Tribuna
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Como a devastação no Cerrado afeta a quantidade de água que corre na sua torneira

Bioma, que concentra 5% da biodiversidade do planeta e funciona como uma enorme caixa d’água que irriga quase metade do Brasil, agora sofre com um ritmo de desmatamento avassalador

Pôr do sol no Parque Chapada dos Veadeiros, em Alto Paraíso, no Goiás.
Pôr do sol no Parque Chapada dos Veadeiros, em Alto Paraíso, no Goiás.FREDERICO VIANA
Mais informações

Pouca gente sabe, mas a soja, em termos de área ocupada, responde por 80% da agricultura do Cerrado. Aproximadamente 50% da produção desse grão está concentrada no bioma. Ou seja: são mais de 18 milhões de hectares ocupados com uma única espécie nessa savana, que é a mais biodiversa do mundo.

Aproximadamente 5% da biodiversidade do planeta estão concentrados no bioma, com uma alta taxa de endemismo, de cerca de 40%. Não precisa ser especialista em conservação para perceber que a expansão de uma única cultura sobre o Cerrado coloca essa riqueza natural em risco. O que talvez nem todos tenham percebido é que uma riqueza subterrânea também está ameaçada pelo avanço do agronegócio desordenado.

O Cerrado, que se estende por 2 milhões de quilômetros quadrados no Brasil, Paraguai e Bolívia, é uma região com alta concentração de águas, com nascentes, rios e reservas subterrâneas. Por isso, funciona como uma enorme caixa d’água, que irriga 40% do território nacional através de importantes bacias hidrográficas que, por sua vez, abastecem rios nas demais regiões do país. Sua topografia elevada facilita o escoamento dessas águas.

Para se ter uma ideia, essa região é o berço de nada menos do que oito das 12 principais bacias hidrográficas do país. São elas: Amazônica, Tocantins-Araguaia, Atlântico Nordeste Oriental, Bacia do Parnaíba, São Francisco, Atlântico Leste, Paraná e Paraguai.

Apostar apenas no agronegócio de escala industrial como única opção econômica para a região transforma o perfil da paisagem, reduzindo nascentes, assoreando rios e comprometendo o meio ambiente. Resultado: perspectiva de crises hídricas cada vez mais sérias e intensas no nosso país. E o sinal amarelo já foi dado: hoje restam apenas 50% da vegetação nativa do bioma.

Vejamos o exemplo da pequena Cristalina, em Goiás, um dos berços do sistema que leva água para 60 milhões de brasileiros, pois é cortada por mais de 200 rios e riachos que desembocam no Rio Paranaíba que, por sua vez, ajuda a formar o Rio Paraná.

O Rio Paraná com seus afluentes forma uma enorme bacia de drenagem que abrange cinco estados do país (São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul e o Distrito Federal), parte da região central da América do Sul, norte da Argentina e sudeste da Bolívia. Além disso, é o que possui maior capacidade de produção e demanda de energia do país.

O que se observa nos últimos anos é a redução da vazão de água nessa importante bacia ―parte por causa do período de estiagem, mas também por algo que pode ser evitado: o desmatamento. Cristalina e os municípios vizinhos, perto de Brasília, perderam, entre 1985 e 2019, 33% de sua extensão na microbacia Paranaíba 3, segundo o MapBiomas (que faz o mapeamento dos biomas). Em toda a bacia do Paraná foram dizimados 4,2 milhões de hectares de mata nativa no mesmo período.

Diante da grave crise hídrica que afeta o Brasil e pode comprometer o abastecimento tanto de energia elétrica, como de água potável, é urgente que o país olhe com mais atenção para o Cerrado. Afinal, à medida que a interferência de grandes empreendimentos de maneira desordenada avança sobre esse bioma, além do inestimável prejuízo com a perda de animais e plantas, vamos comprometendo toda bacia hidrográfica do Brasil e de regiões vizinhas do Paraguai e da Bolívia.

Como se não bastasse o prejuízo claro às nascentes e aos rios, o Cerrado sofre com os incêndios ―e sofre mais até do que a Amazônia, pois metade de sua vegetação nativa já foi destruída. Dados do WWF-Brasil revelam que, apenas em maio, o número de queimadas sem planejamento e de desmatamento na região ultrapassou todos os recordes dos últimos anos.

O ritmo de desmatamento é avassalador e cresceu 16,9% em junho deste ano e 6,3% no acumulado do primeiro semestre, em comparação com 2020. A área natural perdida em junho foi de 511 km2. Nos primeiros seis meses do ano, foram devastados 2.638 km2 de mata nativa―um aumento de mais de 20% com relação ao mesmo período do ano passado.

Se olharmos detidamente para a importância desse bioma, considerando seu valor além das bacias hidrográficas, percebemos que essa é a savana mais biodiversa do mundo. Além disso, a destruição da paisagem do Cerrado pode favorecer os focos de incêndio em reservas naturais como o Pantanal, por exemplo ―a maior planície alagada do mundo. Com o impacto no Cerrado, os níveis de água no Pantanal são afetados e deixam essa área mais vulnerável a pegar fogo. E o desmatamento avançando sobre uma área tipicamente seca traz ainda mais insegurança hídrica. Tudo porque as raízes profundas da vegetação desse bioma funcionam como captadoras da água da chuva e abastecem os reservatórios subterrâneos. Com o desmatamento, interrompemos esse ciclo.

No meio desse cenário tão desafiador de incêndios e exploração intensiva, iniciativas como o Projeto Ceres (iniciais de Cerrado Resiliente) surgem como um sopro de esperança. Ao unir recursos robustos da União Europeia (serão 5,5 milhões de euros) e de organizações não governamentais do Brasil e Paraguai, como ISPN, WWF-Brasil e WWF-Paraguai, com coordenação do WWF-Holanda, a iniciativa pretende atuar com os diversos atores, como pequenos e médios produtores, entre outros, para buscar soluções mais sustentáveis de produção e uso dos recursos naturais, além de valorizar sua sociobiodiversidade.

O projeto vai concentrar recursos humanos e financeiros para encontrar, testar e alavancar soluções entre modelos e escalas que possam ser replicados em outros territórios pelo mundo. Na prática, vai unir as populações locais, guardiãs de segredos da terra e do cultivo de riquezas naturais como o buriti, o mel do Cerrado, o babaçu e o baru, entre outras, para fortalecer a conservação desse bioma.

Como o Cerrado sul-americano tem extrema importância para o equilíbrio hídrico do continente e, consequentemente, do planeta, os investimentos da União Europeia nessa região estão em consonância com as três áreas que foram eleitas como prioridade para receber recursos nos próximos anos: alimentação, biodiversidade e clima.

Ao mesmo tempo que é tão importante, esse bioma também apresenta vários desafios do ponto de vista da conservação porque exige diferentes soluções para que seu desenvolvimento seja inclusivo, de baixo carbono e sustentável. O projeto vai interagir com as comunidades locais e pequenos proprietários rurais para incluir modelos de produção para itens que hoje têm pouca visibilidade, mas são riquezas de alto poder comercial e de preservação do bioma.

Segundo o Censo Agropecuário Brasileiro de 2006, pequenos proprietários rurais detêm 69% das propriedades no Cerrado brasileiro. Oficialmente, existem ainda 83 comunidades indígenas na região e 667 comunidades tradicionais. Mas levantamento feito por organizações da sociedade civil, como a Tô no Mapa, mostram que há 3,5 vezes mais povos, comunidades tradicionais e agricultores familiares (PCTAFs) na região do que mostram os dados oficiais. A Tô no Mapa mapeou mais 1711 comunidades através de dados bibliográficos (65), parcerias (198) e oficinas (1448). Esses pequenos grupos são fundamentais para a segurança alimentar, pois respondem pela produção dos principais produtos alimentícios da dieta básica das pessoas, que vai além da proteína animal produzida pelas grandes monoculturas e pecuária.

O projeto não deixará de atuar nem mesmo com os produtores rurais da região que detém 70% da produção agrícola nacional e que respondem por 44% das exportações. Eles têm um papel estratégico como promotores da recuperação de áreas degradadas, para onde podem direcionar sua produção, assegurando que a expansão agropecuária se dê sem a conversão de novas áreas naturais do bioma.

Na prática, será um grande laboratório socioambiental, identificando e testando soluções com potencial de serem disseminadas para outras localidades. A proposta é deixar um legado permanente de valorização e respeito ao bioma e a seus produtos, fazendo com que o Brasil e o mundo conheçam e valorizem essa região que fornece água superficial, subterrânea e atmosférica para grande parte da América do Sul. É um projeto ambicioso, sem dúvida, e desafiador. Mas quando o tema é conservação, toda ação importa e faz a diferença.

Ana Carolina Crisostomo é analista de Conservação do WWF-Brasil e facilitadora regional do projeto Ceres, é especialista em conservação e desenvolvimento socioambiental.

Inscreva-se aqui para receber a newsletter diária do EL PAÍS Brasil: reportagens, análises, entrevistas exclusivas e as principais informações do dia no seu e-mail, de segunda a sexta. Inscreva-se também para receber nossa newsletter semanal aos sábados, com os destaques da cobertura na semana.

Faça seu login para seguir lendo

Saiba que já pode ler este artigo, é grátis

Obrigado por ler o EL PAÍS

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: