Partidos tradicionais resistem e Podemos perde força na Espanha

Os dois grandes partidos somam mais de 50% das intenções de voto

Se as eleições gerais espanholas fossem realizadas hoje, o resultado que parece mais provável seria um duplo empate técnico: na liderança, ficariam praticamente igualados o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) e o Partido Popular (PP), com 23,5% e 23,1%, respectivamente. A alguma distância, viriam o Podemos e o Ciudadanos, separados por dois pontos (18,1% e 16,0%). A Esquerda Unida (IU, na sigla em espanhol) completaria o quinteto de partidos de âmbito nacional, com 5,6%. No momento, este partido parece estar mais em condições de recuperar votantes do que de perdê-los.

O bipartidarismo resiste a ser deixado de lado e a compartilhar seus efetivos e apoios com os dois partidos emergentes. Desde os primeiros meses deste ano, o PP e o PSOE empreendem uma escalada sustentada para se afastar do Podemos e do Ciudadanos. Na última pesquisa do Metroscopia, realizada entre segunda e quarta-feira, o PSOE e o PP conseguiram se descolar e abriram certa distância em relação aos dois novos partidos.

Mais informações
Esquerda concretiza reviravolta no poder municipal na Espanha
Manuela Carmena, prefeita de Madri
Um dos cofundadores do Podemos se demite da direção do partido

Neste movimento do eleitorado, sobressai certa recuperação da Esquerda Unida (IU), que ganha pouco mais de um ponto e meio, vindo do Podemos e, certamente, da abstenção. A recusa contundente do secretário-geral do Podemos, Pablo Iglesias, em formar uma coalizão eleitoral com a IU e outras forças da esquerda – com a exceção, por enquanto, da Catalunha – teve como resposta a desaprovação de uma parte do eleitorado que se inclina por uma coalizão e não por várias candidaturas à esquerda do PSOE.

O PSOE, por sua vez, mantém uma estabilidade contínua em seu apoio, que faz com que o partido se alterne com o PP na primeira posição, abrindo mais de cinco pontos de vantagem sobre o Podemos. Agora o PSOE tem uma vantagem de alguns décimos sobre o partido conservador, de forma que qualquer um dos dois pode acabar na liderança quando forem realizadas as eleições gerais. Do topo se afasta o partido do Albert Rivera, embora recupere um ponto em pouco menos de um mês, depois de ser castigado imediatamente depois das eleições municipais e regionais de 24 de maio. O Podemos e o Ciudadanos, em princípio, afastam-se da primeira posição e passam a disputar o terceiro lugar.

O PSOE e o PP, que pelas contínuas flutuações de seus respectivos apoios, similares em tamanho, alternam-se mês a mês no topo das pesquisas, seguiriam reunindo conjuntamente quase 50% de todos os votos, cifra que está sem dúvida afastada dos 73,3% que totalizavam em 2011, mas parece tender a estabilizar-se – e, de qualquer forma, supera amplamente a soma das intenções de voto dos dois partidos emergentes (34,1%). Pareceríamos assim estar caminhando para uma versão reforçada do “bipartidarismo imperfeito” dos primeiros anos da atual democracia; ou, se se preferir, para um tetra partidarismo atenuado.

Estamos caminhando para uma versão reforçada do "bipartidarismo imperfeito"

Só o Podemos fecha esta etapa com uma nota relativamente ruim. Seu índice atual de 18,1% de intenções de voto continua sendo substancial, mas é 3,4 pontos porcentuais menor que o apoio que o partido tinha há menos de um mês (e 10,1 pontos menor em relação àquele que foi até agora seu melhor índice, o de 28,2% em janeiro). Sua imagem pode ter perdido parte do frescor original. Seu líder, Pablo Iglesias, continua sendo, depois de Mariano Rajoy, o pior avaliado pela população (sua aposta em “um discurso áspero e de classe e com um estilo plebeu” não o ajuda precisamente a gerar simpatias transversais em um momento em que uma das principais reivindicações populares é o espírito de concórdia), que continua criticando sua imprecisão programática.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS