Seleccione Edição
Login

A campanha presidencial de 2030 já começou para o liberal partido Novo

Grupo aguarda registro no TSE para eleger presidente que "enxugue" o Estado brasileiro

João Amoêdo, presidente do Novo, em palestra.
João Amoêdo, presidente do Novo, em palestra. Partido Novo

Chegar ao poder para diminuir o poder de quem governa. É com essa proposta aparentemente contraditória que o Partido Novo espera eleger um presidente da República. Nas eleições de 2030. “A gente sempre falou que é um projeto de longo prazo”, explica o presidente do partido, João Dionisio Amoêdo, que é conselheiro do banco Itaú-BBA e da João Fortes Engenharia. Ciente de que terá de mudar a forma como seus potenciais eleitores enxergam o Estado brasileiro, a legenda, que ainda aguarda o registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pretende usar os próximos 15 anos para intensificar seu trabalho por uma “mudança cultural”, iniciado em 2011.

“O Estado não precisa ser provedor de tudo. A gente quer mostrar que essa forma de pensar faz sentido”, diz o vice-presidente do partido, Fabio Ribeiro, um gestor de investimentos que se desdobra há quatro anos com quatro colegas em palestras de apresentação do ideário liberal por todo o Brasil. No segundo semestre de 2014, o grupo — formado originalmente por empresários e gestores do mercado financeiro e baseado principalmente em São Paulo e Rio de Janeiro — chegou a organizar até quatro palestras em uma semana (uma delas em Porto Alegre, num sábado, e outra em Porto Velho, na quinta-feira seguinte), graças ao auxílio dos presidentes dos atuais nove diretórios estaduais do partido.

“Queremos falar para as pessoas que estão cansadas da política. Estamos procurando trazer a militância de um grupo da sociedade que está desiludido. Não tem como enganar essas pessoas, só vamos conseguir se a gente mantiver dentro do partido essas ideias novas”, diz Ribeiro. Segundo ele, o grupo é constantemente procurado por políticos, inclusive de partidos como PT e PSDB, e até um senador buscou aproximação. Mas todos tendem a perder o interesse ao saber de detalhes como o de que o partido pretende proibir uma segunda reeleição consecutiva para eleitos do Legislativo.

No nosso entendimento, você deve escolher qual partido quer financiar”

vice-presidente do Partido Novo, Fabio Ribeiro

Falar em enxugamento do Estado não costuma render votos no Brasil, mas os membros do Novo dizem que o número de interessados que aparecem nas palestras tem surpreendido, em um momento em que as ideias liberais ganham espaço no Brasil. "Estamos investindo na formação de pessoas para dar palestras, mas temos reduzido os gastos, e a meta agora é fazer dois eventos por mês”, comenta Ribeiro — o próximo deles está marcado para 26 de fevereiro, no Recife.

Pensado a partir da lógica empresarial, o grupo calcula que 5 milhões de reais já saíram dos bolsos de seus 181 fundadores nos quatro anos de existência do projeto. Eles apostam na formalização da sigla no TSE para atrair os filiados que, esperam, vão sustentar o partido a partir de então. Nos cálculos do Novo, sua atual estrutura demanda 190.000 reais por mês. O valor seria alcançado se pelo menos um terço dos 30.000 cadastrados no site do partido se filiarem quando o Novo começar a existir, pagando a mensalidade mínima de 27 reais.

O partido também dissemina a marca por meio de produtos como canecas e camisetas. ampliar foto
O partido também dissemina a marca por meio de produtos como canecas e camisetas. Partido Novo

“No nosso entendimento, você deve escolher qual partido quer financiar”, diz Ribeiro, que defende a extinção do fundo partidário, por meio do qual os partidos políticos brasileiros dividiram 371,9 milhões de reais no ano passado. Pelo mesmo motivo, o Partido Novo também é contra o tempo de propaganda gratuito na televisão. Entre as propostas defendidas pelo grupo ainda estão a desestatização de empresas, como a Petrobras, e o incentivo ao empreendedorismo e a redução da carga tributária e do protecionismo.

O Novo também é contra a "reserva de mercado" para produções brasileiras, como a que já garante uma cota de exibição de filmes e seriados nacionais nas emissoras de TV a cabo — o Governo estuda expandir a exigência para os serviços sob demanda, como o Netflix. Apesar de deixar claro o objetivo de enxugar o Estado brasileiro, contudo, o partido admite que ainda não tem propostas para todas as áreas e planeja atrair conselheiros nos próximos anos para estruturar projetos sobre temas como educação e saúde, ambas áreas com grandes estruturas estatais envolvidas.

E o que os liberais do Novo pensam do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, doutor pela ortodoxa Universidade de Chicago e escolhido pela presidenta Dilma Rousseff para sanear a economia brasileira? “Ele está fazendo o que dá pra fazer, tentando diminuir o déficit fiscal. Mas a alternativa que lhe sobra é o aumento da carga tributária, e isso o país já mostrou que é um caminho esgotado”, diz Amoêdo. “Acho que a atuação [de Joaquim Levy] é boa, é firme e transparente, pé no chão. O grande problema do governo atual é não lidar com a realidade, não aceitar os problemas. Levy encara os problemas, mas tem restrição política, está num governo onde o partido não compra essas ideias”, completa o presidente do Novo, que diz não ter aspirações eleitorais: "Minha utilidade maior está no processo de formação do partido".

MAIS INFORMAÇÕES