Crise política

Delação de Delcídio trava plano do Governo de nomear Lula ministro

Planalto passa mais um dia em reuniões após surgir gravação de ministro da Educação Mercadante teria tentado dissuadir senador de fechar colaboração com a Justiça

Dilma e Mercadante no dia 8 de maio.
Dilma e Mercadante no dia 8 de maio.FERNANDO BIZERRA JR (EFE)

MAIS INFORMAÇÕES

"Presidente Lula, nós do PT não sabemos enterrar os nossos mortos. Deixamos nossos cadáveres em covas rasas. Um dia, presidente, eles ressuscitam e matam a gente!", disse o senador Delcídio do Amaral ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em referência ao pecuarista José Carlos Bumlai, segundo relato feito pelo próprio senador em uma das 400 páginas de seu acordo de delação premiada. A homologação da colaboração do senador com a Procuradoria-Geral da República caiu como uma bomba no centro do Governo Dilma Rousseff nesta terça-feira, e a metáfora de Delcídio sobre mortos-vivos parece caber perfeitamente ao atual momento do Palácio do Planalto.

O Governo Dilma, cuja cúpula tem passado as últimas semanas enfurnada em gabinetes para sucessivas reuniões de emergência, dedicou mais um dia tratando exclusivamente de reparar os danos causados pela nova e provavelmente mais potente delação da Operação Lava Jato. Desta vez, trata-se da homologação da colaboração de um ex-líder do Governo no Senado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Diferente de delatores como o doleiro Alberto Youssef ou o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, Delcídio do Amaral frequentava as altas rodas da República. As acusações vieram acompanhadas de uma gravação capaz de causar um enorme estrago político. O áudio mostra Aloizio Mercadante, o braço direito da presidenta Dilma Rousseff, conversando com um assessor de senador e tentando dissuadi-lo de se transformar em um "agente de desestabilização". O ministro oferece também ajuda política e jurídica, o que foi interpretado por Delcídio como "ameaça velada" e tentativa de impedir que ele colaborasse com a Justiça. Dias antes, Delcídio havia sido preso justamente por comprar o silêncio de outro delator, Nestor Cerveró.

O ministro da Educação, Mercadante, que ocupou a Casa Civil durante a gestão Dilma, reagiu rápido.  Convocou entrevista coletiva para negar que tenha tentado interferir nas investigações da Operação Lava Jato. Disse que tinha sido "solidário" e frisou se tratar de uma "iniciativa pessoal". Mais tarde foi a vez da presidenta Dilma tentar reforçar a mensagem de que não estava vinculada à movimentação de de seu aliado, por meio de nota.

Não bastasse o estrago político da delação de Delcídio — destaque-se, tudo que ele disse ainda terá de ser comprovado –, o impacto das 400 páginas divulgadas pela Justiça vai muito além das paredes do Palácio do Planalto.

No depoimento, o senador confirma a influência do presidente do Senado, Renan Calheiros, nas indicações de figuras que participaram diretamente dos esquemas montados na Petrobras. Confrontado, Renan preferiu partir para a desqualificação, falando em "delírios do senador Delcídio". A lista de senadores do PMDB atingidos pela delação é vasta: Romero Jucá, Eunício Oliveira, Valdir Raupp, Edison Lobão, são todos citados como líderes da cúpula de um partido que participou diretamente dos esquemas da Petrobras junto com membros do PT. O vice-presidente Michel Temer também aparece, como figura influente na BR Distribuidora.

Apesar de ter partido para o ataque cobrando o Planalto, a oposição também teve de dar explicações nesta terça-feira. Presidente do PSDB, o senador Aécio Neves (PSDB), um dos principais expoentes da oposição, rebateu Delcídio. Envolvido pelo senador em esquema de Furnas e na tentativa de interferir na CPI dos Correios — que investigou o mensalão — para evitar a análise de dados sobre o Banco Rural, Aécio rebateu dizendo que "são citações mentirosas que não se sustentam na realidade e se referem apenas a 'ouvir dizer' de terceiros".

Revés

O novo revés chegou bem no momento em que o Governo Dilma tentava sua última cartada, com o arriscado anúncio de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva assumiria um ministério. Se a oposição já reclamava da possibilidade de Lula assumir um cargo para poder gozar de foro privilegiado nas investigações da Lava Jato, a acusação de que Mercadante tentou interferir no andamento da operação enervou ainda mais os deputados e senadores contrários ao Governo. Os líderes oposicionistas da Câmara se reuniram para assinar uma ação popular contra a indicação de Lula para a Esplanada dos Ministérios.

Lula chegou a Brasília para discutir sua nomeação para a Secretaria de Governo da gestão Dilma no início da noite. O objetivo da presidenta era anunciar seu antecessor na pasta, com status de ministério, nesta terça-feira, mas o tumulto político causado pela homologação da delação premiada de Delcídio mudou os planos. Entre seus assessores, a conclusão foi que a notícia da nomeação de Lula ficaria em segundo plano, levando em conta as revelações feitas pelo senador, um ex-aliado que foi abandonado assim que detido na Lava Jato, tragaram a gestão federal para o centro do escândalo de desvios da Petrobras.

O dia em Brasília foi de apagar incêndios. Assim que a notícia da delação premiada foi divulgada, Dilma convocou Mercadante para se explicar. Por essa razão, a presidenta cancelou um encontro com Lula no Palácio do Planalto e o remarcou para a residência oficial da Presidência, o Palácio da Alvorada — local onde o acesso da imprensa é praticamente inviabilizado. O encontro foi tratado como uma agenda privada de Dilma e se estendeu pela noite.

Políticos próximos ao ex-presidente disseram que ele aceitaria o cargo para ajudar Dilma a recompor sua base no Congresso Nacional e para evitar que o PMDB efetivasse o rompimento. A certeza do embarque de Lula no Governo é tamanha que a Secretaria de Comunicação Social da Presidência já está com uma nota oficial pronta para ser divulgada aos jornalistas assim que a presidenta autorizar, segundo fontes do Planalto. A expectativa é de que o anúncio do nome de Lula ocorra nesta quarta-feira. O atual chefe da Secretaria de Governo é o ex-deputado federal Ricardo Berzoini (PT). Com a nomeação do líder petista, ele deverá se tornar o secretário-executivo da pasta ou ser deslocado para alguma assessoria especial de Dilma.

Com Lula ou sem Lula, contudo, os danos da delação de Delcídio feriram em cheio um Governo já cambaleante. Se há algumas semanas, antes do primeiro vazamento do acordo de delação do senador, o Palácio do Planalto ainda acreditava ser possível carregar o Governo Dilma até seu fim programado, em 2018, a aposta da oposição para a sobrevida da gestão do PT no comando do país passou a ser contada em semanas.

Arquivado Em: