Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Fenômeno na Espanha, Podemos inspira os descontentes no Brasil

Insatisfeitos com Marina, dissidentes da Rede querem criar partido nos moldes da sigla

Ato do Levante Popular da Juventude cobra punição por crimes da ditadura. Mídia Ninja

As jornadas de junho de 2013 evidenciaram descontentamento da população brasileira com as instituições e os partidos políticos. Na Espanha, movimento semelhante, o do 15-M ou dos Indignados de 2011, culminou três anos depois com a criação do Podemos, partido fenômeno que, com apenas dois meses de vida, conquistou cinco cadeiras no Parlamento Europeu e obteve 1.245.948 milhão de votos. Ao identificar a insatisfação com a corrupção, com a polarização partidária e com os efeitos devastadores da crise econômica, o Podemos se consolidou como a terceira maior força política no país e já inspira grupos e movimentos sociais que enxergam no Brasil os mesmos elementos para tentar emplacar uma nova forma de fazer política.

É o caso do Avante, nome provisório do projeto de partido, ainda em tubo de ensaio, que ativistas de vários movimentos sociais pretendem criar em 2015. Bastante inspirado no exemplo espanhol, o Avante reúne também um grupo de dissidentes da Rede Sustentabilidade, que abandonou o partido que Marina Silva (hoje no PSB) tenta criar desde 2013 ao se desiludir com os rumos tomados pela campanha presidencial, sobretudo com o apoio da ex-senadora, no segundo turno, ao candidato do PSDB, Aécio Neves.

“As pessoas buscam uma alternativa, os reflexos dos movimentos de junho de 2013 ainda estão aí. (…) A Rede seria essa alternativa. Ela se antecipou à isso, teve essa visão. Mas ao apoiar um dos lados na eleição, ao fazer uma campanha tradicional, ela perdeu a possibilidade de atrair esse sentimento, de realmente ser uma outra forma de fazer política”, avalia o historiador e escritor Célio Turino, que foi porta-voz da Rede em São Paulo e que foi um dos 7 dos 12 membros da Executiva paulista a deixar o sigla depois das eleições. “Estamos estudando muito a experiência espanhola, principalmente esse modelo cidadanista, horizontal, baseado no tripé do bem viver, do bem comum e do ecossocialismo. O Brasil precisa de uma reaproximação das pessoas com o poder, existe um vazio a ser ocupado”, disse.

Ainda em fase embrionária, o Avante reúne pessoas de vários Estados do Brasil, sendo um “bom tanto” de ex-militantes da Rede, além de dissidentes de partidos como o próprio PT, o PSOL e o PCdoB, e ativistas ligados aos movimentos de defesa dos indígenas, da luta dos garis do Rio de Janeiro, de movimentos culturais, de direitos humanos, entre outros. A ideia é conseguir obter o registro do partido no primeiro semestre de 2015. 

De fora para dentro

Enquanto na Espanha os indignados se organizaram em partidos — além do Podemos, nasceu do 15-M  o Partido X —, floresce no Brasil a militância de rua, não atrelada às legendas tradicionais, embora muitos ativistas tenham simpatia ou até atuem dentro de alguns partidos.

Além do conhecido Movimento Passe Livre, que capitaneou as manifestações contra o aumento da tarifa do transporte público e desencadeou a onda de protestos pelo país em 2013, outros movimentos se proliferam. É o caso do coletivo Arrua, de São Paulo, que há cerca de um ano realiza intervenções semanais na praça Roosevelt para defender “o direito à cidade” e do direito do povo em ocupar espaços públicos, entre outras pautas (que vão desde o combate ao racismo, à violência policial e o direito à mobilidade). Também inspirado no exemplo europeu, o coletivo criou a página Podemos Mais, com as mesmas cores do partido espanhol, onde difunde informações e tenta levar o debate iniciado nas ruas às redes.

Embora o Brasil conte com 32 siglas oficialmente registradas no TSE, os partidos políticos são hoje as instituições consideradas menos confiáveis do país, segundo pesquisa do Datafolha divulgada em julho deste ano, encomendada pela Ordem dos Advogados do Brasil. Para Jaime Cabral Filho, pesquisador e ativista do Arrua, os partidos perderam a capacidade de dialogar com o cidadão comum.

Ele, que é filiado ao PT há cerca 20 anos e destaca que boa parte dos ativistas do Arrua pertencem a partidos de esquerda, reconhece que boa parte dos militantes não se sente mais ouvida, daí a proliferação de coletivos como esse.

“Nós não estamos negando os partidos, mas há um sentimento geral de que os partidos tradicionais se burocratizaram, se hierarquizaram, e perderam a capacidade de identificação com a população, de construir o novo. O PT perdeu a capacidade de sonhar, de debater o que a gente quer para o futuro. Então nós desistimos de disputar pautas dentro dos partidos. Vamos influenciá-los de fora pra dentro, deixá-los observar o movimento que acontece nas ruas”, disse.

A sensação de não representatividade é ainda mais forte entre os jovens. Fruto disso está a criação de movimentos como o Levante Popular da Juventude, criado em 2006 no Rio Grande do Sul e nacionalizado em 2012 com a ação que ficou conhecida como os Esculachos aos torturadores da ditadura militar brasileira — o mais recente deles, realizado neste mês, interditou uma rodovia em São Paulo para pedir a punição dos envolvidos com os crimes do Estado no regime militar. O movimento usa algumas estratégias comuns ao Podemos, como o crowdfunding para organizar assembleias e a mobilização de jovens na periferia, no campo e nas instituições de ensino. Entretanto, o movimento não vê na fundação de um partido o caminho para alcançar as bandeiras que defende, como a reforma política, a democratização dos meios de comunicação e o fim do “extermínio da juventude”, sobretudo a negra, pobre e LGBT.

“Nós temos boas relações com os partidos. Mas a juventude não se sente representada por nenhum partido hoje. Mesmo ativistas históricos chegaram ao poder e viraram engravatados. Hoje, o povo não cabe na política, na forma como são as instituições brasileiras. Então a nossa opção é lutar por fora. A gente vai virar partido pra quê? Hoje quem manda é o capital e do jeito que a política é feita no Brasil a gente não teria espaço nenhum. Nossa opção é ser um movimento social. Se a Constituinte sair, a gente pensa no que faz”, defende Lira Alli, membro do Levante em São Paulo.

O Avante sabe que tem um longo caminho pela frente: no Brasil, são necessárias cerca de 500.000 assinaturas para conseguir formalizar a legenda no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) — esse, aliás, foi um dos grandes problemas de Marina, que optou por se filiar ao PSB para não ficar de fora da corrida eleitoral deste ano. Bem diferente do cenário da Espanha, onde o Podemos pôde se lançar às eleições europeias após reunir cerca de 50.000 assinaturas.

Mas o grupo não tem pressa. Pretende em 2015 criar círculos de discussão na mesma linha dos adotados pelos espanhóis e consolidar as bases do seu projeto. No ano que vem, quando acontecem as eleições municipais brasileiras de 2016, estuda não lançar candidatura própria, mas sim escolher quem apoiar nas disputas pelas prefeituras das cidades. Essa opção segue a estratégia da coalizão suprapartidária e supramovimentos Ganemos, a qual o Podemos estuda apoiar nas municipais espanholas.

PSOL e direita

O exemplo do Podemos é visto como alento até por partidos já estabelecidos como o PSOL e por lideranças de esquerda fora e dentro das siglas, que ainda tentam digerir o que consideram um efeito colateral das manifestações de junho: a saída do armário do conservadorismo, com partidos de direita capitalizando com certa eficiência a insatisfação popular. Basta ver os recentes protestos contra o Governo Dilma Rousseff e a eleição, neste ano, do Congresso mais conservador desde os anos 1960, segundo o Diap. 

A candidata derrotada do PSOL à Presidência, Luciana Genro, lembra que logo após o auge dos Indignados foi o conservador PP o vitorioso nas urnas na Espanha. “Na Espanha, logo depois do movimento dos Indignados a direita cresceu. Mas a partir daí o Podemos surgiu e começou a crescer. Eu acredito que aqui no Brasil nós estamos também apenas começando esse processo. Apesar de o PSOL ter dez anos, agora é que a situação política está se abrindo para o fortalecimento de uma esquerda ao PT. Eu acredito que a gente vá ganhar mais força”, disse a ex-deputada ao EL PAÍS Brasil em novembro.

O desafio aqui como lá para as correntes esquerdistas está na forma de embalar seu discurso. O Podemos nunca negou suas origens de esquerda, e sempre foi clara a identificação de sua principal liderança, o professor de Ciências Políticas da Universidade Complutense de Madri, Pablo Iglesias, com o socialismo, o zapatismo e o chavismo. O crescimento da sigla, no entanto, está vinculado à habilidade de conseguir atrair a simpatia de pessoas de diferentes origens e ideologias, ao defender que o povo assuma o protagonismo na política.

“O trunfo do Podemos foi conseguir tocar em uma tecla narrativa boa, no momento certo. A crise na Espanha foi um absoluto desastre para a população. O país vive um clima muito tenso e ele chega nesse contexto defendendo que o povo reassuma o seu papel político. O Iglesias não precisa falar que é de esquerda. Você ouve muitas pessoas falando que não concordam com as ideologias dele, mas que votaram no Podemos porque concordam com a essência do que eles defendem, do empoderamento social”, explica o jornalista espanhol e pesquisador de redes Bernardo Gutierrez, radicado em São Paulo desde 2011, que acompanhou de perto tanto o 15-M, em Madri, quanto as jornadas de junho, na capital paulista.

Para Gutierrez, só conseguirá ocupar esse espaço no Brasil — ainda que daqui a alguns anos, na previsão do pesquisador — o partido que conseguir mesclar a militância nas ruas com o ativismo digital, coisa que o Podemos soube fazer como ninguém, tanto nas assembleias nas periferias das cidades quanto nas redes sociais e por meio do La Tuerka, o programa de debates políticos que conta com mais de 75.000 seguidores no YouTube e 150.000 no Facebook. “Se o PT foi o partido movimento nos seus inícios (na década de 1980), o novo partido deve ser uma mistura de rede e movimento, misturar territórios e participação digital. Mas sem uma nova narrativa agregadora, não linear nem dicotômica, será complicado. A narrativa das esquerdas parece que não é tão empolgante para as novas gerações.”

Para o economista e ativista Caio Tendolini, que integrou grupos como os coletivos Fora do Eixo e o Catarse, e que acompanha a evolução dos chamados “partidos 2.0” pelo mundo — entre eles, o Podemos — algumas características do Brasil dificultam a reprodução do fenômeno espanhol. Entre elas, está a burocracia para reconhecer assinaturas para o registro dos partidos; a proibição pela Justiça eleitoral do uso de sites de crowdfunding para financiar campanhas; e a própria maturidade política do país.

Apesar do o PSOL ter 10 anos, agora é que a situação política está se abrindo para o fortalecimento de uma esquerda ao PT. Eu acredito que a gente vá ganhar mais força

Luciana Genro (PSOL)

“Junho [de 2013] teve um efeito importante que foi tirar da apatia as pessoas. Tinha muita gente que era apática, despolitizada, que estava fora do debate político e que se voltou pra isso depois das manifestações. Agora, os movimentos de esquerda no Brasil estão voltando a se organizar. Nós ainda temos o desafio de criar espaços para debater política sem que termine em cadeirada (risos). Eu acredito que a gente ainda tem um caminho pela frente”, diz Tendolini.

Uma das fundadoras do Podemos, a socióloga Carolina Bescansa, diz que não dá para transplantar experiências de um lugar a outro, mas, questionada, aponta um caminho que ela julga que pode ser útil aos colegas brasileiros que miram Madri: tentar pensar fora das categorias de pensamento estabelecidas pela própria esquerda para interpretar os fenômenos sociais contemporâneos. "As mudanças que incorporamos à nossa forma de analisar que nos fizeram dar esse passo qualitativo adiante passa pela compreensão de que a existência de forças sociais majoritárias na sociedade não se traduz automaticamente em votos. Ou seja: não há vasos comunicantes diretos entre as bases sociais que apoiam mobilizações e apoios a legendas que aparentemente respondem a essas mobilizações. No âmbito político-eleitoral, também há coisas a construir."

MAIS INFORMAÇÕES