Imigração irregular na Espanha

Pai e ‘portadora’ de menino escondido em mala são presos

Juíza diz que dupla cometeu "crime contra os direitos dos cidadãos estrangeiros"

Imagem tomada pela Policia civil do pequeno Abou na mala. ATLAS (atlas)

“Não sabia que atravessaria desse jeito”, disse à juíza, na sexta-feira, A.O., pai de Abou, o menino de 8 anos que na quinta pela manhã foi descoberto pela Guarda Civil ao tentar atravessar a fronteira de Tarajal, entre Espanha e Marrocos, escondido dentro de uma mala.

Os argumentos do homem, um marfinense de 42 anos, não convenceram a magistrada do Juizado de Instrução número 5 de Ceuta, que decretou sua prisão provisória por crime contra os direitos dos cidadãos estrangeiros, com o agravante de ter colocado em risco a vida de um menor.

Mais informações

O mesmo aconteceu com Fatima E.Y., a jovem marroquina de 19 anos que levava a bagagem, “que não tinha respiradores”. Supostamente, segundo as versões dos guardas civis, “o pai pagou à jovem de Castillejos para que levasse o menino à Espanha”. A ideia era que pai e filho se encontrassem do outro lado da fronteira horas mais tarde.

Mas Abou foi detectado pelo scanner. A imagem de seu corpo, espremido dentro da pequena mala, surpreendeu os agentes, que abriram a bagagem rapidamente. Entre um punhado de roupas apareceu o corpo magro de um menino negro. “Je m’appelle Abou” [Me chamo Abou], disse em francês. Os exames médicos realizados na criança pelos médicos da Cruz Vermelha descartaram que estivesse sofrendo algum sintoma de asfixia ou carências de outro tipo, mas ainda assim “poderia ter acontecido qualquer coisa”, afirmou um dos guardas da fronteira.

O pai do menino, com permissão de residência em Las Palmas, na Grande Canária, onde os agentes suspeitam que tenha chegado “em um caiaque anos atrás”, havia solicitado o reagrupamento familiar com a criança, mas o pedido fora negado.

Uma hora e meia depois que seu filho foi interceptador pelo scanner da fiscalização aduaneira, A. O. tentou atravessar o controle de fronteira, quando os guardas o pararam ao comprovar que era da Costa do Marfim, assim como o menino. Foi interrogado e os agentes mostraram uma foto do pequeno dentro da mala: “É seu filho?”. O pai desabou na hora e se limitou a dizer que queria levar o filho junto com ele para as Canárias.

O plano deu totalmente errado. Pai e filho estão agora separados não apenas pelas fronteiras naturais dos países, mas pelas grades e as leis. A Área de Menores da Cidade Autônoma de Ceuta assumiu na sexta-feira a guarda de Abou. Segundo fontes do instituto, o menor não tinha nenhuma relação com a portadora da mala.

Fontes da polícia disseram que o menino foi entregue ao Governo de Ceuta para que seja tutelado pelas entidades correspondentes da cidade autônoma, à espera de que se possa ter informações sobre seus familiares. As esperanças de que pai e filhos possam se reencontrar em algum momento são, por enquanto, remotas.