Terceira dose multiplica a imunidade, de acordo com estudo sobre população revacinada em Israel

Pesquisa de universidades e hospitais israelenses conclui que a injeção de reforço aumenta a proteção contra covid-19 em até 95%

Vacinação em Jerusalém em 30 de agosto.
Vacinação em Jerusalém em 30 de agosto.ABIR SULTAN (EFE)

Aviso aos leitores: o EL PAÍS mantém abertas as informações essenciais sobre o coronavírus durante a crise. Se você quer apoiar nosso jornalismo, clique aqui para assinar.

Mais informações

Dois dias depois que um relatório de especialistas internacionais descartou, por falta de dados, que a terceira dose da vacina contra covid-19 melhora a imunidade da população em geral, o Ministério da Saúde de Israel divulgou, nesta quarta-feira, os resultados do primeiro estudo com pessoas revacinadas com uma injeção de reforço. A pesquisa realizada a partir de 1º de julho, quando Israel passou a oferecer a nova inoculação com a vacina Pfizer-BioNTech, por universidades e hospitais entre um milhão de pacientes, conclui que os inoculados com a terceira dose apresentam índices de contágio com infecções graves de até 10 vezes menos em comparação com aqueles que só receberam as duas primeiras punções.

O estudo israelense —liderado por um grupo interdisciplinar da Universidade Hebraica de Jerusalém, o Technion em Haifa, o Hospital Sheba em Tel Aviv e o Instituto Weizmann de Ciência, junto com o Ministério da Saúde e outros centros de pesquisa— foi revisado por especialistas antes da publicação na revista médica norte-americana The New England Journal of Medicine. Seus resultados mostram que a terceira dose reduziu em um mês as taxas de contágio e infecções graves entre aqueles com mais de 60 anos. Essa população foi a primeira a receber a injeção de reforço em Israel, um dos poucos países que generalizou a campanha de revacinação e um dos pioneiros em implementá-la.

O estudo sai apenas dois dia antes de uma reunião de um comitê consultivo da agência de medicamentos dos EUA (FDA) ser realizada, nesta sexta-feira, para discutir a administração de uma terceira dose de reforço da vacina da Pfizer. Após o voto não vinculante do comitê, o mesmo que recomendou a autorização emergencial da vacina em dezembro, o FDA deve decidir se atualiza sua autorização do medicamento para incluir a terceira dose para a população em geral (algo que já autorizou em agosto para os imunossuprimidos). A farmacêutica tenta há semanas convencer a agência de que os dados disponíveis corroboram seu pedido de autorização de dose de reforço.

O sistema de saúde israelense até agora inoculou cerca de três milhões de pessoas com uma dose extra: um terço dos habitantes do Estado judeu e cerca de metade de sua população com mais de 12 anos de idade. No entanto, os autores do relatório alertam que novos estudos serão necessários para determinar a eficácia da terceira dose em longo prazo contra a variante delta ou outras que possam surgir no futuro.

Dividido em duas coortes de pacientes —com reforço e sem reforço—, o estudo em um milhão de pessoas com probabilidade de receber a vacina contou 4.439 novos casos de covid-19, dos quais 294 casos graves, entre aqueles que não receberam as terceiras doses, em comparação com 934 e 29, respectivamente, entre os revacinados há pelo menos 12 dias. A taxa de infecções graves acabou sendo 10 vezes menor para o grupo de reforço, embora uma segunda análise mais rigorosa dos dados do estudo —diferenciando os hábitos comportamentais entre as duas coortes— descobrisse que a taxa era na verdade cinco vezes menor.

A revisão com modelos estatísticos para refinar os resultados do estudo também reflete o aumento da proteção oferecida pelas vacinas contra a covid-19. Se as pessoas imunizadas há seis meses com as duas primeiras doses têm metade da probabilidade de contrair a variante delta do que aquelas não vacinadas, as que receberam a dose de reforço têm apenas 5% de risco de infecção. Ou seja, a eficácia da revacinação sobe até 95%, equivalente à oferecida pela segunda dose duas semanas após sua aplicação, com a variante Alfa, menos contagiosa, publicada pelo New England Journal of Medicine, de acordo com nota informativa distribuído pelo Ministério da Saúde de Israel.

O estudo de Israel parece responder, pelo menos parcialmente, às afirmações de um grupo de especialistas do FDA e da Organização Mundial da Saúde (OMS), que destacou que não há evidências sólidas de que uma terceira dose seja necessária para a população em geral. Esses pesquisadores revisaram os ensaios clínicos sobre a eficácia das vacinas e analisaram seu desempenho em diferentes países. O trabalho, publicado na segunda-feira no jornal médico britânico The Lancet, argumenta que a eficácia dos medicamentos continua muito alta contra todas as variantes do coronavírus, incluindo a delta. “As evidências acumuladas até o momento parecem mostrar que não há necessidade de uma terceira dose na população em geral, pois sua proteção contra doenças graves ainda é alta”, afirmam os autores.

Trabalhador de saúde tira amostra de uma criança para teste de covid-19 em 3 de setembro em Jerusalém.
Trabalhador de saúde tira amostra de uma criança para teste de covid-19 em 3 de setembro em Jerusalém.ABIR SULTAN (EFE)

“Embora possa trazer alguma vantagem, os benefícios da imunização de não vacinados são muito maiores”, destacou o trabalho publicado pela The Lancet, já que “pode acelerar o fim da pandemia e evitar que mais variantes do coronavírus evoluam”. A OMS pediu a imposição de uma moratória sobre a aplicação de revacinação nos países mais desenvolvidos, desde que os níveis mínimos de proteção não tenham sido alcançados nos países pobres.

Israel se acomodou ao paradoxo de ter passado de um país pioneiro em vacinação a um líder em infecções per capita. Isso foi confirmado por um estudo da Universidade de Oxford na última semana de agosto, com mais de mil novos casos registrados todos os dias por milhão de habitantes no auge da onda da variante delta. Com uma média de mais de 10.000 positivos por dia, o recorde de infecções diárias registradas em janeiro, no auge da pandemia, foi superado. Nesta terça-feira, o Ministério da Saúde voltou a reportar um índice de infecção que ultrapassa a barra de 10.000 casos após mais de uma semana de redução da morbidade.

Os paradoxos de um país pioneiro

Com mais de 60% de sua população totalmente vacinada há quase meio ano e o único no mundo que já imunizou um terço de seus habitantes com a terceira dose —em ambos os casos, com taxas próximas a 100% entre aqueles com mais de 50 anos— Israel também tem o fardo de sair da pandemia. Cerca de um milhão de pessoas com mais de 12 anos (12% dos habitantes) se recusaram a ser vacinadas e quase 25% dos menores de 12 anos ainda não podem receber a vacina. Coincidindo com o início do ano letivo, os alunos desta última turma estão a ser submetidos a testes contínuos de detecção da covid-19, de forma a poderem isolar os infectados. Autoridades de saúde consideram esta uma das principais causas do alto índice de infecções, principalmente com sintomas leves.

Israel tem um forte sistema de saúde pública interconectado com bancos de dados de última geração e está relativamente isolado por um rígido controle de fronteira. Na campanha de imunização em grande escala lançada em janeiro, as autoridades israelenses foram acusadas de usar cidadãos como cobaias em um ensaio clínico em grande escala para garantir um fornecimento rápido e preferencial de frascos de Pfizer-BioNTech, em troca de compartilhar dados gerais de pacientes e resultados de ensaios clínicos com os laboratórios que desenvolveram a vacina. As críticas cessaram com o sucesso da campanha, que conseguiu reduzir a incidência da covid-19 dos mil casos por milhão de habitantes registrados em janeiro para apenas duas novas infecções por milhão em junho.

O Ministério da Saúde questiona agora se as causas da repercussão da pandemia se devem à variante delta, à redução da imunidade oferecida pelas vacinas ao longo do tempo ou a ambos. A norte-americana Pfizer, única fornecedora eficaz de vacinas ao sistema de saúde israelense, já preparou uma campanha comercial “com níveis equivalentes aos do viagra no passado” para impulsionar as vendas de seu imunizante contra o coronavírus, segundo informações do Financial Times. Além do que o FDA pode decidir nos EUA, França e Alemanha também estudam estender a revacinação. A Espanha apenas amplia o plano por enquanto para proteger grupos vulneráveis, como os imunossuprimidos severamente, e estuda estendê-lo a pessoas com câncer e idosos em asilos.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: