Polêmica de ex-amante de FHC fermenta o caos político brasileiro

Revelações de Mirian Dutra sobre relação com ex-presidente explodem bomba midiática no país

Fernando Henrique lança livro em setembro de 2015.
Fernando Henrique lança livro em setembro de 2015.Sebastião Moreira (EFE)

Mais informações

Revelações da jornalista Mirian Dutra, de 55 anos, ex-amante do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, sacudiram a já convulsionada vida política do Brasil. A jornalista, que atualmente vive em Madri, afirmou que uma empresa, a Brasif S.A. Exportação e Importação, que operava na época, entre outras coisas, as lojas de duty free de vários aeroportos, lhe enviava todos os meses, de 2002 a 2006, cerca de 3.000 dólares mensais em virtude de um contrato falso que, na realidade, era um pagamento encoberto de uma pensão que o ex-presidente dava a Dutra para ajudar na manutenção do filho de ambos, Tomás. O menino nasceu em 1991, fruto de uma relação que o político e a jornalista haviam mantido desde 1985. Em uma entrevista concedida ao jornal Folha de S.Paulo, a jornalista disse que Fernando Henrique Cardoso lhe pediu inclusive que abortasse, mas ela preferiu seguir em frente com a gravidez. “Fui para Portugal e a rede Globo me contratou, mas eu não ganhava o suficiente para manter meus filhos (...) anos depois, quando vivia em Barcelona, me senti exilada porque quis voltar ao Brasil e não me deixaram”.

A autora da entrevista lhe perguntou, então, quem não a deixou, e Dutra responde: “[O então senador] Antônio Carlos Magalhães e seu filho Luis Eduardo Magalhães (aliados políticos de Henrique Cardoso na época) estavam envolvidos na reeleição [do ex-presidente]”. Assim, a história do pagamento começou por meio de uma empresa intermediária para complementar o salário da jornalista na rede Globo.

Segundo explica Dutra, Cardoso, que governou o país de 1995 a 2002, entregou 100.000 dólares à Brasif para que fosse remetendo valores dessa soma à jornalista, à base de 3.000 dólares ao mês. O contrato, reproduzido em parte pela Folha de S.Paulo, especifica que Dutra realizava o “serviço de acompanhamento e análise do mercado de vendas a varejo a viajantes”. A ex-jornalista comenta que “jamais pisou em uma loja” em sua vida para trabalhar. A Brasif confirmou em nota que contratou a jornalista Mirian Dutra e que o ex-presidente não teve qualquer interferência nessa contratação, além de não ter feito depósitos em nenhuma empresa do grupo.

Por sua vez, Fernando Henrique Cardoso, por meio de uma nota enviada à Folha de S. Paulo, negou na quinta-feira ter utilizado uma empresa intermediária para o envio de dinheiro a Tomás, e afirmou que sempre lhe mandou dinheiro, mas através de contas legais que possui no exterior.

Seja como for, a bomba midiática lançada por Dutra explodiu em um momento delicado do país, muito polarizado politicamente, e no qual as acusações e as suspeitas de corrupção chegam a quase todas as esferas do poder. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores (PT), viu seu nome nas primeiras páginas dos jornais recentemente: a polícia investiga se recebeu presentes (um apartamento na praia e um sítio) provenientes de empresas com ramificações na trama corrupta da Petrobras. A própria presidenta Dilma Rousseff, também do PT, embora por uma questão diferente — ter maquiado contas públicas para burlar as normas legais do déficit público — será alvo nas próximas semanas de um processo de destituição parlamentar (impeachment) de resultado incerto e que pode pôr o país de pernas para o alto do ponto de vista político.

Em um ambiente tão encrespado, na própria quinta-feira, dia em que foi publicada a entrevista com Dutra, alguns parlamentares do PT, adversário do PSDB, pediram ao Ministério Público que investigue os envios de dinheiro, suscetíveis, a seu ver, de esconder tráficos de influência. Nesta sexta-feira, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou que a polícia se ocupará do assunto.