O Uruguai e a Argentina se desafiam nos portos do Atlântico

A ampliação do Canal de Panamá e o boom exportador de matérias-primas estimulam projetos ambiciosos

Montevidéu -
Porto uruguaio de Nueva Palmira.
Porto uruguaio de Nueva Palmira.M. Martínez

A histórica rivalidade entre o Uruguai e a Argentina pelo controle do tráfego do Rio da Prata se estende agora às costas Atlânticas e se materializa em uma série de ambiciosos projetos, alguns em andamento e outros em estudo. A menos de dois meses das eleições presidenciais, a Frente Ampla do Uruguai, de esquerda, prometeu um "choque de infra-estruturas" que inclui a construção de um porto de águas profundas na altura do departamento de Rocha, na costa Atlântica do país.

A ampliação do Canal do Panamá é um novo desafio para o setor marítimo latino-americano, pois permitirá a chegada de barcos cada vez maiores (os de maior capacidade atualmente transportam 18.000 contêineres), que exigem portos com maior calado. Para o Uruguai isso é essencial, já que por seu pequeno tamanho e população é um país que não proporciona carga suficiente para lotar esses gigantes do mar e necessita que em seus portos parem barcos de outras nações para somar tonelagem. O país põe em jogo sua capacidade exportadora para a Ásia. Assim como a Argentina e o Paraguai, a venda de grãos à China (essencialmente soja) se tornou sua principal fonte de divisas.

O Uruguai, assim como a Argentina e o Paraguai, põe em jogo sua capacidade exportadora para a Ásia

Os sucessivos governos do Uruguai vêm promovendo o país como plataforma logística, oferecendo zonas livres de impostos e condições vantajosas para os operadores. Além de projetar um novo porto, em Montevidéu foram iniciadas obras para levantar um novo terminal de grãos e produtos de madeira com um custo de 100 milhões de dólares (cerca de 226 milhões de reais), assumidos por uma empresa privada. E o Uruguai proporciona ao Paraguai (país sem saída ao mar) um terminal próprio no Rio da Prata e busca um ambicioso acordo para captar o transporte fluvial dos minerais da Bolívia. O êxito dessa política provocou tensões com a vizinha Argentina, pois muitas empresas do país optaram por parar nos portos uruguaios.

Em Buenos Aires também se fazem grandes projetos. O porto argentino de La Plata anunciou em maio "a obra portuária mais importante dos últimos 100 anos", avaliada em 385 milhões de dólares (aproximadamente 873 milhões de reais), mediante a inversão de capitais públicos e privados. O objetivo da ampliação é captar a carga que atualmente vai para o Uruguai. Os interesses do Porto de Buenos Aires também estão sendo protegidos. Em novembro do ano passado, o Governo argentino decidiu proibir a chegada de barcos argentinos aos portos do Uruguai e obstruiu a passagem das barcaças paraguaias que transitam pelo Rio Paraná até os terminais uruguaios.

O subsecretário de Portos da Argentina, Horacio Tettamanti, não fez mistérios sobre suas intenções: "há quem teve a alucinação, no Uruguai, de pensar que iriam avançar sendo o centro logístico do Cone Sul e que a Argentina iria ficar olhando (...) Nós queremos deixar bem claro que vamos matar ou morrer e que vamos dar tudo que pudermos para que a Argentina seja um dos países marítimos mais importantes do mundo". Essas declarações provocaram um grave incidente diplomático com o Ministro de Relações Exteriores do Uruguai, Luis Almagro, que acusou Tettamanti de ser inimigo de seu país.

Argentina tem ainda outro projeto que poderia ser o golpe definitivo para o Porto de Montevidéu. Em junho, o Governo de Buenos Aires abriu um concurso para a construção de um novo canal de navegação no Rio da Prata que passaria exclusivamente por sua ribeira e seria a melhor rota para escoar soja, trigo, sorgo, madeira e outros produtos para o Atlântico. A obra terá um custo de 307 milhões de dólares (cerca de 696 milhões de reais).

Nós queremos deixar bem claro que daremos tudo para que a Argentina seja um dos países marítimos mais importantes do mundo Subsecretário de Portos da Argentina, Horacio Tettamanti

Nesse contexto, não é exagero falar de uma nova edição da "luta dos portos" que há vários séculos opõe as nações rio-platenses. No conflito há um terceiro implicado: o Paraguai, país com uma imensa produção de grãos que, além disso, tem sua própria indústria naval por ser fabricante das barcaças de baixo calado usadas no tráfego fluvial.

O Governo de Buenos Aires considera que a carga paraguaia, que transita pelo Rio Paraná, lhe corresponde completamente por razões geográficas e históricas, algo que não é do agrado das autoridades de Assunção.

"Estamos partindo dos portos uruguaios porque as condições técnicas, os custos e a segurança são melhores para o Paraguai", afirma o embaixador paraguaio em Montevidéu, Luis Enrique Chase Plate. "O Paraguai é um país sem litoral marítimo que necessita sair para o mar, é indispensável, nós precisamos levar nossos produtos para a Europa, Ásia, África...", acrescenta. O embaixador afirma que as limitações argentinas ao tráfego das barcaças paraguaias produzem "uma grande incerteza, um dano", e ademais seriam contrárias ao tratado de livre navegação fluvial firmado pelos dois países em 1967.

Enquanto os Governos trabalham na construção de portos e instalações, os atores do setor marítimo se movem muitas vezes com outra lógica e consideram que o efeito das políticas públicas tem seus limites.

O gerente-geral da multinacional de mineração Aratirí e ex-presidente dos portos uruguaios, Fernando Puntigliano, considera ilusório que nenhum país possa se tornar atualmente uma potência marítima. "As frotas dos armadores estão distribuídas por todo o mundo. Estamos trabalhando em um mundo global, o primeiro elemento é a competitividade. Os atores que estão no setor portuário sabem que a única coisa que os países fazem é desenvolver o espaço e as infra-estruturas, e que os negócios portuários são tocados pela iniciativa privada. Então, pensar que um acordo entre o Uruguai e o Paraguai ou entre o Uruguai e a Bolívia vá captar cargas para o Uruguai é de uma ingenuidade atroz."

Mas o certo é que os dois Governos apresentam dados que mostram o impacto real de suas respectivas políticas. Segundo o subsecretário argentino, Tettamanti, a proibição de parar em portos uruguaios produziu um claro aumento da demanda de transporte nacional; por seu lado, o ministro de Relações Exteriores do Uruguai, Luis Almagro, declarou recentemente no Parlamento que a atividade dos portos locais se manteve em 2014 e inclusive aumentou, entre outros motivos, graças aos acordos de carga com o Paraguai. A batalha pelo controle do enorme mercado de transporte de matérias-primas não fez mais do que começar.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: