A Unasul será mediadora entre a oposição e o Governo venezuelano

Três chanceleres viajam na sexta-feira a Caracas para tratar da tensão política

Mulher caminha em frente a um mural de Chávez.
Mulher caminha em frente a um mural de Chávez.M. GUTIÉRREZ (EFE)

Os chanceleres do Brasil, da Colômbia e do Equador, e o secretário-geral da Unasul, Ernesto Samper, chegarão à Venezuela na sexta-feira para tentar mediar a crise política, que piorou depois da prisão do prefeito da área metropolitana de Caracas, Antonio Ledezma, acusado pelo Governo de conspiração; e o assassinato de um menor pela polícia do estado andino de Táchira, na fronteira com a Colômbia, durante protestos contra o regime do presidente Nicolás Maduro.

O próprio governante venezuelano anunciou na noite de terça-feira, durante seu programa En contacto con Maduro, a volta dos ministros de Relações Exteriores a Caracas. O representante do Equador, Ricardo Patiño, confirmou em sua conta de Twitter. “Graças a Deus temos a Unasul, que nos protege, nos acompanha, nos permite ultrapassar essas batalhas contra golpes de Estado, imperialismo intervencionistas. Nosso caminho é o sul”, afirmou Maduro.

Mais informações

O da Venezuela é um conflito constante de moderada intensidade, com frequentes picos. Entre fevereiro e junho de 2014, quando aconteceram os protestos promovidos pela facção da oposição que deseja a imediata saída de Maduro, os chanceleres, acompanhados pelo representante do Vaticano em Caracas, tentaram apaziguar os ânimos com soluções concretas. A Unasul conseguiu que o chavismo fizesse uma renovação parcial dos poderes públicos, tema que este havia postergado de acordo com sua conveniência. A seleção dos novos cargos foi completada em dezembro com uma vitória quase total dos aspirantes próximos ao Governo. Mas não conseguiu fazer mais do que isso. A oposição decidiu se retirar da mesa por falta de vontade do Executivo de cumprir os acordos feitos nas negociações.

Desde então, o Governo está prendendo aqueles que solicitaram seu fim antecipado, o que voltou a agitar a política local. À prisão do líder de Vontade Popular e ex-prefeito do município de Chacao, Leopoldo López, somou-se, entre outros, o exílio e a prisão do prefeito de San Cristóbal, Daniel Ceballos, e de jovens como Lorent Gómez Saleh e Gerardo Carrero, detidos em uma das sedes do Sebín (a polícia política venezuelana) em condições de extremo isolamento, segundo seus familiares.

O chavismo vê os pactos com seus adversários como uma forma de traição ao ideário de seu falecido líder, Hugo Chávez.

A oposição receia este novo chamado por causa da postura assumida por Samper, que os condenou em várias ocasiões e não é visto como uma figura imparcial. De entrada, desconfiam da possibilidade de fechar acordos que possam ser cumpridos de forma urgente. O chavismo sempre vê os pactos com seus adversários como uma forma de traição ao ideário de seu falecido líder, Hugo Chávez.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: