Coronavírus na Argentina

Argentina fecha suas fronteiras contra a variante delta do coronavírus

Governo permite a entrada de apenas 600 pessoas por dia no país. Alberto Fernández cancela sua participação em um fórum na França devido às novas restrições

Aeronave no aeroporto de Ezeiza.
Aeronave no aeroporto de Ezeiza.AFP

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar.

Mais informações

A Argentina se fechou nesta segunda-feira ainda mais para combater a pandemia de covid-19, que já causou mais de 92.000 mortes no país sul-americano. Com o turismo internacional proibido desde dezembro, o Governo de Alberto Fernández também decidiu diminuir a entrada de argentinos ou residentes do exterior. Entre esta segunda-feira e pelo menos até o dia 9 de julho, apenas 600 viajantes por dia podem entrar no país, o que deve deixar milhares de argentinos fora de suas fronteiras. Com a medida drástica, o Executivo busca atrasar a circulação da variante contagiosa do delta, que se espalhou rapidamente pela Europa e obrigou vários países a interromper a desaceleração de infecções.

A ministra da Saúde argentina, Carla Vizzotti, defendeu nesta sexta-feira o aumento dos controles para entrada no país devido ao alto descumprimento da quarentena obrigatória detectado entre quem retorna ao país. De acordo com o Governo, quatro em cada dez viajantes não cumprem a semana obrigatória de isolamento em casa e a realização de três testes de covid-19 para voltar às ruas. Na semana passada, as autoridades anunciaram que iniciariam 287 queixas-crime contra pessoas que violaram a quarentena.

Antes de deixar a Argentina, os passageiros assinam uma declaração na qual aceitam e assumem as “consequências sanitárias, jurídicas e econômicas derivadas” de sua saída do país e sua eventual reentrada nele, bem como a realização de um teste de covid-19 na sua chegada ao aeroporto e na sua estadia em alojamento designado pelo Governo em caso de teste positivo. “Quem saiu de férias terá que voltar infelizmente um pouco mais tarde, mas é preferível suspender as aulas por causa de um surto”, disse a chefa da Direção Nacional de Migração, Florencia Carignano, em declarações à rádio La Red.

“Se não fecharmos, em duas semanas teremos um colapso sanitário”, alertou Carignano. O sistema de saúde argentino enfrenta há alguns meses uma segunda onda mais virulenta que a primeira. Nesta segunda-feira, foram registradas 18.389 infecções e 576 mortes por coronavírus.

Voos cancelados

Ao longo do primeiro dia com as novas restrições, apenas três voos internacionais ―de Miami, Barcelona e Bogotá― pousaram em Ezeiza, o principal aeroporto da Argentina, localizado nos arredores de Buenos Aires. A Aerolineas Argentinas, a companhia aérea de bandeira do país, cancelou 59 dos 90 voos programados até 11 de julho.

A Câmara das Companhias Aéreas da Argentina denunciou que as novas medidas representam um “fechamento virtual de fronteiras” sem paralelo na região e afetam ainda mais as empresas que operam no país, fechado aos turistas estrangeiros há mais de meio ano. A International Air Transport Association (IATA, por sua sigla em inglês) pediu ao Governo argentino uma reunião urgente, alertando que “a nova redução de 70% no número de passageiros internacionais que podem chegar diariamente ao país obriga as companhias aéreas a deixarem milhares de passageiros no exterior, principalmente cidadãos e residentes argentinos, sem que eles tenham culpa“, afirma Peter Cerdá, vice-presidente regional da IATA para as Américas. De acordo com dados citados pela mídia local, cerca de 45.000 pessoas podem ser afetadas pela reprogramação e cancelamento de voos para as próximas semanas.

Alberto Fernández decidiu cancelar sua viagem a Paris na segunda-feira para participar do Fórum Geração Igualdade para respeitar as restrições aéreas impostas por seu Governo. Em carta enviada ao seu homólogo francês, Emmanuel Macron, Fernández justifica a sua decisão de permanecer na Argentina pelo fato de que nas últimas semanas a situação da saúde na Argentina e na América do Sul foi afetada por uma nova onda que atinge “ainda mais a vida política, econômica e social” do país, “apesar da intensa campanha de vacinação e das medidas de saúde adotadas“.

“Essas medidas foram fortemente reforçadas nos últimos dias, principalmente nas questões de viagens ao exterior, devendo se impor um limite de 600 pessoas por dia autorizadas a viajar”, disse Fernández na carta. “Este agravamento da situação sanitária obriga-me a acompanhar os esforços do meu povo no âmbito do respeito conjunto pelas normas preventivas estabelecidas, na esperança de uma rápida melhoria da situação atual”, concluiu após agradecer o apoio do Governo francês à Argentina.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Arquivado Em:

Mais informações

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50