Que venha a Alemanha!

A torcida começa a recuperar a confiança na conquista do hexa, mesmo sabendo que o próximo adversário será difícil

Rezas durante a FIFA Fan Fest de São Paulo.
Rezas durante a FIFA Fan Fest de São Paulo.Nelson Antoine (AP)

O Brasil viveria o céu ou o inferno a depender do resultado do jogo desta sexta-feira. Quis o destino, ou melhor dizendo, Thiago Silva e David Luiz, que a confiança no hexacampenato começasse a voltar. “O campeão voltou!”, gritavam os torcedores na Fan Fest, de São Paulo, no centro da cidade. O espaço, reservado pela FIFA, estava com sua lotação máxima, de 30.000 pessoas. Depois da falta da Colômbia aos 49 minutos do segundo tempo, que não resultou em gol, os brasileiros deram o jogo por terminado. E a cantoria aumentou de volume. "Suave", disse Jefferson, um frentista de 22 anos, todo sorridente. "E que venha a Alemanha!", disse, em tom desafiador. “Depois desse jogo o Brasil tem chance”, dizia Marcos Vinícius, de 26 anos. “Não jogou muito bem, mas deu resultado”,

Henrique e Alexandre, dois amigos que vieram de Sorocaba para passar o final de semana na capital, tentam ser otimistas, mas realistas. "Thiago Silva não joga. Neymar, não se sabe. Vai ser complicado", concluem.

Os colombianos eram escassos, mas houve alguns corajosos perdidos entre a multidão verde e amarela. Camilo Angulo era um deles, que veio assistir a partida em campo inimigo. "A Colômbia que está jogando não é a mesma de outras partidas", afirma Angulo, que qualificava o jogo como ”ruim" e a festa na qual se encontrava de "chevere", uma gíria latina que quer dizer legal. "A quantidade de faltas reflete a frustração, que é própria de quem não acredita na vitória", analisa o estudante de 25 anos, que veio com mais dois amigos de Bogotá, com a camisa também amarela de seu time.

Já o comerciante peruano Martin Ferrari, de 39 anos, que veio torcer pela Colômbia, adiantava no começo do segundo tempo que não tinha muita esperança. "O Brasil está com uma boa técnica, chegou forte. Mas futebol é como a história de Davi e Golias, o improvável também pode acontecer". Não foi desta vez.

Quando o juiz anulou o gol de Yepes, a torcida vibrou como se fosse a outra rede que tivesse balançado. Mas na sequência, ficou silenciosa no pênalti bem sucedido da Colômbia. Houve outra tentativa de gol, dessa vez de cabeça, que também estava impedido. Nessa hora, quem tinha um terço na mão o apertou forte. Quem não tinha, juntou as palmas como se rezasse, mas o "uuuuh" coroou o alívio geral.

Os fogos de artifício se ouviram em vários pontos da cidade, mas ainda não dá para deitar em berço esplêndido, acredita o segurança Sergio Pereira, de 52 anos. “O time vai apanhar da Alemanha. Hoje deu uma melhorada, mas não estou tão confiante”, dizia. Antes do jogo contra os colombianos, porém, muitos brasileiros também não acreditavam na vitória de hoje, diante do temido atacante James Rodriguez. A tradição dos pentacampeões foi mais forte. Agora, que venha a Alemanha.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: