Dilma se encontra com Blatter e diz que estádios da Copa ficarão prontos a tempo

Reunião acontece dois dias depois da Fifa ameaçar excluir uma das 12 sedes da Copa por causa de atrasos nas obras

A presidenta Dilma Rousseff e o dirigente da Fifa Joseph Blatter.
A presidenta Dilma Rousseff e o dirigente da Fifa Joseph Blatter.R.Stuckert Filho (PR)

Dois dias após a Fifa ameaçar excluir a cidade de Curitiba da Copa do Mundo por conta de atraso na obra da Arena da Baixada, a presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, encontrou-se com o dirigente máximo da entidade futebolística, Joseph Blatter em Zurique. A reunião serviu para aparar as arestas entre ambos e tentar mostrar certa afinidade entre os organizadores do torneio e o poder público.

Apesar de o encontro ser tratado oficialmente como uma visita de cortesia, houve quem especulasse que Dilma e Blatter tratariam de temas como segurança no Mundial e a preocupação com protestos. Nenhum deles fez declarações públicas sobre o assunto.

Dilma não falaria à imprensa, mas, conforme agências de notícias, após a insistência de alguns jornalistas, ela tratou do atraso das obras. "Os estádios são obras relativamente simples. O governo fará todo empenho para fazer a Copa das Copas, isso inclui estádios, aeroportos, portos, tudo o que for necessário para que seja o país que receba todos aqueles que vão nos visitar", disse. Já Blatter afirmou ter confiança de que "O Brasil vai organizar uma grande Copa do Mundo”.

Dilma e Blatter trocaram farpas nos últimos dias, logo após as declarações dele a um jornal suíço no qual reclamava do atraso nas obras dos estádios e de mobilidade.

“Eles [os organizadores do Brasil] começaram tarde demais. É o país mais atrasado desde que estou na Fifa, e ainda é o único que teve tanto tempo - sete anos - para se preparar”, criticou. O dirigente está na entidade desde 1975, desde então aconteceram nove Copas do Mundo.

A resposta de Dilma veio por meio do microblog Twitter. Na ocasião ela disse pela primeira vez que os brasileiros estavam confiantes no cumprimento dos prazos e que o País faria a "Copa das Copas". Blatter, então, mudou o discurso e nesta quinta-feira se encontro com Dilma na Suíça.

Em março de 2012, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, disse que os organizadores da Copa no Brasil precisavam “levar um chute no traseiro” por causa dos atrasos das obras.

Ontem, foi inaugurado em Natal, no Rio Grande do Norte, o sétimo estádio que será usado na Copa do Brasil. Faltam ainda as arenas de São Paulo, Cuiabá, Manaus, Curitiba e Porto Alegre.