_
_
_
_

O trem com os cadáveres do avião parte para Carcóvia, zona controlada por Kiev

Os rebeldes dizem que o Governo ucraniano bombardeia Donetsk O Executivo nega ter enviado o Exército, mas confirma que há confrontos na cidade Obama insiste a Putin para que pressione os rebeldes a colaborarem

Inspetores da OSCE e legistas holandeses perto do trem onde estão os cadáveres.Foto: reuters_live | Vídeo: REUTERS-LIVE!

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

O trem que leva os cadáveres das vítimas do acidente envolvendo um avião da Malaysia Airlines deixou a cidade de Torez, controlada por separatistas pró-russos, com destino a Carcóvia, controlada por Kiev. Ali já se encontra um grupo de 31 peritos de vários países, entre eles a Holanda e a Malásia, que se encarregarão dos trabalhos forenses e da repatriação dos corpos. Nesta segunda-feira, o vice-premiê ucraniano, Vladimir Groisman, havia informado que os cadáveres estavam em um vagão refrigerado, que sairia da estação em algumas horas.

O primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, afirmou nesta segunda-feira que os rebeldes pró-russos lhe garantiram que as duas caixas-pretas do avião serão entregues a uma equipe de especialistas malásios, e que uma equipe de investigadores internacionais terá garantia de "um acesso seguro" ao local onde o avião caiu, para que a investigação possa começar.

Mais informações
Os rebeldes pró-russos confinam os corpos de 200 vítimas em um trem
“Não vou para a Ucrânia. Veria os assassinos da minha família”
Os EUA apontam os pró-russos como responsáveis pela queda o avião malásio

O vice-primeiro-ministro ucraniano disse ainda que os trabalhos de resgate das vítimas foram considerados encerrados, após a localização de "282 corpos e 87 fragmentos que pertencem aos cadáveres de 16 das vítimas". "Todos os corpos foram levados para um trem, em vagões refrigerados, e esperamos que saiam para Carcóvia por volta de 19h [11h em Brasília]", afirmou o vice-premiê durante entrevista coletiva em Kiev para falar da queda do Boeing 777 malásio que levava 298 pessoas e foi abatido na quinta-feira sobre território ucraniano, numa zona em que os rebeldes separatistas pró-russos combatem o Exército da Ucrânia.

"Todos os corpos serão levados para a Holanda", acrescentou o político, encarregado de coordenar a investigação da tragédia. Das 298 vítimas que viajavam no avião, no trajeto Amsterdã-Kuala Lumpur, 193 eram holandesas.

O crescente horror dos holandeses pela morte dos compatriotas no voo MH17 foi refletido na prudência inicial do Governo de Haia, empenhado em ter "todos os dados sobre a mesa" antes de opinar sobre os supostos autores da matança. A prioridade neste momento é "repatriar os corpos", observou o primeiro-ministro, o liberal Mark Rutte, e para isso a Holanda enviou um grupo de legistas à região.

Paralelamente, o Ministério Público holandês anunciou na tarde de segunda-feira a abertura de uma investigação criminal sobre o fato. "Um funcionário do escritório do procurador, Thijs Berger, está em Kiev", afirmou o porta-voz Wim de Bruin à France Presse, sem detalhar qual será o papel desse funcionário na investigação da Procuradoria. Segundo a lei holandesa, a Holanda pode processar supostos criminosos de guerra, inclusive no caso de crimes cometidos no exterior, se uma ou mais vítimas for de nacionalidade holandesa.

A troca de acusações a respeito da autoria do ataque continuou nesta segunda-feira. O Ministério de Defesa russo assegurou que um caça ucraniano voava entre três e cinco quilômetros de distância do avião da Malaysia Airlines momentos antes de este ser atingido por um míssil. Segundo a versão russa, um avião norte-americano capaz de "detectar e seguir diferentes trajetórias de lançamentos de mísseis" também sobrevoava a região. "Se a parte norte-americana tiver fotografias desse satélite, seria muito gentil entregá-las à comunidade internacional para seu estudo", afirmou o general Andrei Kartapolov.

Enquanto isso, os confrontos continuam em Donetsk. Os separatistas pró-russos acusaram nesta segunda-feira o Exército da Ucrânia de bombardear os arredores da estação ferroviária. O Governo de Kiev nega ter enviado o Exército a essa cidade do leste da Ucrânia, controlada pelos rebeldes, embora tenha admitido que pequenos grupos pró-ucranianos se organizaram e estão lutando contra os rebeldes pró-russos na cidade.

Quatro pessoas morreram em confrontos perto da estação ferroviária e do aeroporto, na periferia de Donetsk, segundo fontes hospitalares locais.

Na primeira hora da manhã, ouviam-se fortes explosões na zona da estação. Os separatistas asseguram que o Exército ucraniano lançou uma ofensiva para penetrar na cidade. Tanques dos rebeldes pró-russos e dezenas de milicianos se dirigiram, segundo testemunhas, para a estação, e muita gente fugiu da área. A Prefeitura de Donetsk pediu aos moradores que não saiam às ruas. O oficial rebelde Sergei Kavtaradze disse que pelo menos quatro tanques ucranianos tentavam entrar na cidade.

Do lado ucraniano, um porta-voz do Exército afirmou que as operações militares para recuperar o controle da zona separatista estão em "uma fase ativa". As forças de segurança ucranianas rechaçaram, no entanto, qualquer responsabilidade sobre as explosões denunciadas pelos rebeldes e asseguraram ter "ordens estritas" de não bombardear Donetsk.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_