argumento da violência extrema...

Mais informações

Há pouco, acompanhado do escritor Reinaldo Moraes, caminhava pela Praça da Sé, coração da cidade de São Paulo, uma região devastada pelo crack. Ali encontram-se seres estendidos no fundo do poço da miséria humana, zumbis que se deslocam de um lado a outro sem sentido, envelhecidos pela droga, invisíveis, desesperançados, aguardando, como animais acuados, a morte. Ziguezagueamos por entre os chamados “nóias”, alerta aos batedores de carteiras, esbarrando em turistas de visita à Catedral Metropolitana e trabalhadores e trabalhadoras que se deslocavam apressados rumo ao metrô. Até que nos deparamos com um pastor de alguma denominação neopentecostal.

Baixo e gordo, ele ocupava o centro de um quadrado delimitado por linhas brancas pintadas nas pedras portuguesas. Às suas costas, dois auxiliares, exibindo enormes Bíblias, recitavam versículos que o outro, carismático e eloquente, interpretava em altos brados, a voz rouca sobrepondo-se ao enorme barulho do lugar. Um público pequeno, mas atento, reconstituía-se a cada intervalo da pregação. Resolvemos nos aproximar para ouvir o discurso. E as palavras que ele proferia, com entusiasmo e convicção, eram de ódio contra homossexuais e prostitutas, de submissão das mulheres, de segregação e fanatismo. Tudo em nome de um Deus, do Deus dele, da igreja dele...

Em 1970, os católicos alcançavam 92% da população – hoje, segundo dados do IBGE referentes ao censo de 2010, eles representam 65% dos brasileiros, enquanto os evangélicos (colocados no mesmo balaio protestantes históricos, pentecostais e neopentecostais) já são 22% do total. O crescimento do fundamentalismo (incluídos tanto sectários não católicos quanto católicos, que existem e são muitos) se dá pela mesma razão que nos extasiamos ao assistir os espetáculos dos novos gladiadores da UFC na televisão: porque somos um país caracterizado pela intolerância, não admitimos divergências, desejamos aniquilar aquele que pensa diferente de nós.

Por muitas e muitas décadas fomos, na superfície, um país tropical “abençoado por Deus e bonito por natureza”, como cantou um dia Jorge Ben Jor. Na profundeza, no entanto, nunca deixamos de ser bandeirantes brutalizados caçando e matando índios nas matas, feitores açoitando negros, senhores oprimindo as mulheres, ricos depreciando pobres, poderosos escarnecendo dos humildes. Não à toa temos um dos piores índices de educação formal do mundo: interessa aos governantes – quaisquer que eles sejam – manter a população acossada para melhor desfrutar das infinitas possibilidades de benefícios (muitas vezes obscuros) oferecidas pelos cargos públicos.

Nunca deixamos de ser bandeirantes brutalizados caçando e matando índios nas matas, feitores açoitando negros, ricos depreciando pobres...

A intolerância agora ocupa lugar privilegiado no espaço virtual das redes sociais. Detratores da presidente Dilma Rousseff e do PT de forma geral expõem seus preconceitos e animosidades – assim como os seguidores fanatizados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Democracia é a convergência das divergências – não no Brasil, onde parece não haver campo para o diálogo. Ambos os lados se digladiam, vociferam, esperneiam, mentem e manipulam alimentando o ódio como o pastor da Praça da Sé, se machucam e humilham uns aos outros como os lutadores da UFC... Todos se sentem donos da razão – e no fundo ninguém está pensando racionalmente...

Luiz Rufatto é escritor e jornalista.