Gratuito, bilíngue e com código de barras: assim é o passaporte de vacinação criado pela UE

O projeto de regulamentação preparado pela Comissão Europeia reserva os maiores privilégios do certificado às vacinas autorizadas pela Agência Europeia de Medicamentos

Mulher é vacinada em Pontevedra (Galícia), em 13 de março.
Mulher é vacinada em Pontevedra (Galícia), em 13 de março.Europa Press (Europa Press)

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar.

O certificado europeu de vacinação, de acordo com o projeto de regulamentação que a Comissão Europeia pretende aprovar nesta quarta-feira, será emitido gratuitamente e os dados deverão aparecer na língua oficial do país e em inglês, e tanto em formato digital como em papel precisará ter um código de barras que permita a leitura. O projeto, ao qual EL PAÍS teve acesso, prevê que o certificado possa ser utilizado para permitir a entrada em um território de pessoas que tenham recebido alguma das vacinas autorizadas pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA). E permitirá que os países da UE aceitem de modo bilateral outras vacinas, o que poderia facilitar o uso da russa e da chinesa.

Mais informações
GRAFCAT9066. BARCELONA, 03/03/2021.- Una enfermera se dispone a inyectar la primera dosis de la vacuna de Pfizer a una persona perteneciente al grupo de vacunación de mayores de 80 años en el CAP d'Horta de Barcelona, este miércoles, cuando todos los indicadores epidémicos han vuelto a mejorar hoy en Cataluña, donde el virus sigue retrocediendo, lo que está propiciando un alivio lento de la presión hospitalaria, aunque en las últimas 24 horas se han sumado 1.559 nuevos contagios y notificado otras 44 muertes por COVID-19. EFE/Enric Fontcuberta
Avanço da vacinação abre debate sobre os privilégios a serem dados aos imunizados
A man shows his "green pass" (proof of being fully vaccinated against the coronavirus) at the reception desk of a gym, in the Israeli coastal city of Tel Aviv, on February 21, 2021. - Israel took a step towards normalcy today, re-opening a raft of businesses and services from pandemic lockdowns, but with some only available to fully vaccinated "green pass" holders.  
Nearly three million people, almost a third of Israel's population, have received the two recommended doses of the Pfizer/BioNTech coronavirus vaccine, the world's quickest inoculation pace per capita. (Photo by GIL COHEN-MAGEN / AFP)
Israel adota cartão digital para acesso de vacinados a academias e espetáculos
This photo from Facebook page of Hungarian Prime Minister Viktor Orban shows him receiving the COVID-19 vaccine, making him the only leader of EU to receive the vaccine produced in China, in Hungary, Sunday, Feb. 28, 2021. Hungary have agreed to purchase 5 million doses of the vaccine developed by Sinopharm, enough to treat 2.5 million people.  (Viktor Orban Facebook via AP)
Com escassez de vacinas ocidentais, imunizantes da Rússia, Índia e China ganham popularidade

Salvo imprevistos de última hora, o projeto será aprovado pela Comissão Europeia apenas três semanas depois da cúpula europeia de 25 e 26 de fevereiro ter dado luz verde para a criação de um certificado europeu de vacinação. Cinco comissários da UE estiveram envolvidos na preparação do texto, cujas ramificações jurídicas e logísticas abarcam desde a proteção de dados sensíveis à necessidade de estabelecer um marco que permita a aceitação do certificado nos 27 países da União e, se possível, sua interação com outros sistemas de certificação semelhantes em nível internacional.

O passaporte europeu de vacinação, batizado de Certificado Verde Digital, não será necessariamente verde ou exclusivamente digital. O artigo 3.º do regulamento estabelece que os Estados-Membros também poderão expedi-lo em papel. Qualquer que seja o formato deverá que ter um código de barras “que permita a verificação da autenticidade, validade e integridade do certificado”, de acordo com o projeto da Comissão.

O documento será emitido gratuitamente e terá que garantir a sua verificação e leitura nos demais países da UE. O passaporte permitirá a inclusão de três tipos de certificados: de vacinação, do resultado de um teste ou de superação da covid-19.

O regulamento afirma claramente em seu texto preliminar que a certidão “não deverá ser condição para o exercício da liberdade de circulação”. E especifica que “este regulamento não pode ser interpretado como o estabelecimento de uma obrigação ou o direito de ser vacinado”. O documento da Comissão especifica que as pessoas que não puderam ou não quiseram ser vacinadas deverão desfrutar a mesma liberdade de circulação que as vacinadas, “sujeitas, se necessário, a testes obrigatórios ou quarentenas/autoisolamento”.

No entanto, o certificado parece destinado a se tornar um passaporte de saúde que permitirá a passagem das pessoas vacinadas e lhes facilitará a locomoção pela União Europeia sem estarem sujeitas a restrições. O regulamento estabelece que os Estados-Membros deverão emitir o certificado a todas as pessoas vacinadas com algum dos antígenos autorizados pela Agência Europeia de Medicamentos, que até agora são os da BioNTech/Pfizer, Moderna, AstraZeneca e Janssen.

O certificado também será emitido para pessoas imunizadas com vacinas autorizadas em âmbito nacional, como a russa Sputnik V e a chinesa Sinopharm na Hungria e Eslováquia. E também aquelas aceitas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Apoie a produção de notícias como esta. Assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$

Clique aqui

Mas o texto legal especifica que os direitos de passagem que cada vacina conferirá não serão os mesmos. No caso das autorizados pela EMA, todos os Estados que reconhecem a sua injeção como salvo-conduto para a livre circulação dos seus cidadãos terão que conceder o mesmo direito aos cidadãos de outros Estados-Membros vacinados com qualquer um dos quatro imunizantes autorizados pela autoridade europeia. Os países que permitirem a liberdade de movimento após a primeira dose das vacinas que precisam de duas (como é o caso de todas, exceto a de Janssen) deverão conceder a mesma liberdade aos cidadãos de outros Estados-Membros que também tenham recebido a primeira das duas injeções.

No caso de vacinas autorizadas em nível nacional, este reconhecimento será facultativo para cada país membro. Ou seja, um cidadão húngaro vacinado com o imunizante russo ou chinês, como o primeiro-ministro Viktor Orbán, só poderá viajar sem restrições a países da UE que reconheçam o uso dessas vacinas (a autorização da Sputnik V já está em tramitação na EMA).

Em todos os casos, o certificado tem que conter os dados essenciais da pessoa vacinada e do produto utilizado; e todas as informações devem aparecer nos idiomas oficiais do país emissor e em inglês. Dos 20 dados inicialmente previstos, o projeto estabelece 11 essenciais. Especificamente, o nome e sobrenome da pessoa vacinada, data de nascimento e a doença para a qual foi imunizada. Quanto ao produto, deverá constar o tipo de vacina, sua marca, empresa autorizado a fabricá-lo ou comercializá-lo e o número de doses necessárias. Por fim, o certificado terá que incluir a data e local da vacinação e a identificação do emissor.

Os dados serão muito semelhantes para os outros dois certificados, o que informa o resultado de um teste e o que atesta que a pessoa teve a doença. Em todos eles foram suprimidos os dados relativos ao sexo da pessoa vacinada.

O projeto de regulamento, elaborado com rapidez excepcional, envolveu os departamentos de Didier Reynders, comissário europeu para a Justiça; Thierry Breton, comissário para o Mercado Interno; Stella Kyriakides, comissária para a Saúde; e os dos vice-presidentes da Comissão, Vera Jourova e Margaritis Schinas. A Comissão considera imprescindível a sua intervenção para evitar que cada um dos 27 Estados-Membros crie seu próprio modelo de certificação, sob o risco de não serem reconhecidos de um país para outro. “Em particular, é necessário chegar a acordo sobre as normas técnicas que serão utilizadas para garantir a operacionalidade entre países, a segurança e a possibilidade de verificação dos certificados”, salienta a Comissão num dos anexos que acompanha o regulamento.

Após sua aprovação pelo órgão da UE, o projeto inicia sua trajetória legislativa no Conselho do bloco e no Parlamento Europeu. A Comissão Europeia está confiante em que será processado rapidamente e que o regulamento será aprovado o mais tardar em junho. O objetivo reconhecido é facilitar a livre circulação no verão e, assim, salvar a temporada turística deste ano. Os países mais dependentes do turismo, como Grécia, Croácia e Espanha, exigem há semanas a implementação do projeto. A Comissão prevê que até o final de junho tenham sido distribuídas 400 milhões de doses, o que permitiria vacinar 200 milhões de pessoas, ou seja, 54% da população adulta europeia.

Mas o regulamento não é suficiente por si só para a operação transfronteiriça do certificado, o que exigirá o estabelecimento da infraestrutura de informática necessária para que a sua emissão e leitura seja possível em todos os Estados-Membros de forma igual.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS