Reforma Trabalhista na França

Sindicatos franceses declaram guerra à reforma trabalhista de François Hollande

O projeto mais simbólico do Governo abre uma batalha da qual depende o futuro do socialismo francês

O presidente francês François Hollande, no último dia 3.
O presidente francês François Hollande, no último dia 3.YOAN VALAT / EFE

A dura reforma trabalhista do Governo francês já é o projeto mais simbólico e polêmico do mandato de François Hollande, embora o texto ainda não tenha sido apresentado oficialmente. O futuro do socialismo francês ficará marcado por essa iniciativa. A ala esquerda do Partido Socialista –atualmente no poder–, os radicais, os movimentos estudantis e os sindicatos iniciaram um confronto com o Executivo para que este retire o projeto ou modifique-o radicalmente. Nesta quarta-feira acontecerá o primeiro grande protesto de rua, mas os sindicatos estão preparando uma greve e uma mobilização geral no dia 31. Assim comunicaram na segunda-feira, no palácio de Matignon, ao primeiro-ministro, Manuel Valls, um dos principais defensores reforma qualificada como “liberal” por seus detratores.

Mais informações

Apesar de não revogar a sagrada lei das 35 horas de trabalho semanal, o projeto a dinamita por meio dos fatos. Além disso, amplia e facilita as demissões por motivos econômicos –quatro trimestres de prejuízos ou declínio no faturamento– e reduz os tetos das indenizações por demissão –15 meses de salário em vez de 24 a 27 para os trabalhadores com mais de 20 anos de casa. Além disso, os acordos entre a comissão sindical e os patrões em cada empresa ficarão acima dos acordos setoriais, o que enfraquece as organizações de trabalhadores.

Se para a França é “vital” uma reforma como essa, nas palavras de Valls, para os sindicatos é mais um passo para a “precariedade empreendida por muitos Governos europeus”, segundo Philippe Martinez, líder da CGT, o principal sindicato francês. E para a ala radical dos socialistas, é o exemplo mais claro do “desvio liberal” do Governo. Somente a entidades patronal e vários líderes do partido conservador de Nicolas Sarkozy, os Republicanos, apoiaram o conteúdo do projeto.

Num país que resistiu às profundas reformas exigidas pela União Europeia, pela Alemanha e por vários fóruns econômicos internacionais, a aposta nessa reforma trabalhista chega apenas 14 meses antes das eleições presidenciais, quando a popularidade de Hollande volta a estar em mínimos históricos (17 % de aprovação). Por isso o presidente tentou acalmar os ânimos: atrasou até o dia 24 a apresentação do projeto –prevista inicialmente para o dia 9– para dar tempo para organizar consultas com os sindicatos como a desta segunda-feira e prometeu que suas posições serão levadas em consideração.

Proposta amplia e facilita as demissões por motivos econômicos, entre outros

De acordo com várias informações divulgadas nos últimos dias, Valls ameaçou demitir-se caso o projeto sofra mudanças profundas, embora o primeiro-ministro negou ter tido essa reação diante de Hollande. A entidade patronal, que na terça-feira será recebida por Valls, já manifestou seu medo de “descontos” numa reforma “que vai na direção certa”.

Junto com Valls, participam das reuniões com líderes sindicais a ministra do Trabalho, Myriam El Khomri, e o ministro da Economia, Emmanuel Macron, o outro membro do Executivo que a esquerda culpa por esse “desvio liberal”.

Um mês para negociar e pressionar

C. Y.

Estas são as datas-chave que o Governo e os sindicatos determinaram no que se refere à reforma trabalhista:

- Dias 7 e 8: Valls conversa separadamente com os sindicatos e a entidade patronal. Reunião do Partido Socialista.

- Dia 9: Protestos de estudantes e sindicatos. Greve de trabalhadores ferroviários.

- Dia 14: Valls se reúne conjuntamente com os sindicatos e a entidade patronal.

- Dia 17: Reunião dos 7 sindicatos mais críticos.

- Dia 24: Apresentação do projeto pelo Governo.

- Dia 31: Greve geral.

Nem o atraso nem a abertura de negociações acalmaram os ânimos. Organizações estudantis, apoiadas por sindicatos, mostrarão sua capacidade de mobilização na quarta-feira, em 120 atos de protesto em toda a França. Enquanto isso, um manifesto de repúdio ao projeto, promovido por uma ex-colaboradora de Hollande e por vários ministros, já recolheu mais de 1,1 milhão de assinaturas num fenômeno inédito nos últimos anos no país.

A batalha apenas começou, mas tem todos os ingredientes para ser a maior dos cinco anos de mandato de Hollande, a que mais consequências terá para o socialismo francês, para a luta entre socialdemocratas e liberais-sociais e para o futuro do presidente e do primeiro-ministro. A luta também servirá para conhecer o limite das reformas, até agora tímidas, que o Executivo quer ou pode fazer. Ou pelo menos sua ala menos socialdemocrata.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50