Só há cinco latino-americanos entre as 100 maiores fortunas

Bilionário mexicano Carlos Slim cai do segundo para o quarto lugar no ranking na lista da Forbes 2016

O brasileiro Jorge Paulo Lemann, junto a sua esposa em julho de 2015.
O brasileiro Jorge Paulo Lemann, junto a sua esposa em julho de 2015.EFE
Mais informações

Apenas cinco latino-americanos aparecem entre as 100 maiores fortunas do mundo, segundo revela em sua lista anual a revista Forbes. O bilionário mexicano Carlos Slim, em quarto lugar, é o melhor colocado na lista. É seguido, representando o Brasil, pelo magnata cervejeiro Jorge Paulo Lemman, em 19º lugar; o banqueiro Joseph Safra, na posição 45; e os investidores Marcel Herrmann Telles e Carlos Alberto Sicupira, nas posições 67 e 87, respectivamente.

A lista, que mede os maiores patrimônios líquidos do mundo com base em informações públicas, é encabeçada novamente por Bill Gates, com 75 bilhões de dólares. Ele ocupou o primeiro lugar em 17 dos 21 anos que apareceu na publicação. Em seguida na lista está o espanhol Amancio Ortega (67 bilhões), fundador do grupo têxtil Inditex e o investidor Warren Buffett (60,8 bilhões).

Slim, que controla 70% do mercado de telefonia celular e 62% de telefones fixos no México através de sua empresa América Móvil, foi o “maior perdedor do ano”, de acordo com a publicação. Seu patrimônio recebeu um golpe que levou a uma perda de 27 bilhões durante 2015 e início de 2016, o que levou à queda do segundo para o quarto lugar do ranking.

Lemann, com um patrimônio de 28 bilhões de dólares, é o homem mais rico do Brasil. Seus milhões são resultado de sua participação na Anheuser-Busch InBev, a maior cervejaria do mundo, da qual é proprietário através da empresa 3G Capital. Safra é descendente de uma família de banqueiros vinda da Síria. De acordo com a Forbes, é o banqueiro mais rico do mundo, com um patrimônio de 17 bilhões. Em 2014 expandiu seu investimento com a aquisição de 50% da empresa Chiquita Brands International, uma empresa que produz e distribui bananas e outros produtos.

Os dois últimos latino-americanos entre os 100 mais ricos do mundo são Herrmann Telles e Sicupira. Ambos são, como Lemman, os empresários de destaque no negócio de cerveja no mundo. Ambos são acionistas da Anheuser-Busch InBev e devem grande parte de sua riqueza às porcentagens de controle que têm sobre a cervejaria. Telles, com um patrimônio líquido de 13 bilhões de dólares, é dono de 5% das ações da Anheuser-Busch InBev. Enquanto que Sicupira — seu sócio de toda a vida —, que possui 3% das ações da cervejaria, tem um patrimônio avaliado em 11,3 bilhões de dólares.

Quem ficou fora dos 100 por pouco, no posto 101, foi a chilena Iris Fontbona. A viúva do magnata da mineração Andrónico Luksic, com um patrimônio estimado em 10,1 bilhões de dólares, herdou, com seus três filhos, o comando de Antofagasta PLC, um dos maiores conglomerados do Chile.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: