Uma nuvem de areia do Saara envolve Cuba, em plena etapa de desconfinamento

A tempestade de areia e poeira que viaja da África em direção à América Central golpeia Havana, única cidade da ilha onde as medidas de isolamento se mantêm

Uma mulher contempla a tempestade de areia do Saara na orla marítima de Havana, Cuba.
Uma mulher contempla a tempestade de areia do Saara na orla marítima de Havana, Cuba.Héctor Garrido
Mais informações

“Éramos poucos e a avó pariu”, diz com senso de humor local Esteban, um habanero massacrado pelas circunstâncias. O ditado ―equivalente a “desgraça pouca é bobagem”― é pura picardia cubana. E as tais “circunstâncias” de Esteban, as mesmas que nos últimos dias infernizam a maioria dos cubanos, são amplamente conhecidas: o desabastecimento, a fila do frango, as restrições de movimento devido à covid-19, a crise cavalar que se espera quando a epidemia passar e também o efeito das sanções dos Estados Unidos, que parecem dispostos a arremeter mais uma vez contra as remessas que os emigrados podem enviar a seus familiares. Em meio a tudo isso, debruçado na amurada do Malecón, a avenida da orla marítima de Havana, Esteban olha para o céu e não vê o sol: uma gigantesca nuvem de areia vinda dos desertos do Saara e do Sahel chegou nesta semana à ilha e cobre sua capital desde a quinta-feira.

A nuvem percorreu 10.000 quilômetros da África, levada pelos ventos alísios.  Já abraçou Porto Rico, República Dominicana, Jamaica e outras ilhas do Caribe e, depois de passar por Cuba, penetrará em parte da América Central, México e sul dos Estados Unidos.

O raio de abrangência do fenômeno é ainda maior que o das gigantescas tempestades tropicais e furacões que açoitam a região nesta época do ano. A frente, de centenas de quilômetros de extensão, chega carregada de bilhões de partículas em suspensão que deixam o céu com uma cor entre leitosa e alaranjada, arrebenta os termômetros e pode causar afecções respiratórias.

Segundo o Instituto de Meteorologia de Cuba, na quarta-feira a cidade de Guantánamo (leste) registrou um recorde de temperatura para esta data: 37,4 graus Celsius. Sim, uma barbaridade. A sensação de calor que isso provoca é verdadeiramente cansativa, e as autoridades sanitárias recomendam a asmáticos e pacientes com outras doenças respiratórias que fiquem em suas casas. As partículas que estas nuvens transportam contêm, além de areia, minerais como ferro, cálcio, fósforo, silício e mercúrio, junto com vírus, bactérias, fungos, ácaros, estafilococos e poluentes orgânicos, altamente nocivos para a saúde humana e que também podem provocar pragas em arrozais, pomares e canaviais.

As nuvens são geradas por tempestades de areia e poeira do deserto do Saara e do Sahel (a faixa semiárida ao sul do maior deserto do mundo), as quais podem alcançar alturas de três a sete quilômetros. Uma vez que se erguem sobre o continente africano, avançam empurradas pelo fluxo dos ventos alísios, propagando-se pelo oceano Atlântico até chegar ao Caribe, México e o Sudeste dos Estados Unidos. Esses fenômenos são recorrentes, acontecem quase todo ano no verão boreal, mas há vezes, como esta, em que são de grande magnitude e se transformam num perigo.

Estas nuvens de pó originam uma massa de ar muito quente com valores baixos de umidade que fazem diminuir a probabilidade de chuvas e contribuem para aumentar as temperaturas, embora, por outro lado, atrapalhem o surgimento e desenvolvimento dos ciclones tropicais.

Desde o começo da semana, o céu vinha mudando de cor no leste de Cuba. A areia do Saara caía sobre lavouras e povoados, até chegar na quarta-feira a Havana, único território do país onde ainda se mantêm as medidas de isolamento pela pandemia, sem ter dado início à primeira fase da desescalada. A epidemia da covid-19 na ilha está praticamente controlada: na quarta-feira foram notificados apenas 2 novos casos, na terça-feira, 1, e na segunda-feira, 3. Mas o desconfinamento programado é muito gradual para evitar um repique, sobretudo na capital, onde há 15 dias se concentram quase todos os casos.

Com todos os bares e restaurantes fechados em Havana, onde o transporte público continua suspenso, dar uma volta ―curta― pelo Malecón, usando máscara, é o único consolo de Esteban, que se diz farto de tantas filas e dificuldades. “Outro dia passei oito hora em uma fila para pegar dois filés de frango. Olhe, o coronavírus passará, a areia do Saara também, mas o duro é que a crise e o desabastecimento chegaram para ficar”, considera este habanero, que diz não ser “pessimista, e sim realista”.

Em meio à bruma leitosa que se abate sobre Havana ―o Instituto de Meteorologia informou na quarta-feira que a concentração de partículas em suspensão era de 57 microgramas por metro cúbico de ar, e que na quinta-feira alcançaria valores de 163 microgramas por metro cúbico― Esteban olha para o horizonte e continua com a brincadeira: “Veja só: sem turismo, nem frango, nem perspectivas, agora só nos falta vir um furacão”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: