O número de infectados pelo HIV recua no mundo, mas dá um salto no Brasil

Segundo um relatório da ONU divulgado nesta quarta-feira, o número de infectados entre 2005 e 2013 aumentou 11% no país, enquanto diminuiu 27,5% no mundo

Comprimidos de Kaletra, um medicamento contra o HIV.
Comprimidos de Kaletra, um medicamento contra o HIV.Charles Rex Arbogast (AP)

Enquanto o mundo dá um passo à frente no combate à AIDS, o Brasil salta para trás. Segundo um relatório da Unaids (a agência da ONU para a doença) divulgado nesta quarta-feira, o número de infectados entre 2005 e 2013 aumentou 11% no país, enquanto diminuiu 27,5% no mundo.

Um aumento no número de infectados no Brasil sugere também que mais pessoas tiveram acesso aos testes de confirmação da doença e, tendo ratificado o diagnóstico, iniciaram o tratamento com os antirretrovirais, passando a entrar, consequentemente, nas estatísticas oficiais.

Fonte: ONU
Fonte: ONU

Mas, por outro lado, a doença continua sendo transmitida potencialmente no mundo sem o conhecimento do portador, já que, dos 35 milhões que viviam com o HIV em 2013, 19 milhões não eram conscientes de que tinham a doença e de que poderiam contagiar outras pessoas.

Quinze países representam, em números absolutos, 73% dos 35 milhões de soropositivos do planeta. São eles, em ordem descrente: África do Sul, Nigéria, Índia, Quênia, Moçambique, Uganda, Tanzânia, Zimbábue, Zâmbia, Malaui, China, Etiópia, Rússia, Brasil e EUA.

Mas o fato de um país ter muitos habitantes soropositivos não é necessariamente algo ruim, porque significa que entram na conta dos que recebem tratamento. Por isso, há outra lista, tão ou mais importante: a dos 15 países que representam 76% dos 2,1 milhões de novas contaminações no último ano, também encabeçada pela África do Sul.

Mais informações

Os mesmos 15 países concentram 74% dos 1,5 milhão de mortes por AIDS no ano passado, com a única variação de que em vez dos EUA o último lugar é ocupado pela República Democrática do Congo. Essa mudança é um dos sinais de alerta, indicando a importância de assegurar simultaneamente o acesso aos exames e à medicação.

Avanços no combate

Por outro lado, a abrangência dos tratamentos contra o HIV aumentou 77% desde 2010, segundo o último relatório do UNAIDS. Isso significa que já há 12,9 milhões de pessoas que recebem a medicação, ou seja, 5,6 milhões a mais do que em 2010.

Na África, o continente mais afetado, mais de 80% das pessoas diagnosticadas recebem o tratamento atualmente. Essa cifra, no entanto, pode levar a imprecisões: há muitos africanos, talvez até 50% do total, que são portadores do HIV, mas não sabem disso.

Seja como for, o grande avanço apontado no novo relatório faz com que o diretor do departamento da ONU, Michel Sidibé, já fale do “começo do fim da AIDS”.

O notável aumento significa que a cobertura do tratamento saltou de 10% para 37% de todas as pessoas com o vírus HIV – uma cifra que inclui os supostamente contaminados, mas que não sabem disso, e os pacientes que ainda não precisam obrigatoriamente de medicação, embora pudessem se beneficiar do seu uso.

Déficits

Mas, além dos dados, o importante desse trabalho é que ele aponta os déficits na luta contra a pandemia. O primeiro é que as adolescentes e mulheres jovens – sobretudo as africanas – respondem por 380.000 das novas infecções (18%).

O segundo é que os homens que se identificam como gays ou que fazem sexo com outros homens têm 19 vezes mais probabilidades de estarem convivendo com o HIV do que a população em geral, com o agravante de que, por culpa da homofobia social e jurídica, apenas 10% têm acesso à prevenção.

Além disso, em geral, as mulheres que se dedicam à prostituição têm quase 14 vezes mais probabilidades de estarem infectadas pelo HIV do que o conjunto de mulheres entre 15 e 49 anos do planeta, embora sempre haja exceções. Outra população especialmente vulnerável é a dos consumidores de drogas injetáveis. Dos estimados 12,7 milhões que existem no mundo, 13% têm o HIV. Essas pessoas representam 30% dos novos diagnósticos fora da África.

A ONU também aponta outros grupos vulneráveis, como a população carcerária, os migrantes, os homossexuais e os transexuais. Em vários países, esses grupos são perseguidos. E isso dá asas ao vírus.

Políticas específicas

E. B.

O relatório do UNAIDS aponta algo que se debate há anos. Com exceção da África Subsaariana, a epidemia de AIDS não foi geral: centrou-se em grupos de pessoas com características especiais: minorias sexuais, consumidores de drogas, migrantes, detentos e minorias raciais, como os negros nos EUA.

Nos anos oitenta e noventa, as políticas de prevenção passavam por alertar que o risco era geral. Assim, conseguiu-se um envolvimento quase universal. Mas, embora ninguém esteja a salvo do HIV, há situações que tornam uma pessoa mais vulnerável. Isto quer dizer que o desejo de uma erradicação ou pelo menos de um controle exige ações específicas e esforços destinados a populações discriminadas, estigmatizadas e inclusive perseguidas juridicamente. Na Espanha, por exemplo, as últimas campanhas se centraram em jovens gays. Na Europa Oriental, são os consumidores de drogas os mais afetados. Uma diversidade que obriga a adaptar as políticas.